21 de julho de 2024

54 thoughts on “Duas mulheres impedidas de viver um grande amor

  1. Olá…me identifico muito com essas histórias…porque vivo algo parecido…esse medo de condenação por parte, principalmente, dos pais …ainda mais porque somos de berço católico. Sou atuante … e simplesmente me apaixonei por uma formanda religiosa…que…com o nosso envolvimento…acabou por deixar o convento. Mantemos nosso amor em segredo ainda, até que eu consiga ser “independente”…para enfim, darmos um passo adiante. Mas, por hora, temos que sofrer a distancia, porque, ela voltou para casa…e moramos em estados diferentes.
    Nos falamos todos os dias, mas não é a mesma coisa. Fazemos planos…mas existe aquela ansiedade em saber até quando teremos que esperar. A única coisa que eu tenho a certeza é que por ela eu faria de tudo…nunca tinha tido um sentimento tão forte e intenso, porque sempre me considerei uma pessoa “fria”…ela me trouxe uma liberdade, uma explosão de sensações…e esperamos que Deus tenha misericordia de nós…e não nos condene pelo que sentimos uma pela outra.

    1. A história tem em grande parte a ver com o que aconteceu cmg e com a minha noiva. Achei muito curioso o seu comentário, pq coincidentemente, meu pseudônimo é Gabriela e eu quase achei que era um comentário meu XD. Também sou de família católica e quando era jovem pensei em ser freira, pq eu tmb era assim: fria, racionalizava tudo e vivia muito bem só com as amizades. Além disso, as opções que minha família dava eram: casar e formar família ou ser freira, mas desisti pq não me encantei pela forma de vida das freiras preferia ser padre…kkkkk….mas como não era possível deixei de lado tudo. Meu plano era, estudar muito, trabalhar muito para então poder viajar pelo mundo; seria uma viajante errante e talvez, em uma de minhas viagens, encontrasse a minha alma gêmea que poderia ter nascido em qualquer lugar do planeta. Daí um dia, lendo o livro o segredo, eu fiz um desejo para o universo (como assim eles dizem que vc deve fazer) e desejei uma PESSOA (lembro bem ter dito essa palavra) que me amasse muito e que eu amasse também e pimba, ela apareceu na minha vida. Minha família é muito católica e por mais que eu não pensasse em ser lésbica, eu já tinha concluído que não cabia a mim julgar os homossexuais e logo não tinha qualquer tipo de problema com quem era gay, só não queria ser, mas enfim, aos 21 conheci minha hj noiva. Estamos há 7 anos juntas em um relacionamento escondido. A família dela descobriu uma vez e disse para nos afastarmos ou então eles falariam com a minha mãe. Assim como a moça da história, minha noiva não sabia mentir para a mãe dela e foi bem difícil afirmar que tínhamos terminado, mas esconder tudo, mas ela aprendeu. Teve que aprender. Se não tivesse, acredito que nosso futuro teria sido semelhante ao da história. Foi e ainda é muito difícil viver assim. Tem dias que choro muito por não poder ser eu mesma, por não poder encarar os homens que faltam com respeito com a minha garota na minha frente, mas sabemos que a cada dia estamos mais perto dos nossos sonhos, pois agora que estamos formadas, falta apenas alguns poucos degraus para nossa independência. Consegui um emprego, mas infelizmente só fiquei um ano, no entanto, por causa dele conseguimos fazer nossa primeira viagem juntas e sozinhas em 7 anos de namoro. Às vezes me pego impaciente. Com vontade de jogar tudo pro alto e sair de casa trabalhando em qualquer coisa, só pra ter minha liberdade, mas aí ela vem e me acalma, às vezes é o contrário. Nós sabemos que se formos passar necessidade, por mais que nos amemos, corremos o risco de iniciar uma serie de brigas que podem enfraquecer o nosso relacionamento. Precisamos estar bem, pois sabemos que assim que ficarmos juntas pra sociedade, os problemas financeiros serão os menores problemas que teremos. Então meu conselho a você é: aguente firme e batalhe. Que seu sofrimento seja por você não estar ao lado dela agora e não por que estar ao lado dela se tornou um tormento. Abraço! Força pra nós!

  2. Nossa que história comovente a de vocês! É incrivel como a religião afeta as vidas das pessoas…passei por mal bocados por isso também, mas hoje em dia vivo na paz pq sei que nada tem de errado quando se trata de amor! Agora na sua situação complica por conta do pai dela :/

    1. A situação complica mais pq a garota ainda acha que a vida dela pertence aos pais. Uma coisa é você ser grato e não deixar seus pais perecerem na velhice, outra é permitir que eles comandem sua vida como se você tivesse que ser obrigatoriamente uma cópia melhorada deles e digo melhorada pq às vezes as exigências dos nossos pais são em maioria por conta das coisas nas quais eles erraram quando eram jovens.

  3. Que história linda e ao mesmo tempo triste.As coisas já mudaram muito em relação a sexualidade,mas ainda há muito pra mudar,e o principal é a religião,enquanto não perceberem que Seremos julgados pelos nossos atos,o que fazemos de bom ou ruim,e não pelo que sentimos,ficaremos a mercê das religiões porque a maioria condena o relacionamento entre pessoas do mesmo sexo por considerarem pecado.Mas tenho fé que isso ainda vai mudar.
    Eu não sou homossexual,mas sou bissexual e morro de medo de alguém saber,porque ser bi ainda é mais criticado do que ser homo,porque somos tachados de sem-vergonha.Mas vou seguindo em frente e sempre quando dá procuro conhecer alguém legal que não se importe com esses rótulos.

  4. Linda história, eu realmente me identifiquei muito com a “protagonista” da história… quantas e quantas vezes eu não pedi a Deus por alguém q eu amasse de verdade… e ele me atendeu, me “trolando” mas me atendeu. A minha história de 10 anos já está no blog e por isso não vou entrar em detalhes, mas é incrível como a descrição dessa história se encaixa perfeitamente com a minha… os sentimentos… o primeiro beijo. Infelizmente a parte ruim tb é bem similar a diferença é q eu AINDA não fui descoberta nem pelos meus pais nem pelos pais dela, mas caso isso aconteça, creio q será da mesma forma dessa historia. Força… é só isso q tenho para te dizer… eu sinto a dor q vc sente e sei q nao existe nada no mundo para remediar a não ser a própria pessoa. Tenho certeza que, assim como eu, tudo o que vc queria ouvir é “foda-se tudo eu vou ficar com vc”. Quando a religião esta envolvida a pessoa fica entre o coração e a consciência, pq ela vive numa realidade fantasiosa e realmente crê que vai ser culpada e punida por todo esse amor. Daí vem a bipolaridade… as brigas… a distância… As vezes eu acredito em finais felizes, mas cada dia que passa eu me acho tola por acreditar, talvez eu seja muito romântica. Eu me identifiquei tanto com a sua angustia que da vontade de conversar mais com vc e apoiar, pq sempre precisei de apoio e nunca tive ninguém pra conversar diretamente comigo sobre isso. Não sei q o blog vai permitir, mas deixarei meu e- mail caso vc queira conversar com alguém q passa por praticamente o mesmo que vc. [email protected]

  5. Como alguém pode se dizer cristão, fazendo pessoas sofrerem, sendo que uma dessas pessoas é a própria filha? Cristo nunca pregou o preconceito! Amor é amor, e por favor minha querida, jamais entre nessa de se sentir culpada por amar outra mulher. Desejo de coração que Deus toque o coração desse pai e dessas mães, e os faça compreender que se eles realmente amam suas filhas, devem aceitar o amor entre elas.

  6. Olá, sou a “protagonista” dessa história que o blog reescreveu tão bem aqui.
    Muito obrigada pelo apoio, realmente escrevi em meio a uma grande confusão interior. Achei o blog e comecei a ler as outras histórias, principalmente a história de 10 anos, que me inspirou muito. Vi quantas pessoas estão passando pela mesma coisa que eu e se veem perdidas também. Tudo isso mexeu demais comigo e vejo o quanto precisamos de apoio, pois acabamos tomando decisões sérias e que podem refletir pra sempre em nós. As minhas decisões de começar um namoro em meio a isso tudo, e depois vir embora pra uma cidade a mais de 600 km de distância, foram tomadas em grande parte como fuga e busca por uma solução, o que acaba nos enganando e trazendo traumas maiores.
    Até agora é isso que tenho, é esse o estado de nossa história, algo inacabado que nos machuca diariamente. Sobrou o amor e a saudade sem fim. Reconheço o erro de ter enganado tantas pessoas, mas não consigo me arrepender completamente, pois o que vivi foi verdadeiro e Deus pode ter concedido o amor que eu pedia. Também estou aguardando o fim desta história e espero não desistir de ver um final feliz, como for. Quero somente que possamos ser felizes e que Deus possa perdoar as nossas falhas.

    1. Sou participante de uma história muito semelhante a tua, fui integrante durante 10 anos de um grupo de oração da Igreja Católica, nesse ínterim conheci uma garota e nos tornamos grandes amigas, contudo, essa amizade tornou-se algo maior, porém, os limites “morais” da religião e principalmente da família dela foram o pivô do nosso afastamento. Quando li o que você passou fui reportada há 8 anos atrás. Caso queira, tenho interesse em conversar com você, tendo em vista que nunca relatei isso para ninguém e acho que você entenderia bem o que eu passei.

      1. Ola vamos fazer um grupo no whats para falar das nossas experiencias e nos ajudar , sou casada e namoro uma amiga também casada , estamos passando uma situação muito difícil ,mas creio que o amor tudo suporta. meu contato

    2. Tenho 46 anos demorei muito para me aceitar, sou Católica também e hoje enxergo com clareza que Jesus me ama e quer que eu seja FELIZ. A Paciência e a chave da felicidade, sei que e difícil qdo se ama, mas vcs vão conseguir concretizar esse AMOR, pois Deus não envia seus filhos ao mundo para fazer escolhas contraria a sua felicidade, ele quer que cada seja FELIZ com a pessoas que o coração escolheu para amar.Um grande abraço!

    3. Olá, sua história é realmente incontestável…. Acho que a melhor coisa a fazer é apresentar estar guerra nas mãos de Deus, onde ele possa lutar por nós… Realmente a nossa luta não é contra carne ou sangue, e sim contra os principados e postestades, contra os dominadores deste mundo…Só Deus pra vencer estar guerra, e devemos apresentar a Ele, crendo que a resposta virar Dele…. As vezes ficamos achando que por sermos homossexuais não possuímos um Deus, que estamos sozinhos neste mundo tenebroso, mais Ele não morreu na cruz pelos santos, Ele veio pra resgatar as nossas Vidas, Temos um Deus que sim Ele nos ama… E precisamos do manifestar Dele em nós…. Somos obras das suas mãos Ele é o oleiro e nós somos barro…. Se preciso for Ele quebra e molda….Que a vontade Dele se cumpra em nossa vidas, mas isso não quer dizer que não devemos apresentar diante da sua maravilhosa presença, os nossos sonhos e a nossa Vida!

      1. Olá meu nome é Carol Dias, não pude deixar de comentar essa linda e dolorosa história de amor… Muito parecida com a minha.

        Bom, hoje tenho 29 anos de idade, mas quando conheci a Larissa tinha apenas 15 anos.
        Não acredito que tenha sido só o acaso, mas eu acredito que Deus deseja que nós sejamos muito felizes nessa Terra com muito amor…
        Quando fiz 15 anos de idade ganhei de presente de meu pai um celular da oi, na época existia muitas promoções da oi. A minha promoção era uma que cadastrava um número e que poderia ligar a qualquer hora somente para o número e falar o quanto puder de graça. Então tentando cadastrar o celular de uma amiga, cadastrei o número errado… Ai já deu né… Caiu no celular de uma menina chamada Gabriela. Na época eu morava no interior do Ceará e a Gabriela morava em Fortaleza.
        Então um dia resolvi saber de quem era o número errado que havia cadastrado, nisso no dia em que liguei para Gabriela a Larissa estava do lado dela.
        Ai falei o seguinte: – oi sou a Carol, gostaria de saber de que é o número e fui explicando que havia cadastrado errado o número para a Gabriela. Só que a Gabriela era enjoada, nojenta e chata. Ai a Larissa toda educada, simpática pegou o celular e falou comigo. Nossa quando ouvi a voz dela pela primeira vez pensei: – Que voz linda é essa??!!! Então conversamos e foi agradável… No dia seguinte a Larissa me ligou, quando atendi não acreditei que ela tinha retornado para mim e do número dela… Então conversamos e fomos nos conhecendo por telefone mesmo.
        Com o passar dos dias, a Larissa toda empolgada e toda meiga com a voz muito linda passou a me ligar com mais frequência… Na época existia o orkut, foi então que passamos a nos falar mais e trocar fotos… Nossa como a Larissa era linda!!!
        Então a gente decidiu iniciar o namoro. Confesso que estávamos tão apaixonadas que saia do meu interior para encontrar com a Larissa em Fortaleza escondida dos meus pais… Amei demais a Larissa, mais do que qualquer outra pessoa. Confesso que na minha vida jamais vou conseguir amar alguém assim como eu amei. Amei com todas as forças de minha alma e com tudo que sou. Hoje essa historia tem mais de 15 anos, continuo amando a Larissa como se eu ainda tivesse meus 15 anos, continuo desejando o nosso primeiro beijo dentro do banheiro da casa de cultura da UFC. Nunca vou esquecer daquela mulher que teve a capacidade de me fazer amar por mais de 15 anos… Hoje é só saudade que me resta, por que não lutei por ela pelo fato de minha família ser evangélica… Mas me arrependo muito de não ter lutado… Hoje a Larissa está casada… Mas continuo amando cada pedacinho da Larissa…

    4. Oi, Cah! Achei sua história muito linda. Você está vivendo a parte triste dela agora, mas eu acredito na força desse sentimento que vcs têm. Sabe por quê? Porque eu vivo um sentimento que nasceu assim como o seu há 7 anos. Eu e minha noiva nos conhecemos na faculdade. Eu com 21 e ela com 17. Na primeira vez que eu a vi, eu soube que ela era diferente, mas nunca passou pela minha cabeça a chance de sermos namoradas. Sou de uma família extremamente católica assim como vc, e pra nós essa possibilidade não está na lista de possibilidades quando somos criadas.
      Eu e ela nos tornamos amigas, tínhamos milhares de coisas em comum e eu adorava o fato dela topar todos os rolés que eu curtia e minha amigas da época do colégio não curtiam tipo: cinema, comer um cachorro-quente na rua, assistir filme em casa tomando sorvete, jogar vídeo game. Porém era sempre só nós duas. Uma terceira pessoa atrapalharia pq “iria querer fazer uma coisa diferente de nós” (era o que dizíamos pra explicar pq só gostávamos de sair as duas. Ficávamos o dia e a tarde juntas na facul e a noite passávamos horas no msn até dar a hora de dormir. Era praticamente as 24h do dia, pq tinha vezes que eu me encontrava com ela a noite tmb…nos meus sonhos XD. Começamos a namorar 6 meses depois de nos conhecermos. Foi intenso. Todo mundo na faculdade já olhava pra gente e dava risinhos. Buscamos melhorar as aparências. Um dia nas férias, estávamos morrendo de saudades, ela no interior e eu na capital, e decidimos que eu iria visitá-la la na casa dos pais dela, como amiga claro…nosso erro. A mãe dela já desconfiava e precisou de pouco pra perceber que a filha fria, que entrava e saia de relacionamentos rápido, estava apaixonada por mim. Colocaram ela contra a parede e ela contou, mas não tudo. Disse apenas que gostava de mim, mas não falou que já namorávamos. Quando ela voltou para a capital, na casa das tias, elas ameaçaram vir falar com a minha mãe se ela não me esquecesse. Que coisa mais insana pra se pedir né? E assim ela tentou, terminou cmg e se afastou por um tempo, mas tava claro que a gente não conseguiria.
      Muita coisa aconteceu, até que voltamos, mas dessa vez mais cautelosas e ela conseguiu se munir de uma máscara que a permitiu mentir para a mãe, para a qual antes não conseguia mentir, assim como a moça da qual vc gosta. Isso foi no primeiro ano de namoro. Se passou 6 anos depois disso e ainda estamos aqui.
      É doloroso às vezes. Machuca. Mas todas as vezes que nos encontramos essa ferida é curada e assim vivemos e vamos continuar vivendo até quando pudermos nos bancar e finalmente ser felizes.
      Eu sei como é delicada a sua situação. A pessoa que vc ama ainda é muito apegada ao cordão umbilical dela e acredita que precisa ser um livro aberto para os pais pra ser feliz. O que ela precisa aprender é que a vida não é assim e que nossos pais são nossa vida durante muito tempo, mas depois, existem coisas que não é mais da competência deles participar, a n ser que seja da nossa vontade. Infelizmente, se ela ainda é dependente deles, ela terá que fazer o que eles mandam, mas a partir do momento que ela se independer financeiramente, acho que ela precisará saber de todas essas coisas e esse será o seu momento de agir.

    5. Ele te concedeu. DEUS é um Deus de graça, amor e perdao. Não de opressão.

      Sou evangélica, faço parte do ministério de louvor e sou lésbica e todo mundo sabe disso.

      E o Senhor Jesus que me Salvou da condenação da lei revelando a mim a sua maravilhosa graça.

      Contato. [email protected]

  7. Nossa como me identifiquei com a historia, as mesmas angustia, preocupações e sofrimentos de gostar de alguém e não poder falar e muito triste. Sou Cristão e acredito que Jesus me ama do jeito que sou e não me condena pelo amor que sinto fora do convencional. Ele quer que sejamos felizes, amando, cuidando e respeitando aquela que nosso coração escolheu para nos completar. O negocio e dar tempo ao tempo, trabalhar e ser independente e ir em busca da felicidade e não cair na armadilha de querer casar para agradar a Família e a sociedade. Porque nossa felicidade são nossa escolhas, pois ninguém quer viver frustado pensando como a vida poderia ter sido diferente se tivesse escolhido VIVER, AMAR E SER FELIZ. Pois EU hoje escolhi ser FELIZ!

  8. Me envolvi com uma amiga e no começo foi assustador todos aqueles sentimentos.Quando as coisas começaram a ficar mais calmas e eu comecei a aceitar que realmente gostava dela,ela contou pra mãe que tinha ficado comigo e foi a maior confusão.Ligaram pra minha mãe,foram na minha casa,mandaram eu me afastar dela,me ligou varias vezes me ameaçando e sempre com o discurso que é tudo pela “familia abençoada por Deus e Maria Santissima”.A gente ta sofrendo bastante com tudo isso,antes a gente vivia grudadas e agora não pode se ver.Eu tô procurando emprego e ela estudando pra passar no vestibular,pra quando tudo se ajeitar,a gente possa ficar juntas.

  9. História realmente comovente. Passei por muitos sufocos…minha mulher n podia me ver e tb n podia falar comigo..foi tortura..opai me odiava mesmo sem me conhecer direito…fiz tanta coisas por ela…e dificil mais pelo fato dela ter uma filha pequena e morar com os pais…foi horrivel…mas enfim…daria uma boa historia…e hj estamos juntas a 10 anos…

  10. Até hoje pensei que eu fosse a única pessoa (católica) a sofrer isso, um amor que (segundo a religião) não pode acontecer… A minha história é semelhante a essa. Juro que chorei lendo, porque me vi nesse descrito. E nunca compartilhei nada com ninguém!

  11. Tive um casamento de 11 anos. Dediquei-me completamente a essa relação. Não morávamos juntas devido ter que cuidar de minha mãe e ela preferir ter seu canto. Apesar de gostar muito da minha mãe, ela preferia não conviver para não criar conflito. Minha mãe é uma senhora de idade e por anos não aceitava nossa relação. Aliás foi minha primeira namorada, amante, enfim. Durou 11 anos. Até que ela decidiu do nada se voltar para suas raízes evangélicas. Voltou a frequentar a igreja e deixou-me para trás. Teme o pecado e tudo mais. Desde então eu ando meio confusa, perdida para ser sincera. Ainda convivemos. Tento respeitar a decisão dela. A amo e ela diz que me ama ainda mas não quer praticar o lesbianismo por ser contra o que Deus criou. Sinceramente me sinto mal com tudo isso, apesar de respeitar sua decisão. Também tenho raízes fortes mas católicas e minha mãe sempre pregou que isso não era de Deus, mas eu sempre senti atração por mulheres e com ela decidi enfrentar essa vida. Parece que tudo foi em vão.

    1. Não acho que foi em vão, Aleh. Quando vc luta nunca é em vão. O que vcs passaram juntas com certeza te trouxe muitos ensinamentos, além do que, vc foi até o fim, ela foi quem desistiu. Não se arrependa de ter lutado e não pare de fazer isso por outras pessoas que pintarão no seu caminho. As que valem a pena. Eu acho que por 11 anos a sua mulher valeu a pena. ;/

  12. Fui casada 11 anos. Eu e meu ex marido eramos muito amigos de um casal, foram 8 anos de uma grande amizade com Andrea. Nossa sintonia sempre foi imensa. Conseguíamos perceber uma a oura sempre. Ou seja minha melhor amiga, onde eu só pensava em sair quando eles (casal) estivessem com a gente. Nunca (de verdade) havia pensado nela de forma mais intensa. Só que no ano passado, em um aniversário em comum, onde estavam todos os amigos e nossos maridos, ela chegou para mim e disse que queria se separar.
    Nesse momento, eu senti uma vontade enorme de olha-la nos olhos intensamente, e foi isso que fiz. Ela retribuiu o olhar e nesse momento parece que minha vida parou. A gente fala que caiu um raio. Meu coração acelerou… Como podia tal coisa? Nunca tinha passado por nada parecido.
    As duas são evangélicas e todos os dogmas da religião nos massacram.
    Hoje estamos separadas. Eu tenho 2 filhos e ela 3.
    Estamos nos encontrando quando pode, temos um relacionamento.
    Pena que não podemos assumir tudo pois a família evangélica nunca aceitaria. As vezes a culpa de ter desfeito um casamento me pega, mas me sinto completa com ela, e não amo absolutamente nada em meu ex.
    Ainda choro. tenho medos, mas não me vejo longe dela.
    Achei esse blog hoje e me ajudou muito ver que tem varias na mesma situação.
    Bjos

    1. Sei bem e entendo o que passas, sei bem o quanto é difícil ser uma coisa para família e outra quando estamos longe.
      Se você quiser podemos conversar mais a respeito.

  13. Estou encantada com sua história. Fico com pensando com a religião ao mesmo conforta e e trás angústias aos nossos corações, as vezes não consigo ver Deus nas religiões. Impossível não falar que vivi momentos parecidos com estes, mas hoje 90% de mim está feliz e realizada pois vivo meu amor, lutamos e casamos, com isso abrir de estar próxima da minha mãe, que nos condena. Acredito que um dia ela também mude e assim estarei feliz 100%. Lute, lute e lute pelo amor e serás feliz!

  14. ola meninas,acabei de lê as historias de vcs e me identifico com algumas.
    Vivo um relacionamento com uma mulher casada a mais de dez anos,nos conhecemos em uma sala de bate papo,começamos esse relacionamento e depois de um ano namorando pela net fui ate ela e estamos vivendo esse romance ate hoje,mas o detalhe é que ela mora em s/p e eu na Bahia kkkk.vou deixar aqui meu email pra fazer parte do grupo,gostaria muito de contar mais sobre mim sobre minha historia e ouvir vcs tambem..
    EMAIL:[email protected]

  15. Me identifiquei com algumas partes aí, não sei explicar esse amor, eh tao intenso, pior eh amar alguém que nem imagina que vc ama, amor platônico. 🙁

  16. Nossa, quanta gente lgbt e cristã… Sei o quanto essa combinação pode causar sofrimento. Sei que também a militância não chega nessas pessoas… Fico pensando o que poderia ser feito para ajudar. Bom, de qualquer forma esse blog já ajuda muito… Obrigada, Amanda. Obrigada também à moça da história por compartilhar conosco.

  17. Muito linda a história.
    Eu estou em um dilema
    Conheci uma menina pela net se falamos durante 7mese e depoia fui conhecer ela pessoalmente a gente se falava quaze 8horas por dia no celular eu achava q sabia tudo da vida dela até q agora c um ano e um mês e descobri q ela é casada. Estou sem saber oque faço?

  18. Oi Meninas,
    Sou Casada a 20 anos e sempre tive interesse em mulheres, tenho 2 filhas e 38 ano, nunca tive coragem de me relacionar com uma mulher, essa história e muito parecida com a minha.
    Gostaria de conversar com outras mulheres de preferencia que more no Espírito Santo.

  19. Cheguei a passar a noite orando para Deus me livrar de amar uma mulher.
    Mas ao contrário do que podia pensar, Deus me abençoou.
    Sou legalmente casada com uma mulher e muito feliz.
    Devagar consigam suas independências financeiras. … e .. psicológicas.
    Devagar.
    E vivam todo o amor que têm para viver.

  20. É de certa forma até um alivio saber que não passo por esses questionamentos sozinha… Cresci dentro da igreja, ouvindo o que era ‘certo’ e toda aquela coisa que muitas de vocês conhecem… Eu sentia algo diferente em mim, mas pensei que fosse aquela coisa que passa logo, namorei homens, afim de que pudesse esquecer ou sumir aquilo que existia dentro de mim e eu me enganei esse tempo todo… Me relacionei com mulheres, e me senti tão plena, mesmo em meio a intensidade e a complexidade de um relacionamento entre mulheres, – nunca ninguém disse que seria mil maravilhas – ali pude ser eu mesma, sem aqueles rótulos impostos pela sociedade ‘namorar homem, casar, e todo o resto’, tive uma pessoa incrível do qual coloquei tudo a perder por simples medo, mas aprendi com isso… Hoje me aceito, e isso foi como tirar um peso das costas… Deus não pune, ele ama seus filhos igualmente, isso conforta o meu coração quando penso nessas questões… Tenho 27 anos e sou de SP, meu email é:[email protected], se quiserem conversar, desabafar, me coloco a disposição a novas amizades…

  21. Olá bom dia sou um rapaz bi passivo delicado sem pelos totalmente discreto tenho 35 anos aparento menos sem vícios e trabalhador busco uma namorada branquinha que curta um namorado assim gosto de roupas femininas e quero alguém para caso sério e fixo moro em São Paulo região oeste

  22. Bom eu tenho 19 anos e sou ateia minha família é muito religiosa e por conta disso sempre fui induzida a pensar que era “pecado”,vivi uma adolescência frustada por me forçar sempre a ficar com homens e perdi a oportunidade de ficar com mulheres incríveis por não me aceitar lésbica.Com 17 anos conheci esse blog e comecei a me aceitar do jeito que eu sou.
    Meu sonho agora e me formar e me tornar independente e me assumir para família,de verdade eu não me importo mais se eles vão ficar do meu lado ou não,porque nessa de sempre tentar agradar a família esquecemos de agradar nós mesmo.

  23. Relato interessante e, infelizmente, muito mais recorrente do que gostaríamos. As histórias que, por qualquer motivo, não são vividas, acabam seguindo conosco pelo resto da vida. Às vezes como uma leve lembrança, outros como um “e se…” eterno…

    Como o texto foi publicado em março de 2016, alguém sabe se findou por aí ou teve novos capítulos?!?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *