18 de abril de 2024

21 thoughts on “Não espere romantismo de todas as lésbicas e bissexuais

  1. Amandinha…Que post bacana….Ótimo pra dar dicas pras “calouras” kkkkk Olha eu posso falar da minha experiência que foi um fracasso no inicio e que mesmo depois de um tempo, confesso, tenho aprendido a cada dia. Mulher é uma caixa de surpresas né…Eu tenho uma personalidade forte, não tenho frescura, tenho uma alma meio masculina, muito prática etc…E descobri que muitas mulheres são super sensiveis. Não que eu não seja, mas descobri que mulher gosta de ser tratada e espera ser tratada de forma diferente, tipo meu bem, meu amor, meu doce, minha flor, minha vida, minha diva kkkkkk haja tratamento. E quando fui tratada desta forma eu também amei!!!! E ai eu que não tinha esse jeito, fui me adaptando…Eu trabalho só com homens e minhas amigas são todas como eu. Isso se refletiu em tudo porque também comecei a tratá-las com mais doçura. Então acho que ninguém deve levar a mal pois tudo é um aprendizado. Tem mulheres muito, muito carentes. Tem outras super independentes. E algumas podem sim ser como homens, predadoras, insensíveis, mas isso não tem a ver com o sexo da pessoa e sim com a personalidade. Eu prefiro me relacionar com mulheres seguras, que sabem o que querem. Acho que muito mais que o romantismo, uma mulher vai se sentir valorizada quando a gente se importa realmente com ela, com a vida dela, com os sentimentos dela. Foi duro pra mim, mas hoje eu mimo o quanto puder. Coloco no carro, levo em casa, dou colo, faço um monte de carinhos e dou atenção pra caramba, dou moral pra quem está comigo. O minimo que a gente faz pela pessoa que a gente gosta é se importar com ela. Acho que as meninas que de repente estão com uma mulher mais durona e tal, podem conversar, ensinar. Uma conversa franca é sempre legal e pode esclarecer muitas coisas, pois às vezes tudo fica muito subentendido. Eu tenho aprendido muito sobre esse universo e isso só me faz me apaixonar a cada dia mais. Bjs

    1. Erica, seus comentários sempre agregam!! Concordo com tudo o que você disse. No começo, eu também não era “tão carinhosa” e quando minha esposa me disse isso, comecei a reparar e percebi que poderia ser muito mais. Hoje é outra história. Mas obviamente não precisamos ser carinhosas a todo o momento. Acho que também tem o fato de que muitas mulheres demoram mais para isso, precisam de mais intimidade e confiança. Muita gente não vai se entregando assim logo de cara, não é? Pode acontecer isso também. Mas como você disse muito bem, é também uma questão de personalidade. E isso deve ser levado em consideração sempre. O importante é fazer o que você falou: demonstrar para a mulher o quanto ela é importante. Beijos! 🙂

    2. Que comentário maravilhoso!! Amei!!
      Estou totalmente em acordo. E algo muito engraçado aconteceu. Vou partilhar da minha nova história de amor.
      Eu sempre fui carinhosa, meio “fresca”… Estilo mulherzinha (no bom sentido e não estou rebaixando as mulheres, porque amo a sensibilidade exacerbada rs). Tive uma paixonite por uma menina que, com o tempo fui deixando de gostar, porque um anjo do céu veio me ensinar o que de fato é amar uma outra mulher. Ainda estamos no plano virtual, porém é amor demais envolvido. Temos personalidades diferentes, mas ao mesmo tempo nos damos tão bem. Ela era como a Erica dizia ser: personalidade forte, alma masculina, meio séria. Hoje o meu amor diz ter mudado consideravelmente comigo, que ama quando a trato como meu bebê, que é mais doce e menos fechada. Vivemos “in love”. Ela é a coisinha mais especial da minha vida. Logicamente que nos desentendemos (bastante), no entanto o nosso elo é extraordinariamente forte. Aprendo com ela e ela comigo. Mesmo estando distantes, nossa relação é regada de cumplicidade, afeto, desejo, respeito e amor. Creio que tudo isso é o fator principal e contribuinte para uma transformaçao de conceitos e hábitos positiva. Eu não impus para que ela viesse a mudar seu jeito, e nem ela mesma faz muita noção de como pode mudar tanto alguns conceitos e vir a se sentir melhor pelo simples fato de retribuir carinho, denguinhos rs, mimos… É tudo muito engraçado. Um relacionamento tem o poder sim de nos moldar interiormente. E eu com minha namorada tivemos a sorte de uma aprender com a outra. Ela é surpreendente. A pessoa mais paciente que eu já vi na vida. E eu admiro muito isso nela. Me faz refletir sobre minhas falhas, que afinal, são muitas e só ela sabe rs. Te amo, Vida. Você me faz alguém melhor também.

  2. No meu caso, a minha “insensibilidade” e “apenas sexo”, era devido ao meu preconceito mesmo, achava que era só uma fase e se tivesse o maximo de relação possivel” isso” iria passar, porem nunca passava, e quando vi que a tinha perdido percebi o que era evidente, entretando o universo resolveu me dar uma segunda chance (e ela tambem rs) e estamos a mais de 10 anos juntas.

  3. Tá aí uma coisa que não entendi: “Ser tratada como objeto por uma mulher é possível? Infelizmente sim. Há aquelas que carregam a cultura machista e não refletem sobre o que fazem.”?
    Acho que uma mulher objetivar outra não tem nada a ver com machismo, e sim com objetificação pura e simples. O machismo influência a objetificação da mulher? Sim, mas não esqueçamos que não existe apenas o machismo nisso.
    Mulheres objetificam porque querem.

    1. Oi, Dany. Lógico que há muitas maneiras de encarar essa objetificação. O que quero dizer é que muitas mulheres reproduzem alguns comportamentos machistas. Infelizmente, isso acontece muito.

      Veja que não estou falando do desejo puro e simples. Vai mais além.

      É sempre muito complexo analisarmos o machismo na mulher. Em teoria, era pra ser contraditório e, por isso, fica difícil identificar quando, de fato, estamos sendo machistas.

      Grande abraço, Dany. Acho que esse é um bom tema para debate mesmo.

  4. Acho que tem muito preconceito nessa história, criação de estereótipo, além de genitalização velada. Não existe isso gente, será que todo homem que se relaciona com alguém com pinto, vive num mar de rosas?
    Não é porquê alguém tem pinto que eu vou viver em paz com ele.
    Gente, pessoas são pessoas, seres humanos são seres humanos, independente de ter pinto ou vagina.
    A mulher ter uma vagina não garante nada.
    Não sou a melhor pessoa mas, falta mais cosmovisão nessa história, irmos além do genital, do corpo.
    Amamos quem? A alma das pessoas ou seus corpos irão perecer daqui há alguns anos?

  5. Aaaah adorei ver que surgiu um post do meu relato rsrs… Creio q vá ajudar muita gente em situação semelhante. Enfim para dar um “update” rs, a *Patrícia e eu estamos em uma amizade colorida, depois que finalmente rolou o sexo (depois de eu correr bastante hahah) o comportamento dela mudou totalmente, está mais carinhosa e para o meu total espanto está ciumenta, apesar de ser uma amizade colorida não quer que eu “conheça” outras mulheres, liga e manda msg todos os dias, se comportando como uma namorada… Enfim foram 8 loooongos anos de espera, mas valeu a pena cada minuto Q esperei rsrs. E Amanda muito obrigada por tudo rs, esse blog me ajudou muito a entender e aprender mais sobre a minha bissexualidade.

    1. Oi, Ana*, fico feliz que tenha gostado. Muito interessante mesmo a sua história. Você viu que sempre mudo nomes, né? Então, não precisa se preocupar. Espero que o blog continue lhe ajudando. E se precisar de qualquer coisa, só falar! 🙂 Grande abraço!

  6. *Ana, sim, existem mulheres taradas – e muitas. Que bom que você aprendeu isso, porque sempre é bom quando um estereótipo cai por terra – no caso, que esse tipo de atitudes que você não gostou são feitos exclusivamente pelos homens.

  7. Amandinha, meu anjo, eu também não acredito que minha primeira experiência homo-afetiva, e também as outras que provavelmente virão depois desta, serão acompanhadas de romantismo ou atração sentimental e amorosa. Creio que, no meu caso, com outro homem, será apenas atração física e sexual. Acho que pela minha História pessoal de paixão e sofrimento por não ser correspondido por determinadas mulheres, ou ser deixado por elas, não terá a mesma intensidade com uma pessoa do mesmo sexo. Até mesmo porque ser bissexual, segundo o que eu já li, não quer dizer que você tenha o mesmo sentimento por ambos os sexos (ou gêneros? Agora me perdi qual o termo correto que se usa atualmente), sendo que você pode ter um sentimento a mais e mais intenso por um, e pelo outro, pode ser só atração física e sexual.

    Beijão!!!

  8. Um outro fato que me deixa não só indignado mas também triste, Amanda e demais amig@s do nosso blog, é a maneira como nós bissexuais somos vistos e até mesmo tratados, por uma grande parte da comunidade LGBTTTS, que embora tendo em sua sigla a referência aos bissexuais, não nos reconhecem como tal, muitas vezes até colocando que não existe a bissexualidade, querendo dizer que somos homossexuais confusos ou em fase de transição. Ora, se estamos em fase de transição para a homossexualidade, por que então há tantos bissexuais que já passaram dos 40, assim como eu e outros bem superior à essa faixa-etária, que continuam sentindo desejos sexuais e afetivos por ambos os sexos? Seria então uma “fase” sem fim? Outro fator, é o paradoxo da própria comunidade LGBTTTS, no qual muito que fazem parte não aceitam nós bissexuais, mas aceitam, como já citei antes, a referência em sua sigla. Vai entender?!

    Abração!!!

    1. Verdade, Eduardo. Sempre tento abordar esse preconceito contra os homossexuais. Infelizmente muitos gays e lésbicas ainda têm preconceito contra travestis, bissexuais, homens lésbicos, assexuais etc.

  9. Fui casada durante 20 anos. Tenho muita curiosidade e fantasias sobre o sexo entre mulheres… Mas, não penso em me relacionar. Aliás, atualmente não quero me relacionar com ninguém. Quero aproveitar o momento e tudo que a liberdade traz! Mas, minha curiosidade é pela coisa sensorial entre mulheres… um toque mais delicado, a pele mais suave. Nesse debate vcs me colocariam como machista?

  10. Oi. ultimamente tenho sentido muita vontade de ficar com mulheres, sendo que sempre fui hetero,o unico contato que tive com outra mulher sempre foram nas brincadeiras com amigas que não passavam de beijos. Na realidade eu sempre sentir Esse desejo mas procurei suprimir de todo jeito,mas agora não mim sinto mais atraída por homens e nunca fiquei com mulher não sei o que fazer,será que é um desejo passageiro só uma fantasia ?

  11. Já li aqui vários relatos mas, nunca li nada comparado a minha história….ter envolvimento com um casal que pratica Swing, e caraca que mundo é esse que eu fui me meter, só pra ficar com ela, aceitei tudo, minha cabeça anda a mil por conta desse envolvimento que aparentemente hoje se resume a uma amizade, eu tenho 33 anos e ela tem 50 anos, ela uma mulher bem cuidada muito bonita, segura de si, eles são obcecados por sexo, já fizemos algumas vezes, o pior gostei muito dela, por um tempo achei que ela sentia algo há mais por mim, mas acho que me equivoquei com essa situação, não sei o que pensar ou o que fazer, mantemos contato sempre, ela quer manter amizade, ai pergunto será que há possibilidades de termos uma recaída mesmo quando decidimos que não irá acontecer mais nada. Afinal uma vida de sexo aberto com outros casais, eu seria só mais uma diversão passageira e nada mais? Ela nunca havia se interessado por mulher e deixou eu fazer coisas que com outras nunca rolou. O que faço gente pra segurar essa onda gigante sobre mim, tento ser só amiga mesmo???? tenho muitas duvidas ainda…..me ajudem se alguém passou por isso por favor………

    1. Em geral, quem faz swing procura exatamente isso – diversão, não envolvimento mais forte. Mesmo sem conhecer as circunstâncias, aposto que você realmente interpretou mal a situação, sim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *