18 de abril de 2024

145 thoughts on “Um homem que gosta de se sentir como uma mulher

  1. Hummm…parabéns!!!
    Sempre com uma discussão muito interessante Amanda!!!

    Qual homem não tem o seu lado feminino e qual mulher não tem o seu masculino???

    Eu por exemplo, quando criança, adorava colocar um vestido todo colorido da minha irmã e dançar, enquanto elas batiam palmas e cantavam e achavam a coisa mais bonitinha do mundo!!!
    Também já cheguei, quando criança também, a usar a maquiagem de minha mãe e irmãs e ficar me olhando no espelho. Escondido é claro rsrsrs…!!!
    Quando adulto, passei, em relações com algumas mulheres, a ser passivo. Toques, penetrações com dedos, tratamento como se eu fosse mulher…
    Enfim, é muito gostoso!!!

    Será algum traço de uma bissexualidade ainda reprimida, mesmo vivendo essas fantasias com o sexo oposto???

    1. Oi, Eduardo, fico feliz que tenha gostado! 🙂
      É mesmo uma discussão interessantíssima.

      Adorei também o seu relato. Você já tentou usar vestidos também como adulto ou algum outro acessório “considerado feminino”? Como você vê essa questão?

      Sobre a sua pergunta. Difícil dizer se essa troca com as mulheres seria um traço de bissexualidade. Considerando outros relatos seus, acho que você pode ser bissexual pelo fato de se atrair por homens e não necessariamente por ter índícios de “homem lésbico”.

      Acho importante a gente sempre tentar separar gênero de sexualidade. Se adicionamos pitadas de “feminino” no “masculino” – ou ainda se nos consideramos trans – é uma coisa. Atração sexual é outra. Um homem querer ser uma mulher não muda a sua sexualidade, que pode ser bissexual, heterossexual ou homossexual, independentemente de como é a sua identidade de gênero.

      Alguém para acrescentar mais informações sobre isso?

      1. Amanda,

        concordo com vc: identidade é uma coisa e atração sexual é outra.

        Eduardo, não acho que ser passivo na relação também o faz necessariamente ser feminino (embora possa acontecer de se sentir assim). Convencionou-se que sexo anal para homem é coisa de homossexuais, o que obviamente não é verdade (odeio rótulos e convenções arcaicas, vc não?). Muitos homens adoram ser estimulados por suas parceiras nessa região. Colocar para fora o seu lado feminino nessas horas também não o faz ser bi, na minha opinião.

        Amanda, colocando um pouco de lenha na fogueira: essa história do homem usar calcinha e absorvente praticamente como uma obssessão diária … sei lá. me lembrei do cobertor do Linus … me pergunto sobre os limites tênues entre fantasias, fetiches, obssessões e transtornos. Não estou dizendo que esse é o caso mas …

        1. Oi, Nanda, obrigada pela colaboração. Concordo com você também em relação à passividade do homem. Está convencionado que ele deve ser sempre ativo, mas sabemos que essa é uma norma “imposta” pela sociedade. Acredito ainda que esse padrão prejudica a relação entre homens e mulheres, na qual os homens devem ser sempre “ativos” perante elas.

          Sobre a sua lenha na fogueira, acredito que a discussão é totalmente válida. Podemos trazer aqui um especialista para discutir o assunto.
          Já recebi um e-mail de um homem que se identificou com o relato.
          Beijos, Nanda!

          1. Super correto, Amanda

            Por isso que muitos dizem que o sexo gay é melhor que o hétero, porque não possui barreiras, e concordo, Acredito que exista uma grande inimigo nisso tudo, o machismo.
            É ele quem limita muitas coisas, principalmente o homens em viverem seus desejos de maneira plena.

            Abraços

      2. Bom dia Amanda

        Então, creio eu que o indivíduo do texto pode muito bem estar perto de ser uma crossdresser, porém existe algo a se entender: muitas pessoas tem vontade de se vestir como o sexo oposto pra fins sexuais, como eu, outras querem viver dessa forma, o que parece ser o caso do autor do texto.
        Eu descobri isso numa festa. Me fantasiei de uma mulher com peitos grandes numa festa junina, e fiquei oferecendo os peitões pra uma amiga. Isso me excitou na hora.
        Quanto a sexo, adoro a possibilidade de submissão a uma mulher, ser passivo, isso me excita muito e acho que sexo é sexo, e isso não me faz menos hétero, bi, etc.
        E de fato, gênero não define sexualidade 😉

        abraços

    2. Bem… eu tb tenho 45 anos e acredito passar pelo mesmo processo.

      Qdo criança… senti um desejo enorme de usar uma calcinha de minha mãe.

      Qdo a vesti pela 1ª vez, uma ondo de sensações e sentimentos percorreu todo meu corpo. Nervosismo, excitação, realização e medo fizeram uma mistura potente nesse momento.

      Mas me senti seguro de vestir a calcinha dela e até fui pra rua jogar bolinha de gude com os amiguinhos. Nessa época eu tinha uns 10 ou 11 anos. Desde então nunca consegui abandonar esse desejo de me vestir de mulher.

      Desde então passei a me questionar acerca do que eu SOU!!

      O ano era 1986… não havia internet, o acesso à esse tipo de informação era difícil e as pessoas eram descriminadas apenas por pensar diferente. O HIV (chamado de doença gay na época) estava em todas as manchete, Cazuza, Roberta Close.. enfim, era um universo que trazia medo e insegurança pra um garoto de 11 anos de idade.

      Meu desejo por calcinha crescia diariamente, mas eu não tinha como comprar calcinhas pra mim sem levantar suspeitas… éramos 6 pessoas em casa e só havia minha mãe como representante feminina…rs

      Sempre senti um tesão enorme ao ver lingeries… até hoje fico excitado ao passar na sessão feminina das lojas e de pesquisar essas peças na internet.

      Confesso que minhas primeiras calcinhas foram “furtadas” das irmãs de meus amigos…Eu amava ter várias peças diferentes, principalmente as FIO DENTAL.

      Certa vez peguei a parte de baixo do biquíne de minha mãe e fui pegar sol num terreno baldio que ficava perto de minha casa.. A sensação foi maravilhosa.

      O tempo foi passando… eu fui crescendo e mesmo desejando muito ser e me vestir como mulher, comecei a namorar uma menina.

      Éramos virgens.. e conhecemos o sexo juntos.

      Nunca senti desejo por homens….e mesmo querendo ser uma mulher, sempre desejei mulheres.

      Eu vestia as roupas de minha mãe… colocava maquiagem e as vezes saía de casa escondido (a noite) para andar na rua com roupas femininas, morrendo de medo de ser descoberto.

      Nunca consegui entender bem o que sentia… me achava um DESEQUILIBRADO, UM DOENTE ou coisa pior, pois sempre quis ser mulher e ao mesmo tempo desejando mulheres.

      Com meus 15 anos tive meu 1º contato com o lado HOMO… eu não sabia que se passava dentro de mim. Tive relação sexual (ativo) com um garoto da rua que morei. Confesso que não foi ruim, mas depois do sexo me senti com nojo de mim mesmo e não voltei mais a fazer.

      Era extremamente difícil entender o que se passava comigo.

      Fui criado com a ideia de HOMEM x MULHER… e nada mais, ou seja, homem gosta de mulher e mulher gosta de homem.

      Eu ficava no transitório… queria ser mulher mas gostando de mulher.

      O universo feminino sempre me atraiu… gosto muito de usar hidratante e embora tenha barba e bigode, faço depilação nos braços e pernas.

      Adoro usar lingerie.. camisola, calcinha fio dental, meia calça e vestidinho… mas ninguém sabe desse meu lado.

      Hoje estou no meu 3º casamento.. tenho 4 filhos, trabalho com construção civil, tenho várias tatuagens, fogo futebol, já pratiquei surf e Jiu Jitsu.. ou seja, um homem tipicamente MACHO!!!

      Mas desejo muito e me excito só de pensar em ter quadris largos, bumbum empinado, pele lisa e traços femininos…Meu maior sonho era colocar um biquíne fio dental e pegar um sol na praia.

      Não sei se existe essa definição, mas acho que sou um HOMEM LÉSBICO… rs

      Desejo ser mulher… mas desejo ter mulher..

      Dá pra entender?

      1. Lendo seu relato muita coisa parecia ser sobre a minha história, apesar de no meu caso nunca ter tido uma relação HOMO, quase todo o resto experimento secretamente, desejo de vestir roupas femininas, de me sentir uma mulher, não tenho atração por homens quando olho para ele, mas quando me fantasio no corpo de uma mulher me excito demais pensando em um pênis duro e grande, mas sinto repulsa em pensar em beijar um homem, isso me deixa muito confuso.
        Tenho 48 anos, e minhas experiências sexuais se resumem apenas à vida intima com minha esposa que é quase assexual, também nos conhecemos virgens e nossa vida sexual sempre foi bem monótona, ultimamente está cada vez mais raro termos contato, esse ano a primeira vez foi na noite de natal rsss, apesar de me sentir muito atraído por ela, ela perdeu quase todo desejo por sexo.
        Não sei se sou homem lésbico, ou outro rótulo qualquer, mas também acho que nesta altura da vida não há mais porque buscar um rótulo, sinto que o sexo pra mim será cada vez menos realidade, e mais fantasia.

    3. Sou Cisgênero, mas de familia em que minha mãe queria que todos tivessem nascido do genero feminino, ai os que casaram não possuem aquela realização conjugal; um dos meus irmãos com a homossexualidade bem aflorada, a máxima: “gostar da fruta”; já eu, como reflexo dessa memória fetal (desejo que nossa mãe queria de ter uma prole de mulheres), nunca senti prazer em masturbar e, quando ocorre, é para aliviar situação de stress! Percebo que os homens, como que não me “buscam” para serem “ativos” comigo, mas que podemos nos “completar”! Em viagem ao Nordeste, o taxista citytour, comentou comigo e mostrando uma mulher em que o biquini, deixava um pouco a mostra, a “separação” já havida das nádegas; comentei que a mulher que anatomicamente é mais acolhedora ao homem, não precisava se “moldar” no bumbum e, rindo disse, que eu tinha bundinha, me afagou e disse que não percebia ser problema! Depois numa descida, me levantou um braço meu, me ajudando a descer, depois brevemente, me encoxou, tudo natural para ambos! Fiquei uma semana, na cidade, sem precisar ou demorar tantos dias, para ele me penetrar, sem precisar pedir, tudo estava tão implicito!

    4. A sua pergunta sobre bissexualidade é
      Bem simples de ser respondida,
      Basta você se questionar
      Se possui atração sexual com homens,
      Já se teve ou tem alguma fantasia erótica
      Com algum homem
      Se resposta for sim, então você é bissexual caso a resposta seja não, então você não é.
      Não sei quanto a você, mas eu tenho o
      Mesmo hábito da pessoa da reportagem
      Calcinha,absorvente e lingeries em geral.
      Ultimamente tenho vontade de me maquiar,
      Só não o fiz ainda porquê não sei por onde começar.

  2. Amanda meu anjo, depois de adulto eu fiz uma troca de lingeries com duas parceiras. Foi muito interessante! Teve uma que uma vez quis me maquiar, mas tive um certo preconceito por medo (o que ela vai pensar depois? será que estava me testando?) e não deixei.
    Oi Nanda! Prazer! Eu sei que temos de separar identidade de atração sexual meu anjo. Porém, eu falo de algum aspecto de bissexualidade, pelo fato de quando era passivo com a parceira, algumas vezes imaginava a mesma como sendo um homem. Talvez pelo fato de ainda não ter coragem de quebrar os muros e as amarras do preconceito e partir para experimentar ao vivo e a cores com um homem (na minha imaginação solitária, já transei com vários homens rsrsrs…). Ela me dizia que também tinha um lado masculino.
    Quanto aos rótulos, também os odeio!

    É Nanda, a História do absorvente é bem estranha mesmo! Seria interessante a pessoa que faz tal prática, procurar uma orientação profissional (psicólogo, sexólogo…). Não é nenhum preconceito, mas para título de entender melhor o porquê de tal prática fetichista!

    Beijão!!!

    1. Eduardo, imagino que tenha sido mesmo interessante a troca de lingeries.
      Sobre o absorvente, o personagem do nosso relato já contou a situação ao terapeuta. Vamos ver se ele comentar algo por aqui ou se falo com ele para trazer reforçar esse debate.

      1. Amanda a meu ver ,isso é uma maneira de se sentir um pouco feminino .Eu gosto de me cuidar para me sentir feminino no intimo ,muito discreto mas me sinto bem.

    2. Oi, Eduardo!
      Tudo bem? Prazer igual! Aliás é sempre um prazer ler os seus comentários, sempre muito bem escritos, intervenções sempre interessantes.
      Peço mil desculpas, claro que sei que vc sabe (desculpe a repetição) separar atração de identidade, falei aquilo (1) para reforçar o que Amanda colocou (tem gente que ainda fica confuso com isso), (2) e porque acabei justamente omitindo uma pergunta que eu iria lhe fazer, que era se vc fantasiava ser possuido por um homem. Não sei porque dei para trás, fiquei com medo de pegar pesado logo no nosso primeiro encontro! Rsrs. Foi idiotice. Do jeito que escrevi deu a entender que eu estava lhe mostrando algo que vc não sabia. Peço mil perdões por isso. Mesmo assim me pergunto se mesmo fantasiando com alguem do mesmo sexo isso seria considerado bissexualidade (botando novamente lenha na fogueira). Eu lembro que li por ai alguns psicanalistas falando a respeito, mas nao lembro onde foi, ou se foi delirio meu, deixo a curiosidade e a vontade de procurar se procede a cargo da Amandinha. Eu sei que gosto de mulher não porque fantasio (claro que fantasio) mas porque meu coração e o meu sexo palpitam quando vejo uma mulher atrativa.
      Beijos!

      1. OI Nanda, bom dia

        Bem, eu acredito que, assim como homens e mulheres tem sutis semelhanças físicas (lembrando da comparação pênis e vagina, onde o primeiro poderia ser uma vagina e o segundo um pênis), essa questão biológica também posso influenciar a parte neurológica, psicológica, etc.
        O que quero dizer é que pode ser que a linha tênue que separa homens e mulheres não deva ser muito grande (ou quem inexistente) sendo que quem impôs isso, essa linha, foi a sociedade.
        No fundo no fundo existem homens e mulheres, mas o masculino e o feminino fluem entre ambos os gêneros.

        Abraços

        1. Max, concordo com você.

          No fundo a gente vai descobrir o óbvio: cada pessoa é única, e resultante de fatores biológicos e ambientais (cultura, sociedade, a maneira como a pessoa internaliza tudo isso,etc). Sim, existe uma linha tênue nos separando.E mais: sabia que nossos ancestrais eram seres (unicelulares) que se replicavam (clonagem), sem diferenciação de sexo? Pelo que me lembro de ter lido, de repente uma “pequena” mutação e um cromossomo X perde uma perna e vira Y. Foi quando começou a existir diferenciação sexual, e começamos a fazer cópias incompletas de nós. Por isso os homens tem mamilos e pênis (desenvolvimento do clitóris), e até 3 semanas depois da fecundação o feto é feminino, quando então o cromossomo Y ativa as características masculinas (no caso dos meninos). Ou seja, todo mundo no princípio é mulher! Bom, lí por aí. Que me confirmem os biólogos de plantão.
          Uma curiosidade, uma amiga me contou a seguinte história: a mãe de um coleguinha do filho comentou que o filho dela havia perguntado porque as meninas não tinham “peru” (hahaha, essa mania de dar nome de bichos). Ela respondeu que as meninas tinham sim, só que ele era pra dentro, Faz sentido, não?
          Beijos Max!

  3. Vc me ajudou bastante com seu relato, principalmente por me identificar com ele. Tambem praticamos a inversao de papeis e isso completa muito nossa relacao.
    Voce pode portanto observar que conto com o apoio de minha esposa na minha aceitação e já me considero bisexual e solto dentro do meu dia a dia. Mais uma vez te agradeço.
    Edu.

  4. Olá meu xará EDU71169, tudo bem?

    Hummm…, se deu para mim entender, você também considera jogos sexuais com pessoas do sexo oposto, no caso de inversão de papéis como falou, como mais uma das várias facetas da bissexualidade. Eu também considero isso, pelo fato de usar minha imaginação, quando passivo com mulheres, para visualizar nelas, homens me possuindo. É interessante observarmos que nosso lado homo pode manifestar-se de várias maneiras. Sendo assim, acredito que os fetiches, principalmente os de trocas de papéis de gênero, podem ser uma válvula de escape, para desejos reprimidos. Pois não é nada fácil, para quem teve uma criação ultra conservadora, repressiva e castradora, colocar em prática uma vontade íntima que vá de encontro a tudo aquilo que em um passado não muito distante considerávamos errada e até mesmo nunca imaginávamos que teríamos tais desejos, que em um determinado momento nunca haviam se manifestado. Que bom que sua esposa é compreensiva e o apoia meu amigo!
    Que bom que temos esse espaço para debater e trocar ideias! Parabéns de novo Amanda, sinto como se fosse uma sessão de psicoterapia em grupo, pois sinto-me muito a vontade aqui para fazer minhas colocações e dúvidas, independente se quem irá ler interagir nos debates é homem ou mulher.
    Muito legais as opiniões da Nanda! Adorei!!!

    Beijão!!!

    1. Bom dia Eduardo

      É bom lembrar que, bissexuliadade é a atração afetiva e/ou sexual por pessoas de ambos os gêneros. O fato de você ter relações sexuais com mulheres, mesmo sendo passivo ou imaginando elas como homens, não tem nada de bissexual.

      Não sei se bate com o que você pensa.

      abraços

  5. Olá Nanda, os dois Eduardos e, claro, a Amanda.

    Sou o tal executivo do RJ – o bem sucedido fica por conta da Amanda, em que pese não ter do que reclamar da minha profissão. E logo de cara que deixar meu agradecimento à dedicação e sensibilidade da Amanda.

    Li, com carinho, cada um dos comentários de vocês. Por isso, quero trazer alguns pontos para esclarecer e/ou jogar lenha.

    Sim, tenho uma conexão forte com meu lado feminino. Já briguei com esse lado, e comigo. Hoje prefiro dedicar ao meu lado feminino o mesmo que dedico ao masculino: amor-próprio. O que quero dizer é que tentar silenciar minha alma e meus desejos só fizeram com que eu me afastasse do que sou, e me aproximou de alguma outra coisa que não sou eu. E nem ou minha esposa queremos isso – quase perdi a vida e não quero repetir a experiência.

    Sobre o absorvente, ponto de maior interesse: já analisei demais esse tema com meu terapeuta para aborrece-los com teorias e explicações. Minha visão é relativamente simples sobre isso. Gosto porque consigo sentir uma coisa parecida com o que as mulheres sentem. Um segredo meu, que me faz olhar para minha intimidade. Algo que ninguém sabe (porque realmente não aparece sob a roupa) e que me faz parar de tempos em tempos para eu prestar atenção no meu corpo, na minha vida, nas minhas fragilidades e minhas forças. É quase um ritual que surge quando preciso resolver alguma questão comigo. As moças aqui não devem entender porque incomoda pacas mas, para mim, é só uma expressão do feminino.

    Quanto ao sexo, eu e minha esposa temos um trato. Podemos ser homem ou mulher, e se o sexo será homo ou hétero não nos importa porque vai depender de como estamos na hora. Pode ser homo feminino, homo masculino ou hetero (mas nunca sei quem será o homem ou a mulher – kkkkk). E, claro, pode ser tudo isso na mesma deitada.

    Eu tenho o dever de viver a verdade da nossa natureza, e ela é assim, múltipla, com fases. Não foi fácil a caminhada mas valeu à pena. E o que mais desejo para vocês é isso: aceitem suas fases e seus amores, e sejam tão felizes quanto a realidade permitir.

    E se quer sentir o gosto do baton na boca (vale para homens e mulheres), vai fundo porque é uma delícia! -rsrsrsrsrs

    1. Não vejo nada de bizarro nisso. Se é algo que te dá prazer? OK. Não consigo enxergar nenhum malefício. Todos nós temos o nosso lado masculino e feminino, como já foi mencionado aqui. Talvez algumas pessoas lidem melhor com esses dois aspectos. Eu mesma, sou bem feminina, mais em alguns momentos coloco uma masculinidade pra fora que me surpreendo comigo mesma. Sua esposa está certissima, eu toparia tudo com meu marido. Estamos felizes e satisfeito? Ok, é isso que importa.

        1. Boa tarde, Arthur, raras vezes usei absorvente, apenas quando namorei e ia ao motel, horário de almoço com colega! Depois tinhamos 6 horas de trabalho pela frente, numa gráfica! Ele levava até da esposa! Numa ocasião, ele me colocando absorvente, o garçon até disse “caraca” corpo peludo e voz grossa, se abriu a homem!

    2. Arthur,
      Não conhecendo a sua história na totalidade, e aproveitando para debater o assunto, levantei a bola dos fetiches que levam a transtornos. Fiz isso não direcionado a vc, mas porque existem pessoas, quem sabe talvez acompanhem esse blog, em que os fetiches ou rituais podem ser de tal maneira que impeçam outra formas de expressão e de prazer sexuais, ou podem reduzir a visibilidade do “outro” (lí o depoimento de uma sexóloga em que ela dá o exemplo de um fetichista de pé, que no extremo só se atém ao seu objeto de desejo para gozar, ignorando a pessoa a quem o pé pertence – desculpe, o exemplo é da sexóloga, não meu).
      Foi muito interessante ouvir seu relato, acredite, e entendi sua relação com o absorvente.
      Quanto a troca de papeis, as “brincadeiras” entre vc e sua esposa, achei o máximo! Acho que no sexo a gente deve se permitir experimentar, desde que conversado e consentido entre as partes. Dialogo é tudo.
      Uma amiga minha falou que pagou paixonite uma vez por uma louraça linda e gostosa (vai por mim, eu conheço a figura, gostoooosaaaa), que tentava conquista-la de tudo que é jeito. Uma vez numa festa a loura tentou dar um amasso na minha amiga nitidamente em posição de ativa, quase masculina. A minha amiga se esquivou porque não queria ficar na posição de passiva. Eu falei pra ela: tá louca? Se uma louraça dessa cai em cima de mim ativamente … eu deixo! Quem sabe depois invertemos? Hahaha, essas merdas de rotulos e papeis sexuais definidos. A boba deixou de aproveitar, na minha opinião.
      Bem, Arthur, foi um prazer enorme te conhecer e ouvir tua história. Beijos cariocas!

    3. Acho que o absorvente entra quase como um simbolismo da sua sexualidade feminina, com se fosse um gesto pra aflorar, bom eu amooooooooo andar de cueca..kkk amo… sou feminina mais amo cueca…mais engraçado que minha mãe não sabe que sou bi, mais conta pra todo mundo que eu adoro cueca..kkkkkk

      1. Anny,

        hahahha, adorei essa história da cueca. sim, faz paralelo com o absorvente. Talvez seja por aí sim, deixar aflorar a sexualidade. E eu aqui aprendendo cada vez mais com vcs.

        Bjs

    4. Olá Arthur tudo bem?
      bom eu Não sei quanto a você, mas no meu
      uso absorvente porquê me excita muito.
      eu comecei usando calcinha, passei para o sutiã,
      meia calça, camisola e acabei indo até o absorvente.
      concordo quando você diz que todos temos os dois lados dentro de nós o masculino e feminino
      as vezes eu até brinco com as pessoas mais próximas que sabem desse meu gosto dizendo que estou vivendo afase mais feminina da minha vida rsrs

  6. Oi, Eduardo.

    Quando escreví uma resposta ao seu comentario, não vi que vc tinha respondido ao seu xará. Concordo plenamente que fetiches, fantasias podem ser uma válvula de escape pra desejos reprimidos, claro. Eu só lancei no ar a dúvida se existem outros fatores, ou desejos, que não bissexualidade reprimida, para a inversão de papéis. É curiosidade minha mesmo. A lógica diz que a mente é muito complexa, e que cada caso é um caso. Ahhh, se lá. Não sei se estou falando besteira.
    E aproveitando o que vc falou, torço muito pra que um dia não existam mais criações ultra conservadoras, repressivas e castradoras. Me compadeço de todos que aqui colocam suas angustias por sofrerem em decorrencia da ditadura heteronormativa, eu incluida.
    E sim, isso aqui é uma baita sessão de psicoterapia em grupo. Adoro esse blog!
    Beijos Eduardo!

  7. Oi Nanda, também adoro seus comentários querida! Sempre muito corretos e com bastante erudição! Você estudo questões de sexualidade e gênero?
    Pode ficar à vontade para fazer a pergunta que quiser pra mim meu anjo!
    Só uma dúvida, você é lésbica ou bissexual?
    Ah, com relação aos desejos, quando vejo um belo homem, também sinto meu coração bater mais forte e meu sexo ativa na hora! Muitas vezes acontece até mesmo ereção! No início quando não sabia me sentia muito confuso!

    Beijão querida!!!

    1. Eduardo,

      Se fosse a seculos atras, quando eu era menina, adolescente, eu me rotularia de lésbica. O desejo por meninas veio primeiro (tive tantas paixonites que já perdi a conta). Mas a tal da ditadura heteronormativa, a repressão sexual vigente (familia+sociedade) fizeram com que eu me escondesse. Acho que vc sabe bem o que é isso. Deixei o primeiro amor da minha vida, uma amiga de colegio que nutria os mesmos sentimentos por mim, escapar porque não tive nem cabeça para entender meus sentimentos, nem coragem para enfrentar a realidade. Fiquei sozinha um tempo, e depos “descobri” os rapazes, percebi que gostava de ser cortejada, acho que isso alimentava meu ego feminino, e que era capaz de sentir tesão sim por um rapaz. Namorei. Depois casei. Mas sabe, com homem nunca é como com mulher. Eu brinco que homem é estalinho, mulher é literalmente soco no útero. Mas ao casar, voltei a sublimar o desejo por mulheres. Só que o casamento foi tão dificil, caotico, e a cama uma merda, que no final das contas todo o interesse que eu tinha nele morreram, assim como o casamento (12 anos). No fim do casamento voltei a ter paixonites por mulheres. Acho que de certa maneira dei sorte de me separar, nao por motivos da sexualidade, mas por outros fatores, o que me libera para viver a metade de mim que nunca viveu. Nao vou dizer pra vc que se um homem me cantar eu nao vou ficar toda lisonjeada…claro que vou. Mas é só isso. Hoje posso dizer que sou, ou estou, totalmente lésbica. Não penso em outra coisa a não ser encontrar uma parceira. Me vejo tendo um relacionamento afetivo-sexual somente com uma mulher. Mas entendo que as pessoas podem sim serem fluidas, por isso não gosto de rotular as pessoas.
      Quanto à questão se estudo sexualidade e genero, posso responder que desde que comecei a tentar me entender, comecei a pesquisar. E comecei a gostar. Depois descobri programas sobre sexualidade na tv, desde aqueles debatendo os grandes temas de genero e sexualidade até aqueles de orientação sexual, com sexólogos tirando duvidas da galera e dando dicas de sexo (adoooooroooo esses programas). Alias, assistindo foi que finalmente entendi que as pessoas são tão diversas, tão fluidas, que o prazer…bem, o importante é ser feliz e se divertir no sexo. E claro, leio muito sobre o assunto, internet, jornal. Assim, “de gratis”. Simplesmente gosto. Gosto tanto do assunto que parei para responder a você e deixei o arroz queimar na panela (pois é, agruras de uma trabalhadora que é tb mãe e dona de casa a mesmo tempo).
      Nossa, falei pra caramba! Pois é Eduardo, sou faladeira tb. Beijos!!

    2. Gosto de usar calcinha há muito tempo. Uns seis anos. Começou na casa de uma amiga que saía. Colocava todas de frente pro espelho. .. sutiã, minissaias, shortinho. Depilava as pernas tbm. Usei cinta liga depois, todos os tipos de calcinhas. Adoro gozar vestido de mulher, mas ñ curto homens.

      1. Gosto de usar roupinhas femininas desde garoto! Tenho uma predileção por cetim, lycra brilhante e calça legg bem colada e brilhante com salto. Sou bi e cross, moro só sou viúvo e sinto um enorme prazer de ficar montada com roupinhas femininas em casa, chego a ter um prazer enorme quando me monto, não curto homem, adoro usar sainhas de cetim e cinta liga, salto alto , shortinhos de lycra bem minúsculo, gostaria de conhecer homem que curte usar trajes femininos para amizade ou algo mais! Sou aposentado sem vicios e vida definida!

  8. Sinceramente, não vejo nada de bizarro nesse “fetiche” do Arthur.Eu sou totalmente homossexual e assumido (gosto de me rotular kkkk sei la, acho que é porque me sinto bem, feliz, uma sensação de encaixe) mas tenho fetiche por umbigos masculinos, mas somente aqueles com buraco kkkkk E isso pra maioria das pessoas é super estranho, bizarro mesmo. Entao, desde que não prejudique os outros, deixemos que cada um tenha e seja feliz com seu fetiche.E ele ainda teve a sorte de encontrar uma mulher que não somente o compreende como participa das, digamos, “brincadeiras sexuais”.Desejo que ele e a esposa dele sejam, ou continuem sendo, muito muito felizes!

  9. Ei Arthur, sinta-se acolhido!!!! Bem vindo ao nosso mundo, graças a Deus que não somos normais senão a vida seria uma merda kkkk… Nanda, você não me disse dessa loira gostosa hein!! Sacanagem, me mostrou foto de um monte de gente e deixou passar a loira? Aqui, apresenta pra mim..Não me importo de ser a fêmea dela não kkkkk Só não pode gamar, porque sou casada kkkkk Gente, brincadeiras a parte, Só nós sabemos o que nos satisfaz na nossa intimidade e não tem nada de bizarro nisso..O fato da gente compartilhar essas experiências desmistifica isso. Salve Amandaaaaaa!!!! beijos mil

  10. Erica, querida!

    Concordo em genero e numero, Graças a Deus que não somos normais!
    Não te mostrei a loira pq ela é lá dos lados da minha amiga, tenho foto dela não. Mas vou conseguir uma e te mostro! To te devendo! Eu e minha amiga (amiga mesmo, viu gente? Eu ainda estou solteira, bom avisar) relembramos esse fato neste ultimo findi. Eu tb não me importo de se femea da loira não, ou ser o que ela quiser que eu seja, pode me jogar na parede e e chamar de largatixa que eu nao irei reclamar, hahaha.
    Brincadeiras a parte, saudades dos seus comentários dona Erica!! Que bom te ver aqui! Bjs!

  11. Nanda minha querida, tudo bem meu anjo?

    Me chamou a atenção, algo que você falou com relação a “sublimar” os desejos que sentia por mulheres, quando casada com um homem. De que forma você sublimava esse desejo?
    Você é mãe Nanda, que legal minha amiga! Pretende revelar para sua filha, se já não revelou, sobre sua orientação?
    Comigo querida, foi muito difícil me aceitar, quando fui confrontando com a possibilidade de não ser hétero, por também sentir desejo por homens. Vontade de tocar, beijar mais intimamente, ser ativo e passivo… Nossa, no início me desesperei e comecei a ter atitudes homofóbicas, falando mal de gays, lésbicas, bissexuais, transexuais… Cheguei até a escrever nos banheiros da faculdade a seguinte frase: “Morte aos homossexuais!!!”. Acho que a não aceitação, por parte de mim mesmo, me levavam a ter tais atitudes. Não sei. O que acha Nanda?
    Mas, hoje em dia estou bem mais tranquilo com isso e também faço as minhas pesquisas com relação ao assunto.

    Beijão meu anjo!!!

    1. Eduardo, querido!

      Adorei seu comentario e vou responder sim! Vamos falar de sublimaçao, etc. Vou te pedir um pouquinho de paciencia, pois o bicho pegou no escritorio e fiquei atolada. Hoje a noite prometo comentar sem falta! Beijos Eduardo!

    2. Eduardo!

      Olha, acabei demorando para responder, espero que vc veja esse comentário.
      Vamos à questão da sublimação, porque parece que a maioria de nós aqui do blog faz algo parecido. Que eu saiba, em psicologia, sublimar é canalizar a sua energia sexual, ou libido, para atividades que são construtivas e /ou aceitas pela maioria, pela sociedade. Então, no meu caso, eu sentia a paixão pela pessoa, eu fantasiava, e não deixava a paixão transparecer focando em diversas atividades, trabalho, projetos pessoais, filho. A isso eu sempre dei o nome de sublimação, eu sabia que era isso que acontecia. Porque é uma tortura lidar com a sua energia sexual represada, certo? Porque é uma tortura ter medo de se expor, de lidar com esses sentimentos. Então vc “sublima”, tenta canalizar para outras coisas que lhe possam dar alguma satisfação, alguma realização.
      Quanto à sua atitude homofóbica, acho que é sim uma reação, provavelmente inconsciente, ao que vc guardava dentro de sí (seus desejos, talvez ainda latentes, suas pulsões). Eu me pergunto se isso de fato era de fato uma atitude de negação ou não aceitação (canalizando essa energia contra os gays), ou uma raiva inconsciente de sí próprio. Ihhhh, não sei se viajei na maionese. Sou só uma pessoa que lê muito sobre isso, mas ainda assim leiga. Quanto ao desespero, acho que todos nós aqui já passamos por isso. Sei bem o que é.
      Bem, eu tenho na verdade um filho, e sou da teoria que vc deva sim expor aos filhos. É muito difícil para nós, de uma geração que cresceu sob uma cultura extremamente preconceituosa e castradora, se expor depois de viver quase a vida inteira de maneira pseudo-hetero. Eu estou em processo de me expor, pelo menos para os amigos queridos. Não acho que tenho que abrir pra todo mundo agora, mas também se descobrirem não vou negar, e vou somente sorrir, dane-se os outros (aqueles que não compreendem). Ninguém paga minhas contas. Mas filho…acho que se deva conversar com eles sim. Eles tem que saber que sexualidade é uma coisa fluida, que não é só isso que define a pessoa, que as pessoas devem tentar ser completas e felizes, e que os pais também são seres sexuais. Fazendo isso a gente vai ensinando às novas gerações que preconceito não está com nada.
      Beijos Eduardo! E que venham mais postagens interessantes da Amandinha para discutirmos!

      1. Nanda meu anjo, tudo bem?

        Nossa querida, como eu aprendo cada vez mais nesse blog. Principalmente tendo contato com pessoas inteligentes como você.
        Parece mentira Nandinha, mas me lembro, ainda no período da graduação na universidade, que quanto mais eu lutava contra esse meu lado homo, que escrevendo bobagens no banheiro, quer forçando a atração por mulheres de tudo que é maneira, mais ele ficava em evidência e essa pulsão sexual gay mais me dominava. Para ter uma ideia, sempre que passava um colega bonito por mim (do tipo gatão mesmo uiii… Desculpe a viadagem kkk…), eu sentia como uma energia tomasse conta do meu corpo todo. Não só lá embaixo, mas principalmente no disparar das batidas do meu coração. Sentia também um certo arrepio pelo corpo.
        Com o tempo, fui percebendo que tentar lutar contra isso, era uma batalha inglória, pois é involuntário, não temos controle algum para onde nossa libido se direciona. Ai, fui deixando de lado, a ansiedade foi baixando um pouco, e o meu lado hétero começou a equilibrar-se novamente. Porém, ainda continuava sentido desejo pelo mesmo sexo, porém não era algo desequilibrado como antes, mas mesmo assim, ainda sentia bastante tesão quando via um homem bonito, principalmente o corpo. Mas como nossa mente é incrível Nanda. Com o passar do tempo, e somado também a algumas decepções que tive na vida, meu próprio pensamento, parece que de forma involuntária também, foi meio que me “preparando”, para que eu me aceitasse como sou, ou seja, com desejos por mulheres mas também por homens, um bissexual. Minha própria psiquê foi me reconfortando e me mostrando, aliado também a uma busca minha, que a coisa toda não é um bicho de sete cabeças ou desesperadora, como eu achava no início que me deparei com isso. Que mesmo não tendo uma orientação sexual que é tida pela maioria da sociedade heteronormativa, como correta, ainda assim eu podia ser uma pessoa digna como qualquer outra, que me relacione bem com tod@s e também feliz. Hoje em dia sinto até um certo orgulho disso.

        Beijão!!!

  12. Gente, que comentários fantásticos! rsrsrs
    Realmente, a cada dia estou descobrindo como esses rótulos de homem e mulher não têm NADA a ver!!! Independente da orientação sexual…
    Abraços p todos.

  13. O Francois Ozon lançou um filme em 2014, Uma Nova Amiga, muito interessante, que mostra a vida de um crossdresser e a amiga de sua esposa. Vale a pena assistir. Dá para aluga-lo pela NET. Duas amigas de infância são inseparáveis e fazem um pacto de sangue. Elas se casam, mas uma delas morre logo após o parto. A amiga, no funeral, declara que fez um pacto com sua amiga e que vai cuidar do marido e de sua filha… Então, ao tentar cumprir a promessa, ela descobre que o marido da amiga é crossdresser… E sua vida muda completamente! É interessante ver que a sexualidade humana é muito ampla e diferente. Falando por mim e pela minha experiência, ainda não sei lidar com o amor lésbico… rs

  14. Me identifiquei com este post, adoro usar calcinhas, no dia a dia só uso roupas masculinas, mas me sinto bem com roupas femininas, vejo agora que, mesmo não sendo convencional, não é anormal como eu pensava.

  15. Não entendi, um homem sentir atração por outro é viadagem? Como assim? Um não heterossexual com esse tipo de pensamento e pre-conceito?

  16. Muito legal ter encontrado esse blog e ler relatos comuns com o que vivemos.

    No meu caso sempre senti tesão anal e rolava inversão quando encontrava parceiras que entendiam e curtiam a fantasia. Mais tarde conheci minha parceira e era uma pessoa tão incrível que jogamos limpo desde o começo.

    Um dia depois de uma transa com inversão ela vestiu minha cueca para dormir e eu por zoeira vesti a calcinha dela.. Nunca tinha imaginado que sentiria tanto prazer com uma coisa dessas.. No dia seguinte fiquei com a calcinha dela o dia todo, ela percebeu e não falou nada.

    A noite ela comentou que havia percebido e confessei que tinha curtido muito. Passou e no meio da semana, quando abri minha gaveta de cuecas, encontrei quatro calcinhas que ela havia comprado para mim… Pirei!! Vejam se não é mulher para casar… rs

    Hoje tenho metade da gaveta com cuecas e metade de calcinhas… às vezes uso calcinhas o dia todo, às vezes cuecas, depende da vibe do dia.. Ela curte minhas taras.

    Em relação ao absorvente, traçando um paralelo, eu tinha verdadeiro tesão em ver a marquinha de sol de biquíni dela e um dia confessei que sentia tesão nisso e ela falou: “porque não faz uma em você? Topei e nas primeiras vezes ela me deixou tomar sol sozinho para que eu não me sentisse com vergonha (?!)

    Com o passar do tempo, passou a tomar sol comigo, tomamos uma cervejinha juntos, conversamos, damos risada… Vira e mexe, depois do banho ela olha e comenta minha marquinha, elogia, diz que está mais bonita que a dela, ou o que posso melhorar.. kkkk

    Acho que meu “absorvente”, minha conexão com o “ser feminino” está na minha marca de biquíni na bunda, que eu e minha esposa adoramos!

    Beijos para todos!

  17. Muito bonito o depoimento Eduardo. Também sou casado, só que tenho atração por alguns homens e transexuais. Atrai-me muito também mulheres que comandam o homem na cama, ditam o que fazer. Eu cedo a tudo para elas e a depender para eles…. Abraço

  18. Salve, galerinha do bem, podem me chama NANO, tenho 29 anos, sou hetero, solteiro, de Curitiba. Muito bem, são muitos comentários e o debate rendeu muitas coisas interessantes por aqui, pois me identifiquei com o assunto, digo calcinha fio, principalmente e para minha grata supresa o absorvente rs que também uso. Uso calcinhas desde meus 13 anos, alias fio mesmo amo, deixa mais à vontade, da aquela exitada e não marca as roupas rs o obsorvente entra quando comecei comprar minhas peças e para manter limpas e por ter mede de ser pego lavando as calcinhas usava o obsorvente para manter a limpeza é higiene das peças íntimas mas o cheiro o tecido da uma sensação de adrenalina rs mas gostei e fui acostumando e hoje uso fio e o absorvente juntos pelo 3 vezes na semana. Mas uso cueca box e a calcinha fio por baixo hehehe. Quero ajuda de vocês minha mãe sabe mais não aceita muito. eu tenho vergonha, mas não largo é viciante, pelo comentários parecer ser algo normal a calcinhas fio, mas será qur cabe algum tratamento? Eu gosto e me sinto bem, acredito que posso continuar usando como faço,… Quero sugestões para não passar vergonha quando for comprar as calcinhas.Adorei o blog, bem interessante. Abraços a todos.

  19. Minha mãe sempre quis uma menina, mas veio um homem, hoje com mais de 50 anos e casado, reprimi meus sentimentos desde cedo, mas durante muito tempo me senti atraído pelo sexo oposto, usei calcinhas, sapatos o que fosse para me sentir mulher, mas sabendo que nada disso me faria ser uma. Hoje sinto que quero experimentar o amor de um outro homem, claro, sei que com a idade isso dificulta muito, mas vou em busca disso, apesar de saber que não será fácil,

  20. MULHERES E HOMENS , SOMOS TODOS SERES HUMANOS SEMELHANTES , POREM COM VARIAS DIFERENÇAS DE PENSAMENTO, COMPORTAMENTO QUE DEVEM SER RESPEITADAS!! O QUE VALE É TENTARMOS SERMOS FELIZES DO NOSSO JEITO, SEM PREJUDICAR O OUTRO, INDEPENDENTE DE ROUPA, CABELO, TIPO FISICO, SE É COM PENIS, VAGINA, SEIOS, ETC…TAL… , SE COM UMA, DUAS, TRES, QUATRO OU MAIS PESSOAS ATIVOS E PASSIVOS OU AS DUAS COISAS AO MESMO TEMPO, HAVENDO O GOSTAR, CARINHO, RESPEITO,CUMPLICIDADE DAS PARTES QUAL O PROBLEMA?? EU CURTO CALCINHAS, INVERSÃO!! TRAVESTIS E CASAIS AINDA NÃO TIVE EXPERIENCIAS, MAS PRETENDO!! QUERO CONVERSAR COM PESSOAS LIBERAIS!! GAYS, LESBICAS, TRAVESTIS, BISEXSUAIS, CDS SÃO ROTULOS DE IDENTIFICAÇÃO!! MANDEM EMAILS PARA [email protected]

    1. Estou contigo Regy ,eu acho que o importante é ser feliz ,o mundo seria outro se nós pudéssemos usar qualquer roupa e matar os nossos desejos sem preconceitos.

  21. Bem, eu também gosto de me sentir feminino, mas não utilizando utensílios prefiro ser uma figura mais delicada, frágil e sensível. Lembrando que não acuso nenhuma pessoa feminina de assim o ser, eu gosto de ser feminino E de ter essas características, e elas, necessariamente, não se relacionam. Mas continuando, quero ser feminino e etc, porém sem chegar ao ponto de utilizar acessórios normalmente feitos para as mulheres, não por que eu considere errado ou algo assim, é só por que não me interesso por isso. Entretanto ainda gosto de me sentir bem afeminado.
    Já vi uma frase neste site, e repetirei-a aqui, pois concordo plenamente e me identifico com ela: “Não gosto de rótulos, gosto de pessoas.”.
    🙂

  22. Eu entendo perfeitamente o autor deste texto, eu também uso calcinha debaixo do terno!
    Eu tenho 35 anos, sou bem casado, tenho atração por mulheres interessantes, principalmente as mais novas que eu, mas amo usar calcinha escondido da minha esposa e do mundo.
    Usar calcinha mexe com meu tesão, minha alto estima, me faz bem.
    Pena que eu ainda não tive coragem de contar para minha mulher.
    Espero manter contato com mulheres e conhecer a opinião delas!
    [email protected]
    Beijos

  23. NAnda amo seu blog, eu vivo o mesmo dilema de vários estou com 47 anos desde pequeno adoro coisas femininas quando pequeno 13 e diante comecei a vestir calcinhas das minhas irmãs agora casado visto as minhas as escondidas da minha esposa ela não aceita e por isso fico muito deprimido com esta situação pensso até em separar me ajuda.bjs

  24. Pois é… ao mesmo tempo em que homens que usam calcinha sofrem preconceitos de todas as formas, as mulheres que usam cuecas vão aperfeiçoando e tornando os seus modelitos cada vez mais atraentes, levando apenas elogios às peças extremamente sensuais que não precisam ser escondidas em suas gavetas íntimas. Sou casado e uso calcinha a 3 anos.

  25. Sou casado e adoro usar as calcinhas da minha esposa ela ama quando visto suas calcinhas principalmente as calcinhas fio, são as minhas favoritas também. Ela diz: meu amor você me deixa louca de tesão quando usa minhas calcinhas, tenho varias fotos de calcinha minha mulher diz que eu tenho uma bunda linda e deliciosa, mas eu estou sempre depilado pra ela, quando saio do banho usando uma de suas calcinhas ela me pega de jeito, pega, aperta, beija, passa a língua, mete o dedinho, nós brincamos muito. Fazemos inversão de papeis é uma delicia, nós nos amamos muito. Sou homem e não me considero gay por usar calcinha e nem pela inversão!
    [email protected]

  26. Li algumas postagens, sou bi e me descobri faz muito tempo, aos 12 anos de idade, hoje tenho 53 anos. Sou do RJ, casado, minha esposa (44 anos) “não sabe”, mas, creio que desconfia e deixa quieto, por poucas vezes invertemos papéis sexuais na cama, mas noto que ” não é a praia dela”, somos casados em união estável por mais de 12 anos.

    Uso lingerie desde os 12 anos de idade, inicialmente eram peças do vestuário de minha irmã e pouco depois as minhas próprias.

    Minha experiência sexual com “homens” (garotos) teve inicio quando eu tinha 7 ou 8 anos e um amigo mais velho (12 anos) começou com as “brincadeiras” que, por alguns motivos (suponho o período anal da minha idade à época e que me trouxe satisfação) e, por outro lado, as restrições impostas por um regime familiar severo (fui criado por meus País e avós), me “dificultaram e trouxeram um silêncio em relação “a por a boca no trombone” e tentar por fim a isto, me deixaram prosseguir …

    Aos 8 anos de idade me mudei de Estado com meus Pais e irmã e avó materna, fomos para a capital federal onde morei por 6 anos, lá, com maior liberdade de ir e vir as experiências de vida e tambem as sexuais se multiplicaram, as experiências sexuais (não afetivas) surgiram aos poucos com amigos próximos e colegas de colégio, o uso das lingeries ganhou maior interesse (eu me sentia menina quando as usava, fora a intensa sensação de prazer que elas me traziam desde a escolha até o uso) se tornou mais frequente e intenso e a primeira experiência sexual (com penetração anal e orgasmo ocorreu com um rapaz negro de 18 anos – na época eu tinha 12 anos).

    Quando fui abordada (prefiro me ter como “mulher” quando me relacionou com homens) por ele (no elevador do prédio onde morei), sendo “ameaçada” no sentido de que ele (Nilson) “contaria ao meu pai que eu fumava, caso eu não fosse com ele até o quarto dele no prédio – ele era filho do zelador)….

    Inicialmente me esquivei, sai do elevador e fui para meu apartamento (enquanto ele me aguardava no quarto dele), fui ao quarto da minha irmã, escolhi uma das tangas dela que eu adorava, vesti e fui ao encontro dele no quarto, ao me ver ele entendeu que eu havia me disponibilizado para ele e foi rolando o clima …. aos poucos ele me despiu, tirou minha blusa e em meio aos sarros e mãos no meu corpo ele enfiou a mão dentro no meu short e descobriu a lingerie. Houve uma grande surpresa e excitação da parte dele (que antes mesmo de prosseguir e definitivamente me penetrar, disse ao meu ouvido: Entao voce gosta? Desde quando? E em meio aos toques, excitou-se e teve um orgasmo gostoso sem que eu mesma percebesse, o que ocorreu quando ele sussurrou: Gozei e aos poucos me penetrou e tirou minha virgindade de forma marcante e inesquecível, para sempre)….

    Iniciou-se ali uma série de encontros sexuais apimentados onde trocamos muto prazer (naquela época sem maiores contatos, sem beijos na boca ou outras interações sexuais comuns nos dias de hoje e sem afetividade amorosa na essência da palavra)…

    Ao mesmo tempo a atração do homem que sou por mulheres (meninas) prosseguia, mas, a ” dificuldade imposta” pela criação e acompanhamento familiar “severo” que elas tinham, impunha dificuldades nas abordagens e aproximação íntima (poucas eram as oportunidades) e, poucas foram awuelas que manifestavam “malicia e interesse sexual propriamente dito” e somente aos 14 anos de idade tive minha primeira experiência amorosa e sexual heterosexual com uma linda mulher e empregada (Teresa) que tivemos em bossa casa, também inesquecível, calorosa, intensa de ambas as partes, …, logo após retornei ao RJ, sem meus País e irmã e avó materna, para novamente viver com meus avós.

    A partir daí as experiências afetivas e sexuais se multiplicaram com mulheres (não muitas) e com homens (poucos também), o uso das lingeries que iniciara-se em Brasília e tornou-se mais intenso (entre os 12 e 14 eu ia até as lojas para compra-las), em algumas delas, quando eu era abordado pelas vendedoras, as quais perguntavam: É para sua namorada? Eu respondia que sim, em outras eu ousava e dizia que eram para meu uso (naquela época elas se surpreendiam, algumas delas tentavam me dissuadir da “ideia”, em outras oportunidades me ajudavam na escolha, muitas vezes curiosas, enfim) …

    Está história não para aqui e, entre idas e vindas, experiências e relacionamentos hetero e bissexuais foram surgindo e se multiplicando, sempre com a presença das lingeries (em alguns momentos usadas por minhas parceiras em outros por eu mesma, sempre quando me relacionou com homens), que são usadas no meu dia a dia (até hoje de forma “velada”) tendo tomado novos rumos através do uso de peças diverdas e ate sofisticadas, escolhidas com muito critério (calcinhas, sutiens, cinta-liga, meias 7/8, brinquedos, etc …), o que me completa e me trás muito bem estar e enorme prazer nas minhas relações (não consigo me relacionar sexualmente com homens, mesmo na cama, sem estar vestida com lingeries, aceito me despir de todas as peças que eles queiram que eu tire, mas, sem calcinha, nunca! Sem ela me sinto homem e o meu lado homem curte mulheres).

    Este meu relato baseia-se em experiência real de vida, onde, por diversos motivos sempre mantendo discrição de forma a não me expor indevidamente e me sinto bem nesta ” dualidade” sexual, confessando que adoraria ter o total conhecimento de minha esposa e “apoio” ao menos na parte que nos envolve.

    Gostaria de ouvir comentários, opiniões e outras manifestações daqueles que possam se identificar com o relato ou queiram trocar idéias a respeito. Muito obrigado a todos que dedicaram seu tempo em ler.

    LPSchiffer.

    1. Essa sua história até me excitou haha.
      E me fez lembrar de algo, minha primeira namoradA, dos 15 aos 18, ela sabia da minha bissexualidade e aceitava(muito pelo fato de ela ser bi), enfim, na minha infância, também gostava de usar roupas intimas femininas, e com essa namorada, na adolescência, nós fazíamos inversões e ela me estimulava a vestir calcinhas, até as comprava para mim, fio dental ainda, chegava até a depilar o corpo todo, ela passava batom em mim quando íamos sair, quando ocorria inversão, ela me tratava que nem mulher, ai acabou o namoro e após algum tempo, voltei a reprimir isso. E desde então nunca mais usei tais roupas.
      Minha atual namorada, que amo mais que o namorinho de adolescente, sabe da minha bissexualidade, fazemos inversão as vezes, porém ainda não tive a coragem de expor este outro lado, pois aprendi a conviver com isso e acredito que não seja algo fácil de uma mulher aceitar, seu Homem colocando roupas femininas, mesmo que isso seja um fetiche ou o que for.
      Quando adolescente, até confundi-me achando que poderia ser trans, mas sei que não sou, sou Homem, e gosto de ser.

      Sexualidade é uma coisa muito complicada.
      Mas quanto a você, vá realizando comentários com sua esposa, sei lá, tipo sobre terceiros que ocorreram isso e se fosse com ela, o que ela acharia, com álcool na cabeça ajuda rs. Procurar conhecer mais ela para saber as reações, pois as pessoas realmente nos surpreendem.

      Abraço.

  27. Olá pessoal,
    Li alguns relatos e gostei de todos… bom saber que muitos homens estão curtindo a vida sexual bi, com ou sem fetiches femininos e, também, muitas mulheres, esposas ou não, aprovam essas ousadias de seus pares. Lindo isso!!
    Eu sou bi também, sempre tive maior tesão na bunda. Minha história passa por penetrações sozinho até os 30 anos, depois com inversões de papéis, e aos 40 a primeira vez com homem. Por que demorei tanto??? kkk
    Casado a primeira vez de 23 a 38 anos, a segunda dos 40 até hoje. Atual esposa sabe que gosto de sexo anal, com consolos ou pintos grandes… até já transei com homem quando praticamos swing, elas vibravam e passavam gel para nós penetrarmos um ao outro… loucura deliciosa com toda cumplicidade!!!
    Adoro ser bi!

  28. Ola sou o Ruiz de Lisboa Portugal e também saio á rua com lingerie e cinto de ligas por baixo adoro,o quente da lycra ,do cetim,das rendinhas,imagino muitas vezes quando estou ao pé de amigas que elas sabem das minhas preferências e isso me excita muito,sou casado e adoro a minha mulher ea roupa interior dela que muitas vezes sou eu que lha ofereço,e já brincámos com isso vestindo ela os meus boxers também,parabens ao blogue que está muito bem concebido,não conheço em Portugal nenhum blogue como o vosso.Parabéns

  29. Olá, sou de Lisboa e só hoje tive a oportunidade de ver e conhecer a sua história que na realidade muito se parece com a minha, já experimentei de tudo, a homossexualidade não me é indiferente mas talvez por ter sido habituado desde muito novo com relacionamentos Lésbicos considero-me um lesbiano e só gosto que os relacionamentos sejam assim, e como tal tambem uso roupa interior feminina e que muito prazer e gosto confere, força amigo não desista porque é belo ter uma companheira que aceite fazer inversão de papeis, um abraço, Parabens

  30. Bom, o que tenho pra dizer é que a 18anos atrás experimentei uma calcinha e foi uma loucura, dai pra cá nunca mais parei ..pelo contrário a coisa foi só se aperfeiçoando e hoje sou uma das mais femininas e desejadas “crossdresser ” da NET, enquanto não vi completamente feminina linda maquiada cabelão salto (minha paixão) e totalmente delicada e convencida de que entre 4 paredes posso sim ser o que eu bem quizer ser e entre 4 paredes sou linda,delicada,manhosa,fina, sensual e muuuito feminina e então sou a Kamilla Araújo. Lógico que se vc estar linda feminina e é muito desejada automaticamente sua mente cria todas as fantasias possíveis dentro desse universo feminino que é a coisa mais linda do mundo.
    Sou casado(a) porém “ela” não sabe e muito menos sonha imagina que dentro de mim mora uma linda “mulher” que se chama Kamilla. Dizer que ter essa vida dupla me faz HOMO? nao me sinto e jamais me sentirei me faz um H BI? talvez sim ou não porque os desejos de menina as vontades femininas acontecem apenas quando estou completamente “montada” e então sou BI??.
    Como viajo a trabalho toda semana tenho a facilidade e a oportunidade de todas as noites está como amo ficar….sempre linda , feminina e sensualíssima, enfim poder durmir linda de baby dool ou de camisolinha com calcinha maravilhoooosa isso é um sonho…e esse sonho tenho praticamente todas as noites da semana. Costumo sim usar uma delicada e maravilhooosa calcinha no dia a dia de trabalho, até porque isso me faz sentir mais feminina mais “mulher”…. enfim acho que vc pode ser o que vc sonha….sem que afete em nada a sua vida pessoal ou mesmo conjugal basta vc saber como fazer. Gostaria sim de me comunicar com quem se identifica com esse relato.
    grande abraço!
    Kamilla Araújo (Email: [email protected])
    Skype: kamillacdzinha (kamilla araujo)

    1. Kamilla acho que sou um pouco parecido com voçê pois vestir uma calcinha somente não me satisfaz por isso eu gosto de usar calcinha e sutiã para me sentir mais mulher possível.
      Adoro me fotografar de calcinha e sutiã e já usei inclusive cinta liga , meia 7/8 vestidos , mais prefiro o conjunto clássico de calcinha e sutiã que me deixa realizado.
      Eu não sei se acontece com você mas todas as vezes que eu uso roupa íntima feminina fico molhado de tesão
      se você quiser me contatar para trocarmos idéias ou compartilharmos fotos

      1. Boa tarde, Ricardo,

        Eu me acho parecido com vc, gosto de usar calcinha e soutiã e me sinto realizado. Eu também uso roupas íntimas feminina. Meu email: de.alberto @yahoo.com

  31. Olá boa noite! lendo o conteúdo, e os relatos confesso que gostei; Primeiro porque eu também uso calcinha e protetor diário de calcinha; mais essa história começa quando eu tinha 5 anos quando coloquei uma calcinha azul da minha tinha e a partir daquele dia nunca mais saiu da minha mente aquela calcinha,depois já com 12 anos usava escondido as calcinhas das minhas irmãs e sentia aquele tecido gostoso em mim, e eu dormia de pau duro a noite inteira. Atualmente sou casado a 16 anos e sempre quando a minha esposa ia se trocar eu ficava pensando que como seria legal se eu pudesse se trocar na frente usando calcinha, más o medo de ela pensar que era homossexual me deixava com medo. Más quando foi uma certa noite na hora da nossa transa eu fui tirando a sua calcinha e coloquei e meu pau estava por estourar aquela calcinha, minha esposa disse que tinha legal nossa aquilo era tudo o que eu queria ouvir, transamos muito naquela noite e eu aproveitei dormi com a calcinha dela, tivemos uma semana intensa nas nossa relações e a partir daquele dia nunca mais usei cueca aliás não tenho nem uma mais. uso calcinha diariamente e minha esposa sabe, tenho atualmente mais de 300 calcinha só minha, gosto de comprar, Mais um detalhe eu não queria usar calcinhas com as pernas cabeludas então comecei a depilar totalmente ai ficou mais gostoso me sinto muito bem. um abraço a todos se alguém quiser bater um papo ou trocar ideias meu email: [email protected]

  32. Oi Amanda
    eu sou casado, tenho 49 anos mais fui estuprado aos 10 anos de idade por um grande amigo dos meus pais.
    Ele na época tinha 36 anos e bem dotado no tamanho e na grossura, confesso que foi traumatizante para uma criança de 10 anos passar por aquilo, mais diante das ameaças fui aos poucos me acostumando e aceitando aquela vida que se iniciava para mim ali.
    Fui a mulherzinha dele dos 10 aos 16 anos e neste período ele me fazia vestir calcinhas, vestidos, e ser uma mulher para ele, isso mexeu muito comigo confesso, pois passei a adorar usar e andar de calcinha feminina.
    por 6 anos sendo induzido a isso talvez me deixou assim.
    Quando fiz 17 anos fui morar na capital pois morava no interior e fui estudar achando que ali me livraria de tudo que tinha passado.
    Mais estava enganado logo conheci uma outra pessoa e logo iniciamos um relacionamento que durou ate os meus 20 anos onde moramos juntos na mesma casa dividindo a mesma cama e que também me queria como sua mulher dentro de casa, então eu usava calcinhas, vestidinhos bem sensuais, langeris , baby dools.
    Não deu certo e nos separamos, mais desde criança sempre chamei atenção de homens que queriam me possuir, ate hoje chamo atenção para os homens que sempre querem algo a mais de mim.
    mais aos 28 anos conheci minha esposa namoramos noivamos e casamos.
    Ela não sabe da minha vida passada quando era mais mulher do que homem.
    Ou melhor acredito eu que ela não desconfia de mim, pois sou muito discreto e procuro me comportar muito bem: apesar de ter umas pernas bonitas e um bumbum bem torneado ( todo mundo achava minhas pernas como pernas de moça, e o bumbum bem arrebitado) não sou musculoso, as vezes me acho um corpo feminino numa alma de homem, meus mamilos são grandes por conta de ter sido muito chupados e mordiscados dos meus 10 anos ate hoje.
    todos os homens com quem me envolvi sempre me diziam que eu era uma mocinha linda.
    confesso que sofri muito todos esses anos por ter que viver duas vidas numa sou mulher e na outra sou Homem, numa sou esposo na outra sou a amante.
    Mais te confesso que adoro me sentir mulher ser tratada como mulher pelo meu homem que também é casado, mais só é o homem da relação ele é etero.
    já vivemos essa relação a 23 anos o conheci logo depois de ter casado, ele é da mesma idade que eu muito carinhoso, amigo, o esposo que toda mulher merece.
    Só sinto viver essa vida dupla enganando todos esses anos a minha esposa, mais na cama com ela sou homem tenho certeza qua há satisfaço muito bem pela experiência que tenho de ter essa vida dupla e ter sempre que satisfazer os homens em tudo que suas mulheres não os satisfazem, mais a vida é assim mesmo temos que viver assim.
    Sim porque neste tempo eu adorava ser mulher para meus parceiros, fazia questão de ser bem realista quanto a isso de me entregar a eles como menininha.
    Ate pensei em me assumir mais a família tradicional nunca me aceitariam.
    hoje tenho um namorado e as vezes ele me leva algumas calcinhas lindas para vestir para ele e adoro, queria poder vestir para minha esposa me ver assim, as vezes ate visto as calcinhas dela.

  33. Acho isto tudo diferente, nem posso e devo dar opiniões, seria contraditório. O primeiro comentarista do artigo fez a seguinte pergunta:
    Qual homem não tem o seu lado feminino e qual mulher não tem o seu masculino?
    A resposta é o óbvio do óbvio: são aqueles que não tem; simples e objetivo. Se fosse olhos azuis seria a mesma resposta!
    No terceiro comentário li: […] identidade é uma coisa e atração sexual é outra […] esta opinião da comentarista exige também um reflexão que tem haver com a opinião do primeiro comentarista. Não discordo dela; é o que ela pensa, tem que respeitar.
    Eu, porém penso que: a identidade e a atração são intrínsecas. Eu sou homem e sou heterossexual e a minha identidade é equivalente com a minha atração. Sou um homem hétero, casado com uma mulher hétero; e percebo nela que não existe atração alguma pelo sexo igual; que não seja gostar de homem e eu dela ou de outra mulher se não fosse ela; e que isto é natural. Não existe desejo algum por alguém do mesmo sexo, nem sequer quaisquer fantasias. Isto me faz pensar, sei que quem é bi pode não vai concordar, que também é o supra sumo do óbvio, é que: se a pessoa se atrai por qualquer coisa relacionada ao sexo oposto ele se identifica com ele, portanto; é bissexual. Simples. E cada um deve ser aquilo que é ou que deseja ser, sem procurar motivos para se explicar. Tenho um colega de juventude que hoje é [não sei tipificar] ele se tornou uma mulher não fez operação para mudar de sexo; mas, qualquer pessoa a primeira vista lhe trata como uma senhora, mas, nota-se que é homem. A desculpa dele remonta ao tempo em que ele frequentava um salão de baile na década de 80; cujo publico era misto, homens, mulheres e gays; e que num destes bailes, ele bebeu muito e foi convidado por uma mulher para sair, foram para a casa dela, e lá, ele viu que era homem. Ele lá durante a noite foi seduzido; fez sexo ativo e depois passivo, depois disto ele deixou de ser hétero. Uma vez, antes deste episódio eu e os meus camaradas da época fomos convidados por ele para ir neste salão em SBC-SP que se chamava “Cápsula”; um salão extremamente iluminado, porém tão escuro a ponto de confundir alguém; e lá neste salão; fechamos uma mesa e começamos a bebericar e observar o movimento. A cada nova música romântica que o DJ soltava na “pikup” éramos convidados para dançar; e com o passar das horas percebemos que lá o publico quase ou todo era aparentemente homossexual, fora quem já estava travestido. No fim do baile com as luzes todas acesas a nossa dúvida foi confirmada. Na hora de ir embora este nosso amigo disse que ia tomar uma saideira com outro amigo, mas, ao cumprimentar este amigo dele, um hétero assim como ele, acima de qualquer suspeita, desconfiamos, porque deste amigo dele que esteve boa parte da noite trocando carinhos com um gay assumido, portanto, um era gays e o outro homossexual. Depois disto só ele se afastou da turma.
    Sendo assim, para mim, UM HOMEM QUE GOSTA DE SE SENTIR COMO UMA MULHER é meio homem, meio mulher; não é um heterossexual, dai para se tornar mulher é um passo adiante! O mesmo pode acontecer com alguém do sexo feminino.

    1. Não é raro as pessoas estarem mais preocupadas em “definir-se”! A atração mais que o apelo da beleza é admiração, é a amizade, nunca tive neura de sentir um homem cisgenero feito eu, me reparar, me desejar, nitidamente timido em se declarar! Já beijei amigo, algumas transas. Nunca houve DR, se havia conflito de gênero ou algo “não toque na minha bunda, sou alfa”! Pelo contrário a amizade fortaleceu! Também nunca procurei “me enquadrar” quando dizem da feminilidade que tenho pela sensibilidade, tratar as pessoas com cortesia. Alguns homens já buscaram se prevalecer da atração que despertaram, como se a racionalidade eu houvesse abandonado, quando me prestaram serviço sem qualidade! Conselho: Não observe se teus conhecidos ficaram ou transaram! Espero que passados 6 anos, tenhas vivido e sendo menos telespectador das experiências de conhecidos!

    1. Ola, Ricardinho… para se fazer “menina” nao tem que necessariamente ser com uma mulher. Um homem bem carinhoso vai te fazer sentir a menina mais linda, querida e gostosa deste mundo. Basta voce se entregar a pessoa certa para ter uma experiencia incrivelmente deliciosa!

  34. Oi Amanda!
    Sempre soube da minha bissexualidade, mas na minha época isto ainda era meio confuso, pois não tinha as informações que os jovens têm hoje.
    Seu blog me ajuda a esclarecer muitas duvidas que ainda tenho.
    Mas vamos aos fatos!
    Aos 14 anos experimentei uma calcinha e, agora, aos 50 anos, as uso ate hoje.
    No meu entendimento acho esse comportamento normal. Hora nenhuma quero me sentir mulher ou tenho fetiche por fazer uso de peças intimas femininas. Tudo é uma questão de gosto e conforto.
    Depois que comecei trabalhar e ter a minha independência financeira eu as compro sem nenhum problema.
    Não gosto de rendas, ou peças mais delicadas, gosto dos modelos mais básicos, biquíni ou tanga de microfibra.
    Sei que esta preferência pode sair do padrão social, mas não estou nem um pouco preocupado ao que os outros pensam ou acham, quero simplesmente viver da forma que me sinta bem.

  35. Sou casado mas minha mulher não gosta deste assunto, mas sou louco por uma transa com duas mulheres ou ou dois homens , se tiver alguma pessoa disposta a me ajudar, sou auto Branco cobelos e olhos castanhos porte físico médio 90kl 1.80m 38anos

  36. Sempre gostei de usar calcinhas, principalmente fio dental. No começo usava as da minha esposa, sem ela saber, agora já tenho as minhas, que compro pela internet. Esses dias minha esposa me pegou tomando sol de biquini fio dental, adoro aquela marquinha na minha bunda, ela não curtiu, infelizmente.Já comprei diversos consolos, sempre dando de presente para ela, mas querendo que ela usasse em mim, mas ela não aceita muito bem esse meu fetiche. Estamos casados a 26 anos e eu sempre a incentivei a usar roupas curtas, durante nossas transas sempre falo que quero ser corneado por ela, pois ela é muito gostosa para ser de um homem só. Adoro me depilar, adoro tudo que diz respeito ao universo feminino. As transas com minha esposa são muito boas, mas sempre fico com aquela sensação de que poderia ser melhor se ela gostasse de inverter os papéis.

  37. acho muito importante discussões assim.
    meu esposo dorme toda noite com roupas femininas… fazemos inversoes de papeis e isso nao muda nada em nos…
    mas sempre que dorme assim acorda muito mais calmo. tranquilo

    1. Realmente não é fácil se abrir com a esposa, principalmente com o receio da rejeição. Aliás o principalmente problema de todos nós é a aceitação.
      Tenho 53 anos e 30 de casamento. Sempre curti o prazer anal e meu maior desafio foi mostrar a minha mulher o que sentia, teve de ser de forma gradativa demonstrando grande excitação quando na hora do sexo ela tocava ou lambia abaixo de meus testículos, movimentando meu corpo para que ela percebesse o que eu queria. Até que um dia falei abertamente o quanto o prazer anal me satisfazia e que era comum me masturbar para sentir este prazer.
      Ela entendeu e aceitou, apesar de não se sentir muito a vontade de participar, principalmente quando propus a inversão de papéis que ela até experimentou mas não se sentiu a vontade e deixou claro que prefere não fazer, no máximo quando esta muito excitada com o sexo oral passa os dedos para ver minha reação de excitação.
      A alguns anos descobri o prazer de usar as roupas íntimas femininas, principalmente as calcinhas (em especial as fio-dental), em muitas ocasiões usei as dela, que por sorte me servem, para me masturbar sozinho em casa. Sempre dei lingerie para ela, e aproveitava para utiliza-las secretamente.
      Recentemente, durante uma viagem de férias sozinhos aproveitei a uma oportunidade em que ela estava escolhendo uma calcinha comentei que os homens eram prejudicados por não terem opções tantas opções com tecidos gostosos com os das calcinhas e peguei uma delas e experimentei na frente dela. Ela achou engraçado mas não fez nenhum comentário que me repreendesse. Sem que ela percebesse coloquei uma calcinha dela após o banho e à noite na cama só deixei que ela visse depois que estava excitada com um caprichado sexo oral. Ela aceitou e tivemos uma ótima noite de sexo. Fiz isso mais 2 vezes durante a viagem e foi bem aceito por ela, mas evitei discutir o assunto.
      No retorno conversamos e lhe disse que a experiência me dava muito prazer. Ela aceitou para pediu que não fosse sempre, pois não tinha nenhuma atração por mulheres e que não significava uma atrativo para ela.
      Depois disso passei a comprar minhas próprias calcinhas e usar algumas vezes no dia a dia. A sensação é muito gostosa. Comprei também umas camisolas e gosto de dormir de calcinha e camisola. A primeira vez que usei ela achou melhor estranho mas agora acostumou.
      Falei para ela que sentia que tinha uma lado feminino bem ativo e que não gostaria de continuar reprimindo mas deixei-a tranquilo que não pretendia sair por ir vestido de mulher.
      Sinto que temos uma espécie de acordo, procuro tentar equilibrar, mas por mim passaria a só usar as calcinhas e camisolas. É como se existissem duas versões. Para o dia dos namorados ela já solicitou que quer a versão masculina.
      Na verdade ela não percebe que o que ela na verdade tem e gosta é da versão feminina. A muito tempo a penetração não faz parte de nosso sexo, ela sempre teve dificuldade com a penetração que era sempre dolorida e como sempre tive a ejaculação meio precoce sempre trabalhamos muito o sexo oral e masturbação. Nos últimos anos tenho tido dificuldades de manter a ereção e meu lado feminino ficou ainda mais ativo. Gosto de me masturbar como se fosse mulher e meu pênis o clitóris, o orgasmo demora a vir, mas é muito mais intenso. Já disse a ela que tenho inveja de seu corpo e do prazer que ela sente comigo e que quando lhe faço sexo oral me imagino sentido o que ela sente.
      Não sei onde vamos chegar, gostaria muito de praticar a troca de papéis com ela, mas tenho paciência e compreendo também o que ela sente.

  38. eu quando casei senti muita vontade de usar calçinhas de minha mulher e conversei com ela e entendeu que não era gay e a noite uso não sei porque me dar um tesão

  39. Muito bom o blog. Ficar de calcinha em casa quando estou só é uma sensação de liberdade, já que minha esposa não faz gosto e não sabe disso. Há seis anos que uso as calcinhas dela, as que forem mais apertada e que forem cavadas, aliás até minhas sungas são cavadas, não gosto desses sungões, eles apertam muito as coxas. Sei que o blog é sobre calcinha, mas sempre me pergunto porque hoje em dia existe esse preconceito a aqueles que gostam de sunga cavada, são muito mais confortáveis. Será que voltaram à moda? Quanto as calcinhas, quando estou usando uma fico com um aumento de desejo surpreendente. Se alguém quiser me responder sobre as sungas, aí está meu email: [email protected]
    Um abraço.

  40. NInguém imagina que na intimidade uso calcinhas e enfio consolos no meu cu, gozando deliciosamente dessa maneira.Quero encontrar mulher fogosa para me penetrar usando consolo preso na cintura.
    [email protected]
    Não tenho problemas de ereção mas adoro chupar e lamber demoradamente uma mulher gostosa até o gozo, que depois me penetrará e depois a penetrarei
    Sou pessoa discreta, excelente nível e contato inicial somente pelo e mail acima

  41. Oi a todos,
    Gostaria muito de construir uma familia com uma mulher do mesmo nivel social e cultural que more em Sao Paulo. Que curta viajar pelo mundo nas ferias, construir casas de campo e praia em conjunto, que curto dancar se divertir. Podemos fazer amor e ela pode fazer com outros/outras e eu com outros, nao preciso fazer com outras a menos que ela queira.
    Gosto de ser fitness e seria massa ter uma gata do mesmo nivel que curta ser admirada, bem vestida, fitness… e possa curtir outras gatas ou gatos.
    sou brasileiro italiano, falo ingles e espanhol, classe media alta. So gatas formadas e que tenham sua profissão e queira filhos no futuro ou não. Whatsapp 11981609095 discricao, por favor.
    Aguardo mensagens!

  42. Eu não uso calcinhas mas tenho o maior tesão por absorventes, desde mais novo, e comecei a me masturbar cm absorventes, é uma delicia, sempre que posso pego da minha irmã, sem ela saber, estou querendo comprar um pacote pra mim mas to com vergonha de comprar e to sem lugar pra guardar, e caso eu vá comprar n sei qual marca comprar

    1. Oi Pelicano. Tenho filhas e muitas das vexes sou eu que compro absorventes para elas. Normalmente os absorventes são pequenos e podem ter abas ou não, depende do gosto de cada uma. Não sei como você se masturba com absorvente,nunca experimentei e ainda vou provar de sua ideia. Eu sugiro que você compre com abas e de preferência noturno caso seus seus esperma seja volumoso e o tamanho do seu pênis também. caso você queira conversar comigo…[email protected]. também gosto de usar calcinha.

  43. eu adoro usar calcinhas mas não deixo de ser homem por isso uma mulher me penetrar isso não ira tirar minha masculinidade mas sim me deixara mais quente e ativo e amarei muito mais ela por isso e muito mais

  44. Tenho 59 anos e minha esposa 56. Sou bi passivo assumido há mais de 10 anos e ela sabe disso. Tudo aconteceu por circunstâncias de um casamento que estava ficando monótono, quando eu propus abertamente para ela ter um outro parceiro. De início foi um impacto, ela não quis e continua não querendo até hoje, mas disse que se eu quisesse buscar coisas diferentes fora do casamento, que tudo bem, desde que ela soubesse de tudo. A partir disso nossa intimidade melhorou muito. Hoje em dia uso calcinha fio dental minúscula perto dela, fazemos inversão, fantasiamos muitas coisas e já tive na cama de alguns parceiros, como passivo e conto tudo para ela como foi. São experiências incríveis. Na realidade eu não curto homens. Beijar outro homem, nem pensar, não me vejo fazendo isso, e curto apenas sexo com outro homem, mas sempre usando calcinha fio dental. Me sinto uma fêmea na cama quando faço isso. E em casa, continuo usando meus “fio dental” minúsculos tranquilamente. Amo muito minha esposa, cada vez mais, pois esse nosso entendimento salvou nosso casamento. E espero que continue assim.

  45. Oi sou heterossexual mas gosto de me vestir de mulher,gosto de calcinhas ,vestidos e saltos.
    Gostaria de obter informações para ter uma transformação de qualidade ,alguém para me dar uma dica??
    Minha esposa não sabe e trago no mais absoluto segredo,também curto depilação pois é muito excitante e a relação melhora muito,qualquer informação sobre tudo inclusive hormônios, entrem em contato com o meu email [email protected].

  46. Só agora li o artigo e a longa discussão. Entendo como todos se sentem. Como bissexual demorei a assumir o que era, me classifico como viado passivo hetero (rsss). Explico. Durante muito tempo achei que havia a dicotomia homem – viado. Que aceitar meus desejos seria indicação de ser homossexual, mas não queria isto e me sentia hetero. Sempre gostei de mulheres, casei-me duas vezes, filhos e gosto de ser casado com uma mulher.
    No entanto tinha atração sexual por homens. E cada dia tenho mais. No entanto sempre estranhei homens que se portavam como bichas ou que se vestiam de mulher. Acho que é porque achava que ou se era uma coisa ou outra. E ser outra não implicava em negar seu sexo.

    Bem, com o tempo, e me vendo, vi que as coisas não eram tão simples. Somos muito variados em gostos e hábitos. Não acho hoje nada “anormal”. Cada um tem algo que outro vai achar errado. Por exemplo, me vejo discriminado, e até xingado, por não ser completamente homossexual. Dizem, tanto gays quanto machões, que isto é ser enrustido, é só um disfarce. Não é não. Eu sou assim.

    Como disse sempre achei estranho usar roupas femininas. No entanto, um dia, me deu vontade e perguntei a minha mulher se podia colocar uma calcinha dela. Ela aquiesceu e passei o dia andando pela casa assim. Ela me perguntou se eu tinha gostado e se era porque calcinha era mais confortável que cueca. Eu pensei, tinha gostado muito de usar, e lhe disse que sim, calcinhas são mais confortáveis, mas o motivo maior era porque assim eu me sentia muito viado.

    Pois é. Tinha pouco que eu tinha deixado de bobagem e vi que era viado e passivo. E que continuava gostando de mulheres, particularmente da minha, por quem continuo apaixonado depois de muitos anos juntos.

    Não uso calcinha como o Eduardo. Uso quando quero me sentir viado. E gosto, particularmente, quando vou para a cama com um homem que se excita vendo um cara másculo, sem nenhum jeito gay, de calcinha. É uma das coisas que me faz com que eu me sinta viado, coisa que adoro me sentir.

    Não me sinto feminina, não tenho vontade de ser mulher, gosto é de ser um viado bissexual. E a calcinha faz com que isto acentue o que estou a sentir.

  47. Adoro usar, mas somente se for fio dental. E uso plug anal também, o dia todo, no trabalho, no trânsito, etc.
    Sou casado e sempre me relacionei com mulheres.
    Tenho fotos deliciosas minhas, de plug, fio dental, etc. Quem quiser ver pede pelo email [email protected]

  48. Sérgio tentei contato por e-mail mas você o recusou rsra, mas é o seguinte desde novinho que gosto de absorvente, sempre via pacotes lá em casa, e um dia bateu a curiosidade de pegar um pra ver como era, desde então fiquei viciado, já usei de tantas marcas, algumas até prefiro mais pelo tamanho e pelo cheiro, você me recomendou o always, usei poucos deles, acho que dois, eles são bem grandes, gosto tbm do sempre livre q tem um cheiro ótimo, mas o que eu amava não vende mais que é o sym girl, gosto de absorventes fininhos, e as abas pra mim não tem diferença, gosto de absorventes mais macios, não sei qual suas filhas devem usar mas deve ser dos melhores estará já q é vc q compra, já usei tbm alguns coberturas secas mas é meio desconfortável, eu quero comprar pra mim mas fico com vergonha, sempre q vou na farmácia fico lá babando os pacotes, me dá muito tesão, e você usaria absorventes? E qual você mais compra pra suas filhas? Compra pra mim tbm kkkkk

    1. O melhor absorvente e o sempre livre adapte ele e fininho na parte de traz se vc gostas use com a parte mais grossa para traz fica perfeito muinto gostoso

  49. Oi, Amanda, tudo bem?
    Então, me chamo Henrique (na verdade esse é meu segundo nome rsrs) e sou leitor do blog há pouco tempo… Apesar disso, já me apaixonei por tudo que vc postou aqui, principalmente essa história do homem lésbico, com a qual me identifiquei muuuitooo… Há um ano pelo menos me identifico como bissexual (pra mim mesmo, duas amigas e pra Internet), mas depois de ler essa história, parece q eu me vejo no texto (não integralmente, claro) e… Queria saber se vc está a fim de contar a minha história no blog, talvez seja capaz de enriquecer o debate, sla… Se sim, gostaria de saber como faço pra contá-la.
    Por hj é só, abraço!
    PS: a minha história é bem mais complexa do que eu escrevi aqui, e fique à vontade pra entrar em contato pelo e-mail [email protected]

    1. Olá Fernando, por serem mais confortáveis, eu uso somente calcinha no meu dia-a-dia, já não tenho mais cuecas na gaveta. Se quiser conversar, trocar experiências, me mande e-mail [email protected] que te passo meu whatsapp.

  50. Adoro ! Desde criança lá pelos 11, 13 anos colocava os saltos da minha mãe, os sutiens, e punha laranjas e ficava rebolando em casa. no banheiro me maquiava rapidinho depois lavava no banho. Já comprei uma calcinha pra usa mas joguei fora. Já fui num estúdio e me montei, coloquei peruca e tudo. É maravilhoso se vestir de mulher. Será que sou gay, bi, será que isso é um problema psicanalítico ? Tenho medo ! alguém poderia me ajudar ?

  51. eu também me identifico muito com todos esses depoimentos eu tenho 50 anos sou casado tem filhos adoro usar calcinha as coisas feminina me atrai muito mas isso é uma coisa que faça escondida por preconceito a minha vontade era de usar direto gostaria de conhecer um homem da minha idade ou para que possamos conhecer e me sentir mais e me fazer mais feminino

    1. Olá Paulo. Me descobri lendo todos esses depoimentos. Acho que me sinto mais solto para conversar a respeito deste tema. Também adoro vestir uma calcinha. Desde pequeno gostava de usar as roupas de uma prima, passar batom, e na ingenuidade pura sem preconceitos riamos muito. Sinto que tenho um lado muito feminino e também gostaria de conversar mais a respeito dessa bissexualidade que tanto instiga e provoca.

    2. Gosto de usar roupinhas femininas desde garoto! Tenho uma predileção por cetim, lycra brilhante e calça legg bem colada e brilhante com salto. Sou bi e cross, moro só sou viúvo e sinto um enorme prazer de ficar montada com roupinhas femininas em casa, chego a ter um prazer enorme quando me monto, não curto homem, adoro usar sainhas de cetim e cinta liga, salto alto , shortinhos de lycra bem minúsculo, gostaria de conhecer homem que curte usar trajes femininos para amizade ou algo mais! Sou aposentado sem vicios e vida definida!

  52. Bom dia Amanda concordo com você
    Tudo homem tem seu lado feminino
    Eu sou mais uma prova. Eu vestia de mulher. Usei calcinhas a diario. Até tive ima experiência sexual com um homem. Eu só posso dizer que é uma atitude muito gostosa de sentir o jeito de mulher.

  53. Amanda, adoro todos os seus artigos e tambem todos os comentários. Minha historia se mistura com várias outras que já li e re-li deles e delas. É maluco e ao mesmo tempo instigador saber que há pessoas (meninas e meninos) com sentimentos iguais, independente da questão sexual unicamente dita. Eu adoro a ideia de usar calcinhas. Desde pequeno me deparava com isso. É uma tremenda delicia e um barato sentir-se mulher. Sou casado há alguns anos e tenho isso um pouco reprimido. Nunca pensei seriamente na questão de bissexualidade, mas a maturidade nos faz pensar em viver isso. Instiga demais. Bem, se alguem quiser falar pessoalmente sobre isso, meu email é [email protected]. abs

    1. Concordo com você Pedro Henrique, realmente é instigador, “e a maturidade me faz pensar em viver isso”.Está certíssimo. Eu amo usar calcinha, baby doll, adoro usar hidratantes, e sempre estou depilada. As vezes me acho muito feminina. Quando estou em casa só uso calcinha e camiseta. Gostaria muito de poder conversar mais abertamente sobre isso,. Adorei a matéria e o Blog. Parabéns.

    2. Pedro Henrique concordo com você, comigo acontece o mesmo sentimento. Está certíssimo. Eu amo usar calcinha, baby doll, adoro usar hidratantes, e sempre estou depilado. As vezes me acho muito feminina. Quando estou em casa só uso calcinha e camiseta.
      Como você acho muito instigador e a maturidade nos faz querer viver isso.

    3. Parabéns Amanda pelo Blog. Sinceramente não conhecia. Pedro adorei seu relato. Me sinto como você e desde pequeno adorava vestir roupas femininas. Eu adoro estar de calcinha. Já cheguei a ir a uma praia mais vazia com uma namorada usando a parte de baixo de um biquini. Amei estar de calcinha na praia. É muito instigador pensar na bissexualidade e a maturidade nos aflora este lado. Uso calcinha e camiseta direto quando estou em casa. Adoro me depilar, uso hidratante no corpo, e gosto muito de alguns perfumes femininos.

  54. É TUDO MUITO COMPLEXO, SE FORMOS TENTAR ENTENDER , PARECE PERDA DE TEMPO E TALVEZ NINGUEM CONSIGA EXPLICAR !! POR ISSO ACHO MAIS FACIL TENTAR ACEITAR E VIVER COM ESSAS ” DIFERENÇAS ” DUPLICIDADE NUM MESMO CORPO, INDEPENDENTE DA FORMAÇÃO, AS VEZES ATE PARECENDO FALTAR ALGUM ORGÃO, EXISTEM DUPLOS SENTIMENTOS , MANIFESTAÇÕES, SENSAÇÕES, DESEJOS, NECESSIDADES AS VEZES SEPARADAS E MISTURADAS AO MESMO TEMPO!! PARECE UMA TORTURA, PORQUE NÃO NOS ENTENDEM, ACEITAM E O PIOR NÃO RESPEITAM E ACABAMOS NOS ESCONDENDO, OMITINDO, DISFARÇANDO, MENTINDO PRA NOS MESMOS !! PRECISAMOS CONVERSAR!! OUVIRMOS UM AO OUTRO!! MEU EMAIL [email protected] AGUARDO UM ABRAÇO A TODOS

  55. Uso calcinha ha muito tempo, mesmo depois de casado. No início ela não sabia, mas com o tempo facilitei para que ela soubesse, não me recriminou em momento algum, apenas disse se vc gosta, tudo bem. Então uso sempre que posso, para dormir, para transar com ela, para sair a trabalho. Na verdade gosto de sentir esse meu lado feminino, quando estou usando me sinto feminina, já cheguei até a ter experiências com outros homens onde fui passivo para eles, então me senti uma verdadeira mulherzinha nas mãos de um macho. Tenho essa experiência e esse tesão que me motivam a todo tempo…estou aberto a trocar experiências…[email protected]

  56. Eu não vejo problemas em ver um homem de calcinha.
    Aliás é muito prazeroso comprar calcinhas pra mim e para o meu marido.
    Ele usa quando eu como ele com uma cinta isso é super normal, ele faz as minhas fantasias e eu as dele.

  57. Sou casado e tenho 40 anos. Desde muito jovem adoro usar calcinhas bem pequenas e que marquem na calça. Minha esposa nem imagina que eu gosto disso. Meu treino na academia e bem focado em pernas e glúteos e isso deixa as calcinhas que uso perfeitas no meu corpo. Gosto também de calça meio apertada para marcar a calcinha na calça. Quando estou andando só pela rua dou uma puxada na calça para cima para marcar mais a calcinha na calça, só de imaginar que alguém pode perceber que estou usando calcinha fico extremamente excitado. Enfim, sou fascinado por calcinhas e tenho até medo de isso ser um problema mental meu, mas isso me dá muito tesão.

  58. Sou casado muito feliz, uso calcinhas diariamente, dispensei as cuecas já faz dois anos quando revelei a minha mulher que gostava de usar por me sentir mais confortável e pelo fato de ser muito estimulante no momento de intimidade. Isso aconteceu quando eu mesmo num momento de raro prazer vesti a sua calcinha e para minha surpresa a minha esposa se sentiu recompensada e valorizada, quando lhe disse que ao optar pelo uso de calcinhas seria uma forma de conviver constantemente com o corpo dela colado ao meu. Costumeiramente me depilo para me sentir, tal como a pele lisa da minha mulher. Hoje estou cada vez mais certo, que o próximo passo é me produzir me vestindo inteiramente de mulher diante da minha esposa. Já dei alguns sinais para ela, quando de fato isso for ocorrer, acreditando que estarei realizando em plenitude a vontade de ser tão mulher como ela. Tenho me produzido aos poucos me vestindo de mulher e saindo à noite em ruas movimentadas para quebrar qualquer tipo de preconceito e barreira com a minha liberdade de expressão. Vou às lojas e provo as roupas que me ficam bem sem nenhum pudor. Algum momento saio à tarde e percebo que tudo fica muito natural com o meu desejo de ser mulher…

  59. Eu me sinto bem usando calcinhas clássicas de cintura alta e cavada das marcas duloren e demillus. só tenho um pouco de dificuldades para comprar. gostaria de poder entrar em loja de lingerie e dizer que é pra mim. alguém pode me ajudar ?

  60. Tenho 43 anos e sou no sexual, só uso lingerie fio dental, e na praia biquíni apesar de muitas das vezes deixar só as fitas aparecerem.
    Ainda há muitos tabus com relação a nós, pois sou casado e tenho filhos. Me sinto muitas vezes preso 😿, quero ainda melhorar mais minha aparência, tipo aumentar glúteos e afinar quadril, não que queira ser travesti, mais me identifico com o gênero feminino, desde os 08 anos que me sinto mais menina.
    E muito b compartilhar com vcs.
    E a primeira vez que falo em um grupo.

  61. Amei seu texto, eu tb adoro me sentir assim , sou totalmente passiva, Gosto TB usar calcinha mods sutiã vestídos, e bom demais, desde criança eu gostova de usar maquiagens me vê no espelho, hj dou para meu namorado assim usando calcinha e mods sensação maravilhosa.. amo me sentir mulher.

  62. Sou homem quarentão bonito de corpo e rosto, saudável, cheiroso, excelente nível.Ninguém imagina que na intimidade uso calcinhas e enfio consolos no meu cu.
    Procuro mulher que sinta vontade de fazer inversão comigo.
    Estou no interior paulista, ddd prefixo 15
    [email protected]
    cd baixinha arroba g mail ponto com
    Não quero sexo virtual, prostituição, e mail de gente curiosa e de homens.
    Contato via e mail me informando qual cidade mora, idade, dados pessoais para eventual encontro.

  63. Slv galera li os comentários e decidi falar um pouco de mim tbm. Eu sempre fui hetero me casei com 16 anos e minha esposa sentia atração por mulheres tbm, ela sempre pedia para me vestir de mulher e me maquiar mas eu era machista, até q um dia decidi fazer o que ela pedia e coloquei uma calcinha de fio e uma roupa dela, e aquilo me deixou excitado, acabei gostando e virou uma rotina para nós, passou um tempo compramos objetos sexuais e sempre vaziamos inversão de papéis eu gostava muito de fazer aquilo com ela. A poucos meses nos separamos mas continuiei usando roupas femininas, mas nunca senti atração por homens. Já tive a experiência com transexuais e gostei muito tbm mas continuo sendo hetero. Alguém tem alguma opinião para isso

  64. Pois acho estranho pois a mulher pode usar cuecas. Mas o homem não pois eu acho q o homens q gosta tem q falar gosto e acatou pois ninguém paga as suas contas pois sou casado e uso calcinha e vou falar ninguém paga as minhas contas mas vejo q a sociedade ainda nao estar preparada mas nso estou nem air pois ni paga as minhas contas

  65. Gosto de usar roupinhas femininas desde garoto! Tenho uma predileção por cetim, lycra brilhante e calça legg bem colada e brilhante com salto. Sou bi e cross, moro só sou viúvo e sinto um enorme prazer de ficar montada com roupinhas femininas em casa, chego a ter um prazer enorme quando me monto, não curto homem, adoro usar sainhas de cetim e cinta liga, salto alto , shortinhos de lycra bem minúsculo, gostaria de conhecer homem que curte usar trajes femininos para amizade ou algo mais! Sou aposentado sem vicios e vida definida!

  66. Boa noite gostei do seu relato, eu sempre usei calcinha desde os meus doze anos, gosto muito uso também babydool para dormir, em casa fico só de calcinha, moro só por isso gosto muito, me sinto muito bem mesmo, um abraço a vc e tudo de bom.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *