21 de julho de 2024

140 thoughts on “Você tem medo de alguém descobrir que você é bissexual?

  1. E onde não houver uma porta aberta, quem sabe uma janela… tenho receio em postar comentários !!! Adoro o blog e a mais de 1 ano acompanho mas, vai que alguém conhecido veja meu comentário… ou fique algum tipo de histórico no meu celular e meu marido veja… ficaria muito envergonhada! Sei que não deveria me sentir assim…mas fazer o que…

    1. Sam, tudo bem?
      Imagino como você se sente. Essa sensação de ficar envergonhada é muito ruim e, apenas quando aceitamos melhor, é que essa sensação vai diminuindo. Fique à vontade sempre para compartilhar a sua história. Desabafar sempre faz bem. 🙂
      Abraços!

    2. Normal Sam! Eu também morro de medo do meu marido ver alguma coisa. Limpo o histórico a todo momento para não correr nenhum risco. Não se sinta culpada ou envergonhada. Acho que 90% faz a mesma coisa. Beijos.

    3. Oi tenho 15 anos e queria conversar com alguem sobre isso, pq é horrivel guardar para mim e nn queria me abrir aqui em publico se alguem puder deixar o email para mim conversAr… Obg

    4. Criei e-mail alternativo pra comentar aqui. Vai que meu namorado veja. Como faço pra deletar todo o histórico do celular? Se tiver que reseta-lo, ou até inutilizado, vai ser… mas deixa meu desejo aqui em silêncio comigo… ps. Altas doses de ironia comigo mesma.

  2. Eu já vi em alguns lugares mulheres dizerem que preferem ser infelizes ao invés de se assumirem que são bissexuais ou lésbica. Eu mesma já pensei assim, mas aí que eu penso só temos uma chance nessa vida, vamos viver uma vez só e eu não quero ser infeliz. Eu olho para os lados e vejo tanta coisa errada, assaltos, assassinatos, tanta violência no nosso meio e as pessoas se preocupam em quem fulano ama. Se todo mundo escolhesse o amor ao invés do ódio, com certeza esse País ou mundo seria melhor. Conheço adolescentes que são reprimidas pelo o que sentem. Só acho que os país poderiam ouvir mais seis filhos e não para julga-los, mas para oferecer o colo, o abraço quando estivéssemos com medo. Medo da rejeição, medo de nos mesmos. Porque não é fácil se assumir. Tudo muda ao seu redor, os olhares das pessoas. Tudo. Mas pra mim vale sim muito mais a pena decidir ser feliz, do que viver uma vida sendo infeliz. Eu respeito a todos, e só quero respeito também. Graças a Deus que meus país me aceitam. Mas sei que não foi fácil pra eles. Pra mim também não foi. Demorei muito pra entender certas coisas. 😉

    1. Nice, que comentário pertinente! Concordo totalmente com você. Vale muito mais, mesmo diante de tanto preconceito, decidir ser feliz do que viver uma vida de aparências e ser infeliz. O preço para agradar os outros é sempre muito alto.
      Beijos e obrigada pelo comentário.

    2. Estou passando por isso no momento sou noiva e moro com meu noivo porém passei quase 10 anos da minha vida apaixonada por uma amiga (me apaixonei antes de conhecer meu noivo) ela sempre foi “hetero” então foi uma paixão platônica, porém finalmente ao me aceitar como bissexual contei pra ela que era bi, ela é casada, então não confessei minha paixão por ela, mas ela foi cada vez se aproximando mais de mim, ficamos muito mais amigas e acabou rolando. Eu que já era apaixonada fiquei mais ainda. E decidi que largaria tudo se ela quisesse, ficamos quase 6 meses nesse romance escondido. Ela diz que me ama demais mas que jamais assumiria um relacionamento homossexual, que tem vergonha/medo, que a família dela nunca aceitaria. Enfim, terminei tudo com ela pq nesse meio tempo acabei perdendo totalmente o desejo pelo meu noivo e como não tinha futuro com ela estava magoando ele por nada. Ela não aceitou, chorou muito, me provocou até que não aguentei e voltamos. Porém pouco tempo depois em uma das nossas brigas por ciúmes (ela é muito ciumenta) ela terminou td comigo pelo telefone ainda por cima. Disse que o casamento dela estava uma droga, que o marido dela não merecia isso, que eles não tinham mais vida sexual etc. Senti um ódio mortal, discutimos feio e jurei pra mim mesma que nunca mais olharia na cara dela. Mas passei a pior semana da minha vida, só fiz chorar, amo tanto essa mulher que parece que esse amor não é dessa vida. Esperei quase 10 anos por ela e meu amor só fez aumentar. Após esse término pelo telefone ela me ligou, conversamos, e ficamos juntas mais uma vez, ela disse que quer que voltemos a ser somente amigas, implororou pra que eu não me afastasse nem sumisse. Estou muito triste, tenho vontade de não existir mais. O pior é que ela chora diz que me ama, mas não dá pra acreditar que seja verdade pq se ela me amasse mesmo ficaria comigo independente de família, preconceito etc. Enfim foi só um desabafo, não vejo solução pra esse problema. Só espero um dia poder esquecê-la e que ela nunca passe por essa dor q eu estou passando…

      1. Olá, sou casada a 5 anos não tenho filhos, nunca me interessei por mulheres. Mais de um tempo pra ca estou me sentindo confusa. Tudo começou no ano passado, qndo uma amiga do trabalho q tbm gosta de homens, e por sinal namora um cara de lá do trabalho, vem me deixando confusa rsrs em uma de nossas conversas ela disse q tem curiosidade de beijar uma mulher, e por sinal qr fazer isso comigo, fiquei sem saber oq fazer rsrs corei.. Eu disse q não sabia como agir, q tenho medo, mais sinto curiosidade, ela me tenta todos os dias. Já tentou várias vezes me beijar, me abraça,qndo me toca sinto arrepios , não sei oq é isso. Tenho vontade, de beija lá mais não tenho coragem, o q eu faço? Ela sempre me olha nos olhos e sente desejo, olha minha boca com vontade de me beijar, fico sem jeito, mais gosto. Tenho vontade mais tenho medo de gostar e depois não saber oq fazer. Tem outra cliente q toda vez q vai no mercado ela me olha nos olhos,com um desejo, ela tbm é mulher tem filho, aos acho q ela gosta de mulher tbm, pois toda vez q se despede de mim ela da uma piscada e um sorriso, fico sem jeito encabulada, mais gosto. Essa minha amiga sempre vê e fica doida de ciúme, e ainda fala q qm vai beijar minha boca é ela. Todos os dias ela tenta mais eu mudo de assunto, apesar de querer, só não consigo.não entendo a situação, gostamos de nossos homens mais qndo estamos perto uma da outra sentimos esse desejo. Se alguém puder me ajudar a entender tudo isso eu agradeço. Obrigada. Qria conversar com mulheres já resolvidas com sua sexualidade pra saber oq estou sentindo, se alguém tiver interesse deixa o emal q entrarem em contato. Bjs

        1. Curiosidade não tira pedaço carol

          Não quer dizer que vc vai beija-la que vc vai gostar, vc e ela também podem detestar a experiencia.

          No seu lugar eu tentaria sabe porque?

          1° porque a vida é unica
          2° é apenas uma experiencia
          3° como é sua primeira vez e a dela pode ser ainda mais facil.

          1. Obrigada Fernanda pelo conselho, a vida é curta e temos que aproveitar ela ao máximo, é como vc disse é uma experiência, posso detestar, mais sinto q vou gostar, pois se já tenho vontade é pq deve ser muito bom rsrs. O que sinto é td muito confuso ainda, mais essa vontade de sentir isso com uma mulher ta me deixando louca, vou provar desse veneno que parece ser muito bom rsrs. E seja o q tiver q ser 🙂 voltarei aqui para contar bjs

          2. Consegui… Ufaaa parece q tirei um peso das minhas costas, hj nós nos beijamos, aconteceu naturalmente, e a minha resposta… rsrs foi td de bom, uma sensação maravilhosa, mistura de sentimentos, medo,vontade,desejo… Resumidamente foi demais. Provarei muitas e muitas vezes, meninas e meninos… aproveitem as oportunidades q a vida nos da, viver intensamente cada segundo, pra não nos arrependermos depois.. Afinal não estamos fazendo mal a ninguém. Façam valer a pena cada segundo… Bjs 🙂

  3. Boa Tarde!
    Tenho 27 anos, casada, filho. Nossa, vivo exatamente esse “dilema”. Tudo começou com uma amiga uns anos atrás, e desde então, cada dia mais e mais me vejo atraída por mulheres. Uma situação que pra mim não está sendo nada fácil, por n’s motivos. Aos poucos estou me abrindo, cheguei a contar para os meus pais. Mas, não me apoiam. Meu marido desconfia, mas nada certo. Cheguei a me envolver com uma mulher também casada. Sinceramente, sei qual caminho seguir, mas o medo, insegurança, falta de apoio me faz pensar, pensar, pensar e nunca tomar uma decisão. Não sou feliz, preciso muito de ajuda.

    1. Girl, boa tarde, tudo bem?
      Você ainda ama o seu marido? Já pensou em se separar dele? Conte mais sobre os seus medos e inseguranças, se quiser.
      Abraços!

  4. tenho 30 anos e tenho filho, sou bissexual e tenho um temor muito grande de pessoas próximas ficarem sabendo, principalmente esposa e filho, adoraria que minha esposa fosse bi tb, ficaria muito mais fácil de tentar explicar, acho o bi feminino complicado, mas ligeiramente mais fácil de lidar que o masculino, pois vivemos em uma sociedade de mentalidade machista, até mesmo as mulheres, isso é claro uma opinião minha, ha quem não concorde, mas eu prefiro ficar no silencio do bissexualismo, que correr o risco de alguém ficar sabendo, principalmente amigos do filho, pois o preconceito, ainda está latente quanto a vários assuntos, e sexualidade é um deles, abraços a todos, adoro o site…

    1. Oi, Luciano, tudo bem? Antes de se casar com sua esposa, você se relacionou com homens ou sempre foi apenas um desejo?
      Entendo o fato de você ter esse grande temor. Mesmo sendo fiel à sua esposa, talvez seria difícil para ela entender que você também tem atração por homens. Infelizmente, muitas mulheres ainda se sentem inseguras em relação a isso.

  5. Sim tenho medo! Já comentei em outro post, eu namoro a 5 anos uma mulher, e felizmente ela sabe, descobriu após um “sexo” diferente se é que me entendem, o papo foi se extendendo e acabei falando, e ela apenas disse: “Não me importa o que você gosta, apenas aumenta a concorrência, mas enquanto você tiver tesão em mim, está tudo ótimo”. 🙂
    Claro que tem algumas pessoas que sabem sobre mim, que contei, e o meu medo é que elas espalharam, elas são lésbicas, mas vai saber…Meu medo é realmente cair na boca de amigos ou família.
    Esse negócio de internet é complicado, uma vez dei cara a tapa, para realmente testar se eu gostava de h(época de dúvidas), e um cara disse que conhecia uma pessoa no meu bairro(eram amigos), que me conhecia. Falei, pronto, a casa caiu. Bloquiei na hora hehe. E desde então eu desisti, pensei comigo, já que gosto das duas coisas, vou pro caminho mais fácil, que é ficar com mulheres, já que gosto muito também.
    Deixo os homens para imaginação, e fantasias se é que me entendem… rs

    1. Oi, Henrique, tudo bem? Fico feliz que a sua namorada aceite a sua bissexualidade. Deve ser um alívio, não? Sobre ter medo de alguém descobrir, comigo aconteceu algo parecido. Quando conheci minha esposa, coincidentemente uma de suas grandes amigas trabalhava no mesmo lugar que eu. Na época, entrei em desespero, com medo de ser “descoberta”. Mas depois passou. A amiga dela ficou sabendo e sempre me respeitou e se tornou uma grande amiga também. Não sei se isso poderia ter acontecido com você também, mas entendo perfeitamente o seu receio. As pessoas ainda são muito ignorantes sobre o assunto.

      No entanto, ainda acho que nós não devemos nos envergonhar. É um processo lento e difícil, eu sei, mas à medida que vamos conseguindo nos libertar dos nossos próprios preconceitos, tudo parece ficar mais fácil – mesmo sabendo que outras pessoas podem nos rejeitar.

      1. Muito obrigado pelo retorno. Eu nem sei se seria vergonha, ou medo de rejeição, eu realmente não entendo a necessidade das pessoas se preocuparem com a vida alheia.

        Enfim, obrigado por compartilha a sua experiência.

    2. Oi Henrique. Eu acho que aceitaria também. Ficaria chocada, não vou ser hipócrita, mais o amo tanto que aceitaria. É meio louco o q vou dizer: se fosse outra mulher eu não perdoaria. Talvez pelo fato de eu ser bissexual eu sei q um homem não concorre comigo, são coisas diferentes, necessidades diferentes. Não é fácil compreender, eu sei…mais eu sinto dessa forma. Entendo bem a sua namorada.

      1. Te compreendo, somos criados numa sociedade católica(machista) como diz minha namorada. Não criticando quem é religioso, mas é a cultura intrínseca do país, por isso acredito que exista este choque.
        Mas é bom saber como as pessoas pensam, principalmente as mulheres.

  6. i, tudo bem? Bom tem uma menina que eu encontro todo dia no ponto de ônibus quando vou e volto do trabalho, bem primeiramente eu achava que a conhecia pelo fato dela ficar me olhando só que não conseguia lembrar se a conhecia, só que tenho certeza que não a conheço. Mas queria saber se a pessoa olha muito para você ou de vez quando senta do seu lado ou se nega a sentar do seu lado do nada. É algum tipo de atração?

    1. Oi, Luh, tudo bem e você? Difícil saber, hein. Por que você não tenta conversar com ela e desenvolver uma amizade? Se ela sentir mesmo atração por você, as coisas podem acontecer naturalmente. Pergunte a hora, fale do clima ou até do trajeto, enfim, coloque qualquer assunto em pauta. Boa sorte! 🙂

    2. É estranho mesmo, mais a Amanda tem razão. Tem que puxar um assunto, qualquer coisa! Sei lá, tipo “tá calor hoje né”…se tiver afim vai te dar alguma entrada…é só relaxar.

  7. Bom dia!!
    Então, não o amo mais. Pode até ser “burrice” digamos. Mas, a falta de estrutura (Financeira, psicológica..etc), ainda, me faz levar esse casamento adiante. Tem o meu filho também, penso muito nele. Além da família ser muito tradicional, Preconceituosa. Certeza q serei tratada com indiferença caso, expusesse minha orientação perante a sociedade. Nossa, vivo uma sensação de impotência. Vontade imensa de gritar, de simplesmente ser feliz. Sei, que tenho que olhar para mim, para minha felicidade. Mas o medo ainda me consome.

  8. Ola Amanda! Olá amig@s do blog!

    Muito pertinente esse seu texto Amanda! Realmente é um medo que todos nós bissexuais, homossexuais…passamos. Infelizmente, foram séculos, séculos e mais séculos, de cultura homofóbica. Começando principalmente pelas religiões que tem o livro denominado bíblia, como algo sagrado, de verdades incontestáveis. Com isso, os preconceitos e discriminação foram atravessando gerações após gerações e cristalizando-se. E a homofobia então, cada vez mais resistente. E nós, Amanda e demais amig@s, fomos criando ao longo de nossas vidas, falsos personagens, que muitas vezes são o oposto de quem somos, só para “agradarmos” e sermos “aceitos”, em uma sociedade cada vez mais hipócrita e sem fundamento ético e moral, como a nossa. Várias vezes tomei até mesmo atitudes homofóbicas, para, ou tentar me autoafirmar como sendo algo que não sou, tentando me esconder de mim mesmo, ou para não dar a desconfiar para a maioria, para causar uma boa impressão ao grupo. Porém, tal modo de agir, acaba por ferir a nós mesmos, nos causando mágoas e angústias. Não sabemos por quanto tempo conseguiremos continuar atuando, a não sermos nós mesmos, a nos pintarmos com outras cores. É estranho, sermos fugitivos de nossa própria natureza. Escondermos nosso verdadeiro lado de quem muitas vezes amamos e também diz nos amar, mas que porém, não sabemos ou até sabemos muito bem, sua reação frente ao “novo”, que podemos mostrar a tais pessoas. Como seria bom viver em uma sociedade realmente igualitária quanto a diversidade de sentimentos que nos perpassam.

    Beijos e abraços amig@s!!!

    1. Obrigada, Eduardo! 🙂 É verdade, esse medo ainda nos consome e é desgastante. Torço também para que em breve a diversidade seja mais respeitada. Enquanto isso, acho que devemos fazer também a nossa parte: nos aceitarmos.

      Beijos !

  9. Oi Amanda,

    É sempre muito bom ler o que você escreve. Além de um discurso impecável, você é sempre pertinente nas suas colocações.

    Amanda, eu demorei uma vida para me aceitar. Hoje assumo isso para mim. Mas jamais assumirei para os outros. Porque conheço o chão onde piso. Sei de todos os problemas que poderei enfrentar caso souberem. Digo isso em relação a todos, família, amigos, ambiente de trabalho etc.

    Acredite, não é covardia da minha parte. É apenas precaução. Penso que quanto mais demoramos para nos aceitar, mais difícil se torna. Ao meu ver isso acontece porque trilhamos nossos caminhos baseados no que acreditamos. Nesse contexto, se não assumimos a nossa condição, seja ela qual for, e acreditamos que com o passar do tempo essa nossa condição vai mudar, mergulhamos num mundo ilusão. Porque não muda. Mas o tempo passa. Com ele passam as oportunidades também. Tomamos rumos alheios às nossas reais necessidades. E depois para desconstruir tudo isso e tentar recomeçar… amiga, não é nada fácil. É como reformar um edifício antigo, impregnado das marcas do tempo. Quebra aqui, desmorona ali. Nesse aspecto, o cuidado deve ser minucioso, e o trabalho muito mais árduo.

    Na vida também é assim. Quanto mais o tempo passa mais difícil se torna uma “reforma”. Pois qualquer mudança nos nossos alicerces pode abalar todas as nossas estruturas, tanto internas quanto externas.

    Por isso, Amanda, valorizo o que você faz aqui. Acredito que muitos jovens poderão trilhar caminhos melhores em suas vidas baseados no que verdadeiramente são e não conforme a imposição do que a sociedade em geral exige para sua vida.

    Beijos Amanda!!!

    1. Nossa, Mary, que depoimento lindo. Fiquei emocionada aqui.
      Eu acredito que não é mesmo covardia da sua parte. Sei o quanto é difícil fazer uma revelação como essa, ainda mais quando muitos à sua volta não irão entender.

      É verdade o que você diz sobre mergulhar em um mundo de ilusão. É o que muita gente anda fazendo. Vive para os outros, de aparências, apenas para agradar, mas por dentro sofre, sofre muito. Fico muito triste quando vejo histórias assim.

      Quando você assumiu para você mesma? Quer contar um pouco como foi? E não há ninguém por perto para desabafar, nenhum amigo que pudesse compreender a sua sexualidade?

      Abraços e até mais!

      1. Amanda,
        Eu sempre fui muito “correta”, sempre influenciada pelas convenções e imposições sociais e culturais. E por isso mesmo me recriminava pelo fato de gostar de mulher. Agora, imagina. Lutar contra nosso próprio eu… queria me libertar e ao mesmo tempo me aprisionava. O tempo passou, amadureci e percebi que quanto mais eu lutava contra, mais crescia o meu anseio de liberdade. Estranho, mas eu transitavam de um extremo ao outro. Foi quando decidi me informar sobre o assunto e na minha primeira pesquisa caí aqui.

        Não podia ser melhor Amanda! Confesso que este blog foi a chave de tudo. Aqui a minha ficha caiu. Descobri que eu não estava sozinha no mundo. Que eu não era a única a me sentir assim. E o melhor de tudo, conheci algumas pessoas que para mim são como anjos. Não exagero, sou sincera.

        A partir daí comecei a trocar ideias com essas pessoas. Nos tornamos amigas. Confidentes. Elas me ajudaram e ainda ajudam muito. Inclusive você. Isso atenua as nossas inseguranças, nossos medos e angústias. Ter com quem conversar abertamente nos conforta. Ainda que estejamos distantes fisicamente.

        No meu círculo de amizades não contei a ninguém. Sou muito observadora. Já presenciei várias situações onde as pessoas expressam seu preconceito em relação a esse assunto. Já pensei em contar a amigas mais próximas, mas desencorajei-me devido a isso. A reação das pessoas quando ouvem as palavras “lésbica”, “gay”, “bissexual” e outras de mesma conotação é muito negativa. Eu já ouvi afirmações do tipo “eu não tenho nada contra, mas abomino”, ou “eu não consigo entender, pra mim isso é sem-vergonhice”, ou ainda “prefiro nem tocar nesse assunto, vamos falar de coisas mais interessantes”.

        Amanda, eu gosto muito de abraçar as pessoas, demonstrar o carinho que sinto por elas. Gosto de fazer rir, de brincar, de tocar as pessoas. Temo que se souberem quem sou de fato comecem a me evitar. Eu não suportaria isso. Conheço uma lésbica que sofre no ambiente de trabalho porque as pessoas a evitam de todas as formas. O preconceito está em todos os lugares, até mesmo nos ambientes onde a diversidade deveria ser tratada com naturalidade.

        Beijokas!

        1. Oi MaryMT, li os seus depoimentos me senti um pouco representada na suas palavras, só a alguns meses resolvi me informar sobre o assunto, e tentar me entender e me aceitar, pelo jeito a parte mais difícil é nos aceitarmos, nunca consegui dizer a ninguém que sinto atração por mulheres, e pelo jeito não eu sozinha, até me surpreendi com tantos depoimentos parecidos, é uma pena que ainda não tenhamos conseguido nos libertar do preconceitos.

  10. Sem dúvidas esse é o melhor blog sobre bissexualidade do Brasil!
    Eu vivo em uma situação complicada, eu moro em uma cidade “pequena” e super preconceituosa. Foi difícil aceitar pra mim mesma a minha sexualidade. Hoje eu tenho total ciência da minha sexualidade (sou bi), mas pelas circunstâncias e por medo tbm, nao pretendo revelar minha bissexualidade!
    Esse medo da rejeição é algo muito ruim! Confesso que ja fiz alguns comentários homofóbicos perante meus amigos justamente pra poder me “afirmar” diante de uma situação em que me deparava com lésbicas. Sem falar nas oportunidades que perdi por não assumir minha verdadeira orientação… Mas enfim, sou jovem ainda, tenho 20 anos e depois de terminar a faculdade pretendo ir morar em outra cidade e me livrar dessa vida falsa. Vamos nos permitir 🙂

    1. Laís, obrigada pela preferência, rs! 🙂
      Poxa, sinto muito por você ter de esconder a sua sexualidade. Imagino que em cidade pequena o preconceito deve ser ainda maior. Recebo muitas mensagens de várias pessoas com essa mesma reclamação.
      Há muita gente fazendo comentário homofóbico apenas para garantir aceitação. O medo é tão grande de alguém descobrir que muitas vezes a opção é fingir concordar com comentários absurdos e maldosos.

      É uma situação bem difícil, né? O que podemos tentar fazer é não participar desse tipo de piada ou comentário e adotar posturas firmes ao defender a diversidade. Quando comecei a fazer isso em alguns lugares, fui criticada. “É só brincadeira, Amanda. Para de ser chata”. Quando descobriram que eu era casada com uma mulher e eu comecei a falar isso abertamente, sem nenhuma vergonha, a postura mudou. Não ouvi mais piadinhas idiotas. Foi um grande alívio.

      É claro que nem todo mundo irá mudar a postura. Muitos não irão respeitar. Como muitos também não respeitam negros, mulheres, gordos… Haverá sempre alguém apontando o dedo pra você. Só precisamos ser mais seguros para aprender a lidar com as críticas.

      Espero que você ainda seja muito feliz, Laís!
      Grande abraço!

    2. Laís seja feliz, só não espere mais 20 anos de sua vida para alcançar a felicidade, me identifiquei com sua historia tinha as mesmas atitudes na sua idade, hoje com 40 anos vejo que perdi muitas oportunidades de ser feliz. Mas concordo com vc termine sua faculdade e vá crescer em sua profissão e nunca deixe de ser feliz de amar que e um dos sentimentos mais sublimes de se ter e sentir.Abraço!

  11. Eu só depois dos 40 que acordei para vida, vivia me escondendo e com medo que descobrissem minha bissexualidade, revi certas situações e percebi que poderia ter sido muito feliz, porém o medo não me deixou enxergar o quanto era paquerada. Hoje penso totalmente diferente, vou ser feliz uma hora aparece aquela que irá fazer meu coração explodir de amor e será reciproco, porque vale muito a pena amar e ser feliz.

  12. Amanda eu meio que já estive fora do armário em alguns ambientes e com essa experiência o que eu percebi foi que a identidade bissexual é tão frágil quanto um castelo de areia, no meu antigo trabalho várias pessoas sabiam e eu não cheguei a sofrer hostilidade mas a forma como as pessoas passavam a me tratar depois que descobriam não era muito legal principalmente os homens ficavam mais frios e distantes, mas o que me incomodava mesmo é quando se assume a bissexualidade cada pessoa te vê de uma maneira diferente alguns te veem como gay que não assume outros te veem como safado, mas dificilmente aceitam que você sente atração por AMBOS os sexos, depois que sai desse emprego não quis mais me expor as pessoas não entendem, alguns amigos íntimos e até alguns vizinhos sabem, mas não falo se não perguntarem e nem pretendo levantar bandeira

  13. Sim, morro de medo. Só minha terapeuta sabe que gosto de sexo com homens. Emocionalmente, só consigo me relacionar com mulheres, mas tem sido cada vez mais difícil fazer sexo com elas. Parece que a cabeça quer uma coisa (relacionamento heterossexual) e o corpo pede outra (sexo com homens). Sim, porque com homens só faço sexo casual. Nada muito frequente, mas quando acontece invento nomes, não dou nem peço telefones. Sexo seguro é claro, mas anônimo. Nem sempre é bom, mas quando dá certo é maravilhoso. Só que pára por aí.

    Já com mulheres me apaixono romanticamente. Fico tão envolvido e mobilizado que tenho absoluta certeza que trocaria qualquer experiência homossexual para ficar com a mulher que eu esteja apaixonado. Só que sempre acontece alguma coisa que faz o relacionamento desandar. Com minha última paixão broxei. O corpo não foi junto com a cabeça. Ela terminou. Disse que eu estava me boicotando. Será?

    Já passei da fase da negação. Não nego mais o que sinto, mas não aceito! Sei o que meu corpo prefere, mas não aceito! Então fico tentando, tentando, tentando. O que tem me apavorado ultimamente é a dificuldade do corpo responder ao sexo com mulheres. Parece que chega uma hora o corpo diz: “basta! eu não quero mais! se vira e dá outro jeito!”.

    Que jeito? Tenho 50 anos e me masturbo para não dar aquela vontade irresistível de sair de casa e arrumar um pau duro por aí.

    1. Cara, eu tenho muitas coisas em comum com voce…Com h eu sinto muita atraçao, porem o sexo nao me é prazeroso; com M eu me envolvo emocionalmente, ainda nao tive experiencias sexuais com mulher, mas tenho muita vontade. O medo de nao ofertar um bom sexo para M por conta de sentir atraçao por H,acaba me reprimindo….

  14. oii bom dia sou nova aqui
    sempre leio tudo aqui
    bom sou casada a 5 anos ja falei pro meu marido que gosto de mulheres ele nao brigou comigo so disse pra mim nao trocar ele por uma,nunca fiquei com uma so beijos mais a verdade e que sento um tesao por mulher bom beijos a todas.

  15. Ola gente. As vezes me pergunto quem soy de verdade. E estranho. Pq s vezes acho que gosto de homens e outras vezes de mulheres. So tuve relacionamento com homem.. Tengo 2 filho e 26 anos. Fico sem me entender o que sinto de verdade. #(

  16. Nossa Wallace…que História bem parecida com a minha!!!
    Também sou um homem de meia idade assim como você. Já passei dos 40.
    Temos sentimentos bem parecidos meu amigo. No início, quando veio à tona esse meu outro lado, sofri muito, me desesperei, passaram até pensamentos suicidas em minha mente, ou seja, me gerou um pânico enorme e a impressão que tive era a de que o chão havia desaparecido debaixo dos meus pés, que meu mundo havia acabado. Mas nossa própria psique é incrível, e minha mente, aos poucos, foi me confortando e fazendo com que eu aceitasse e até mesmo sentisse orgulho de ser bissexual.
    Infelizmente, os pré conceitos e a discriminação que perpassam massivamente os ambientes sociais os mais variados, como o de nossa própria família, que é nosso primeiro ambiente, nos gera esses sentimentos, de culpa, nojo de nós mesmos por termos esses sentimentos, sentimentos de sujeira, de “pecado”, de sermos vistos com escárnio e tratados como “ridículos”, pelos diversos grupos. Isso nos gera um sofrimento tremendo Wallace.
    Eu também uso como válvula de escape a masturbação meu amigo. Através de filmes eróticos/pornôs de bissexuais, gays e também transexuais, consigo viver, mesmo de forma solitária, minhas fantasias homoeróticas. Consigo dar vazão a esse meu outro lado. É covardia? Pode até ser que seja, em não querer me assumir de uma vez (para os outros, porque para mim mesmo já sou), e viver ao vivo e a cores (as do arco-íris de preferência rsrsrs…), minha bissexualidade. Sem medo, sem sentimentos de culpa, sem mágoa alguma.
    Vamos ver como fica a coisa em um futuro bem próximo!
    Valeu irmão!!!

    Abraços a tod@s!!!

    1. Oi Eduardo, difícil entender esse conflito, que dirá resolvê-lo! Mas fico feliz que você esteja otimista!
      Aceitar-se como se é. Este é o primeiro passo.
      AbraçO!

  17. Mais uma coisa que me esqueci. Gostaria que fizesse parte, se já não fez, de mais um dos textos escritos pela Amanda, e que se possível tivesse a interpelação por parte de um psicólogo ou sexólogo, que é sobre a SAÚDE MENTAL DE LGBT’s, RELACIONADO À AUTO REPRESSÃO DE SUA ORIENTAÇÃO SEXUAL.
    Eu inclusive tive até mesmo síndrome do pânico por causa disso! É sério mesmo pessoal!

    Beijos e abraços a tod@s!!!

    1. Oi, Eduardo, tudo bem? Vou tentar conversar com um especialista sobre o assunto sim e faço algo aqui para o blog.
      Abraços e obrigada pela sugestão! 🙂

  18. oi eu tenho 17 anos e vivo com esse medo eu me sinto super confusa nao sei oque fazer ja pensei em falar pro meus pais mas nao consigo,na verdade eu nunca fiquei com nem uma mulher mais eu sempre me senti atraída por mulheres,mais nunca tive coragem de ficar com uma sempre me fechei para esses assuntos,tenho medo de falar e nao ser aceita,me sinto confusa,as vezes fico ate com raiva de mim mesmo por nao me aceitar como eu sou mais realmente eu nao sei oque fazer. Por favor me ajudem eu nao sei mais oque fazer

    1. Eu passo por isto tb é dificil eu não sei como posso te ajudar, sofro com isto todos os dias por causa da família que tenho.. Mas uma coisa que aprendi não tenha raiva de si mesmo por ser diferente e sim tenha orgulho de si por mais dificil que seja .. eu tenho 16 poucas coisas aprendi mas ser feliz como eu sou é importante mesmo que não me assumo do modo que sou um dia ira acontecer encontrara alguem que lhe apoie e lhe ajude e principalmente te respeite por vse ser quem vse é …

  19. Minha história é parecida com as do Wallace e Eduardo. Tenho 54 anos, há uns quinze anos comecei a me relacionar com homens, eu ainda era casado, estou separado há dois anos. Ano passado contei para meu irmão e minha cunhada que era bi, acharam ótimo, minha cunhada ficou contente e disse que percebia em mim certa tensão neste assunto, e lamentava que não pudesse viver este lado da minha vida. Hoje talvez me considere mais gay que bi, tive poucos relacionamentos com mulher, muitos com homens. Gosto de pornografia na internet, e sempre pornografia gay.
    Me imagino ainda com um relacionamento afetivo com mulheres, talvez uma namorada, mas nego totalmente a possibilidade de namorar um homem.
    Sexo com homens é totalmente casual, anônimo, gosto de ir em saunas, e me relacionar preferencialmente com homens casados bissexuais, vai entender… Prefiro não saber o nome, não dou nem peço telefone.
    Já pintou a possibilidade de relacionamento com homem, caras legais, mas fujo disto. Meu terapeuta me incentiva a encarar uma relação homo com afeto, ter um namorado, mas não sei se quero, ou talvez, não sei se consigo. Também jamais assumiria isto frente a meus filhos. Não acredito em amor romântico entre homens, ficar abraçado no sofá vendo TV e bebendo um vinho.
    Por enquanto vou levando a vida

    1. Marcos, tudo bem? Acho que o seu terapeuta pode estar certo. Acredito que você ainda tem essa questão a ser resolvida. Aparentemente, você sente preconceito e vergonha por ser bissexual. Sim, existe amor entre homens e ele pode ser muito bonito. Mas enquanto você tiver essa trava, realmente nunca conseguirá experimentar essa sensação. Mas você já venceu um passo, que é o de conseguir se aceitar como bissexual e se relacionar com homens.

      Conte mais sobre essa possibilidade que surgiu de relacionamento afetivo com um homem. Como aconteceu e como você fugiu disso?

      1. Amanda, obrigado pelo pronto e rápido comentários. Realmente ainda tenho um caminho a trilhar. Ontem comecei a ler “A Casa dos Budas Ditosos” e já estou terminando, devorei o livro e recomendo a todo mundo. A parte em que ela escreve sobre bissexualidade é maravilhosa, eu gargalhava sozinho e me identificava com tudo. Recomendo o livro a todos!
        Acertaste na mosca em teus comentários, inda tenho que evoluir e aceitar a possibilidade de um relacionamento afetivo com homens.
        Quanto ás eventuais possibilidades de relacionamentos, e dos quais escapei, foram várias. Relato duas mais significativas.
        A primeira foi um cara da minha idade, gay, eu ainda era casado, ia todo sábado á tarde no apartamento dele, transas fantásticas, boa pegada, beijos enlouquecedores, grandes papos. Continuamos assim depois da minha separação, ele me chamava para conversar pelo face, pelo whats, estas coisas. às vezes eu cedia e caía no apartamento dele, a cabeça de baixo falando mais que a de cima. Ou pelo contrário, né?
        Uma vez numa sábado à noite, tarde já, conversamos pelo computador e acabei no apartamento dele. Dormi lá, acordei cedo no domingo, uma sensação horrível de estar dormindo com um cara. O cutuquei e disse que ia embora. Era eu domingo cedíssimo na rua pegando um táxi par volta para casa. Desde então ele me procura ás vezes, certamente cansou de mim, de minha indecisão.
        Outro caso foi há pouco tempo. Conheci um cara numa sauna, ele logo super encantado comigo. Rolou uma química super legal, ótima pegada. Ele foi casado, como eu, tem filhos, separado atualmente. Na saída, ele estava sem carro, o levei em casa, dei meu telefone, coisa que nunca faço, ele me convidou para caminhar um pouco, pois mora ao lado de um parque. Claro que neguei o convite. no fim de semana seguinte nova sauna, levei ele de novo em casa, queria ir para um bar comigo, claro que neguei de novo. Há duas semanas ele não me procura, eu claro que também não o procuro. Uma pena, né? No último fim de semana fui de novo na mesma sauna, na esperança de encontrá-lo, ele não foi. mas sei lá, acho que vou continuar fugindo disto.
        Como disse, prefiro o sexo anônimo. Na última sauna, tive umas pegadas com um cara, queria meu telefone, etc. não dei, né.
        Amanhã tenho terapia, claro que este assunto vem sempre à tona, vou comentar sobre o blogsoubi.
        Adoro este blog!!!
        Beijo!

        1. Interessante, Marcos. Acho que, no fundo, você já sabe da sua trava. Só falta ter coragem mesmo. Acho que logo você vai voltar aqui pra contar que acabou cedendo, se apaixonou e está namorando um homem. Vai ver você ainda não se apaixonou de verdade por nenhum dele, porque quando isso acontece, acho que vai ser difícil segurar…!
          Depois conte como foi na terapia. 🙂
          Obrigada por compartilhar sua história, Marcos!

        2. Oi Marcos,
          Incrível como nossas histórias são parecidas! O sexo anônimo com homens supre a necessidade do corpo, mas acaba não sendo completo justamente pela falta de envolvimento emocional. E tem a solidão, né? Seja optando pela masturbação ou pelo sexo casual numa sauna gay, terminamos o dia melancolicamente sozinhos…
          abraço!

  20. Olá amig@s desse blog maravilhoso!!!

    Obrigado por também compartilhar suas Histórias e experiências amigo Marcos. Eu, infelizmente, ainda sequer tentei passar da primeira fase meu amigo. Ainda continuo fantasiando em minha mente o envolvimento com outro homem, de forma afetiva e sexual. Também passei a assistir pornografia gay, bissexual e transex pela internet, e me valer do sexo solitário (masturbação), como válvula de escape. A cada dia que passa, o desejo de fazer sexo e ser passivo com uma transex é cada vez maior. Talvez pela aparência feminina, eu me sinta mais à vontade em experimentar outro pênis (oral e passivo). Eu também me trato com um terapeuta para a depressão, e ainda não tive coragem de conversar com ele sobre isso.
    Então o livro “A Casa dos Budas Ditosos” fala de bissexualidade? Já leu Amanda? É significativa a parte que fala sobre a bissexualidade?

    Amanda, que tal amadurecer a ideia de lançar um livro, com base nas experiências pessoas de quem acessa e interage no blog?

    Beijos!!!

  21. Gostei deste post, super me identifiquei, tbm tenho medo, to começando agora a considerar minha bissexualidade, e ainda é meio confuso, na verdade não sei ainda, mesmo, sou mulher nunca pensei em me relacionar com mulheres, no sentido de namoro mesmo.. pq não sou homossexual, eu sempre quis encontrar um cara legal e ser feliz com ele, tipo pra minha vida é o que quero, mas ao mesmo tempo tenho vontade de ficar com uma garota, sei que não é só curiosidade, é tipo uma vontade mesmo. . Mas tenho vergonha de assumir isso a alguém, de conversar, e só de pensar em ir numa balada gay por exemplo, fico noiando que alguem conhecido vai ficar sabendo e falando, aí a família inteira vai saber.. aff.. é uma bad!

    1. Olá , respondendo o seu comentário no blogsoubi. Eu imagino como deve estar se sentindo porque eu tbm me sinto assim, tenho desejos e curiosidade em beijar menina apesar de já ter experimentado, as vezes da aquela vontade de repetir ou de ir em uma balada gls para saber como é. Sou timida, não sei se é o seu caso ,sou feminina e tbm tenho um certo receio de descobrirem não sei se é o seu caso tbm mas se quiser conversar e fazer amizade, vou deixar meu e-mail para contato .

  22. Sou lésbica, tomboy/machinho mesmo e tem um homem dando em cima de mim… só que o cara não é nojentão com papo de “vou te faze mulher” o cara é simples, e manja dos paranauê… o cara sabe conversar e larga umas na sutileza que to me sentindo A gostosa, sei lá se tô carente, mas o loco é fudido no papo… dá um up no meu ego o cara … meio afeminadinho e nota os detalhes da roupa, do cabelo, das minhas tatooo … e tá nessa comigo faz uns 20 dias já… NUNCA PASSEI POR ISSO, o loco não desiste, me deixa mais curiosa, se fudê… bah eu tô curiosa não vo nega… eu não tenho NADA de feminino e o cara chega no whats com uns papo que me deu tesão tem uma bunda gigante maior que de muita gostosa na night e usa uns jeans apertados meio puto… bah sei lá, já fiquei sabendo que o cara é submisso e tô na maldade… afim de fazer umas coisas com ele que não teria coragem de fazer com outra mulher… não sei se vô ou não…

    1. Meu nossa nossa, Maria!!! Vai!!!!!!!!! Vai! Vc tá morrrendo de tesao e curiosidade… se não deve nada a ninguém vá!!

      E no mais: se não for bom. Será só um sexo ruim. Quantos já tivemos em nossa vida?

  23. Começou na infância, sentia uma admiração diferente por algumas garotas, mas não sabia o que era. A única coisa que eu já sentia era que era errado. Na adolescência isso passou, eu me apaixonei por meninos, namorei com meninos e achei que tinha sido só uma fase confusa mesmo da infância. Já adulta, isso voltou. Terminei com meu ex, não sentia mais atração por ele, além de algumas decepções com o caráter dele. Nenhuma traição ou algo grave, mas várias coisas pequenas que se acumularam. Comecei a sair com uma amiga e logo percebi que era apaixonada por ela. Não falei nada, sempre respeitei muito ela, mas acho que ela percebeu, passou a me tratar com desprezo até que se afastou completamente. Foi muito traumático e estranho. Sempre que a gente saia juntas, ela só beijava algum cara depois que eu beijasse algum. Se eu não beijasse ninguém, ela não beijava ninguém, não importa o quão gato fosse o cara que desse em cima dela. Não sei se ela esperava alguma atitude de mim ou se era só algum tipo de lealdade. Meus pais já disseram que aceitariam e só sofreriam pela preocupação com o preconceito e a violência, mas quando apresentei esse ex para a família alguém disse “até que enfim, achei que ela nunca ia decidir se gosta de homem ou de mulher” porque passei por um longo período solteira antes de namorar com ele, mas tive algumas “paixonites” nesse período, sempre por homens também. O fato eh que esse comentário foi o bastante pra minha mãe me tratar com uma frieza glacial durante uns bons dias – levem em conta que eu estava namorando um homem. No fundo eu acho que eles sabem, talvez tenham até notado quando eu era criança ainda, mas não querem encorajar. Eu sinto uma angústia enorme com isso tudo. Me tira a vontade de continuar às vezes, como se essa característica minha anule qualquer coisa boa que eu possa fazer e eu não consigo ver beleza ou encontrar alegria plena em mais nada.

    1. “No fundo eu acho que eles sabem, talvez tenham até notado quando eu era criança ainda, mas não querem encorajar. Eu sinto uma angústia enorme com isso tudo. Me tira a vontade de continuar às vezes, como se essa característica minha anule qualquer coisa boa que eu possa fazer e eu não consigo ver beleza ou encontrar alegria plena em mais nada.”

      Me descreveu totalmente! Nunca dei problema aos meus pais, sempre fui exemplo de filha mas o fato de ser bissexual parece que anula totalmente minhas qualidades. É horrível. Os meus também não sabem mas, talvez, desconfiem, principalmente, da época que eu era criança e dava fortes evidências disso.

  24. -“Mulher”
    Posso te garantir que isso é fase! Já passei pela mesma cituacao, mas o mais importante é voce aceitar pra si mesma a sua real orientação. Deixo aqui um texto que me resume…

    “Não é nada, não se preocupe […]

    Disse ela, cansada de enganar a si mesmo, o som daquelas palavras saindo pela sua boca, irritava-a profundamente. Exausta de tantas coisas, de tantos problemas, tantos sonhos destruídos, felicidade roubada, amores que se foram, promessas falsas. Mas foi ela adiante, quase perdida em seu mundo recém criado, um lugar fora da órbita, por onde visitava sempre e pelas tarde de sábado era ali que ela gostava de passar o tempo, viajava, criava, imaginava; seu corpo estava presente jogada na cama, mas sua mente estava tão distante, tão longe. Era bobo dizer que a menina tinha seu próprio mundo, era cômico saber disso, mas era apenas isso que a aliviava. “

  25. hoje 06/09/2015 estou finalmente em paz pelo menos por enquanto, relato um acontecido do dia anterior, tenho relacionamento de um ano com um rapaz, como ele mora longe me envolvi com uma moça de tempos de escola. minha cabeça virou já tinha me envolvido anos atras com uma menina mas essa me mudou completamente. Bom ontem cheguei ate minha mãe e desabafei minha família é evangélica então ela me rejeitou agora ta tentando de tudo para me levar a igreja e diz que minha libertação sera a igreja, não sei como será daqui pra frente , mas tomei uma decisão e não vou mudar o que está feito ta feito já era. E disse mais se eu não aceitar a ajuda dela que eu esqueça q tenho mãe ela falou serio mesmo ? 🙂

  26. Boa noite. Parece sou uma das poucas que tem o privilégio de ser apoiada e incentivada pelo meu marido ao me declarar desejosa de viver uma relação com uma mulher e ainda assim mantem meu relacionamento om ele. Gostaria muito de conversar com quem se interessar no assunto. Temos muito em comum.

  27. O blog esta de parabéns.

    Assumir a bissexualidade não é algo fácil. Mas conhecer o que nos dá medo, torna o processo mais racional.

    Colocar nossos anseios no papel, pesquisar sobre o assunto, ajuda muito a fazer do grande problema, um pequeno problema. …

    O pesar é individual….mais conhecer o que pesa alivia a carga, e muita vezes faz dela nula…

  28. o que é assumir a “bissexualidade” ? tenho uma identidade de genero masculina. gosto de mulheres e gosto de homens. o que me excita, o que me dá tesão, precisa ser colocado na mesa do almoço?
    desde adolescente eu sempre soube que gostava de meninos e meninas, não da mesma forma, mas de forma muito equivalente.
    sempre só romantizei com mulheres. nunca me imaginei de mão dadas com um homem na rua, e não me imagino ainda, por quê?
    semana passada, pela primeira vez na vida, verbalizei, para o meu psicologo: “sou bissexual”.
    e ao relatar minhas experiencias, ao contrário do que acreditava (não sentir atração romantica por homens), percebi que fui sim apaixonado por um homem, e tambem me convenci do que já desconfiava, que ele tambem se sentia atraído por mim, mas não íamos adiante para não correr o risco de quebrar uma amizade bastante intensa. era amor, afinal.
    o jeito que achávamos de nos relacionar sexualmente, era dividirmos a mesma mulher na cama.
    hoje tenho uma namorada ha quase 4 anos. apesar de amá-la profundamente e também amar o que fazemos na cama, não consigo ser sexualmente fiel. pago por sexo, com mulheres e com homens. pago porque assim me sinto traindo menos, afinal, não cativei ninguém, não conquistei, não dediquei a ninguém o que dedico somente a ela: o meu afeto.
    devo confessar que nenhuma experiencia sexual é mais excitante do que aquela que envolve amor. e isto com um homem, eu nunca tive (diretamente).
    nao sei onde quis chegar com este texto, na verdade, só precisava falar de novo.
    fiquem em paz.

  29. Cora Coralina dizia: “Desistir… eu já pensei seriamente nisso, mas nunca me levei realmente a sério; é que tem mais chão nos meus olhos do que o cansaço nas minhas pernas, mais esperança nos meus passos, do que tristeza nos meus ombros, mais estrada no meu coração do que medo na minha cabeça.”

  30. Descobri o site por acaso e desde então, acompanho sempre que posso. Vejo vários relatos e me coloco em alguns. Sou casada, tenho um bebê de 2 anos, um marido que faz tudo por mim e pela minha família. Me sinto incompleta, sinto que falta algo em minha vida. Já fiquei com algumas garotas mas nada além de Beijos, sabe?! Quando fiquei com essas garotas, na hora era muito bom o momento, mas sempre no outro dia eu ia atrás dele, mas não me sentia culpada. Estou a 3 anos sem me relacionar com nenhuma mulher, e estou tipo, com saudades sabe? Não sei! Me sinto uma incógnita. :/

  31. Olá, sou homem, tenho 20 anos, sou bi e não assumido, gostaria de conversar com outro homem, sei que aqui não é adequado, mas queria falar com alguém que possa me entender e dividir opiniões, obrigado.

  32. Eu ainda não consegui me ver como realmente eu sou ,, por medo da familia dos amigos , eu penso como irão reagir?. Minha Família é daquelas antigas esta história de ser gay lésbica e até bi é horrível não presta etc etc,, minha prima sofre com isto pois se assumiu bi a minha tia não aceita mas respeita isto é essencial agr o restante falta amarra-lá numa cruz e apedrejar.. Eu não tenho esta coragem muito menos encontrei alguem que realmente me ajude a ter coragem de mostrar quem realmente sou pois não e fácil,, e tb sou nova apenas 16 anos ainda estou descobrindo o mundo as coisas mas quem sabe encontro alguem especial que me apoie etc etc. P.S gostei muito Parabéns por tratar deste assunto!!

  33. Muito bom ter um blog desse pra conhecermos outras histórias !!!
    Apesar de não gostar de rótulos me considero bi porque sinto atração por homens e mulheres !! Namoro a 5 anos uma mulher !! Já me deu vontade de contar pra ela ! Mas acho que jamais vou conseguir !! Mas ainda bem que hj em dia não sofro mais com isso ! Consegui me aceitar assim no meu íntimo ! Lutei muito contra esse desejo por homens tb mas não adiantou !
    Me sinto bem pois acho que nossa vida sexual, íntima não interessa a ninguém então não me sinto na “obrigação” de ter que me “assumir” ! Vivo bem assim !
    Parabéns pelo blog !!!

    1. Quer um conselho, a mulher que está ao seu lado deve ao menos saber. Porém é um direito seu a escolha. Acredito que se não houver traição nao tem porque ela te deixa.
      O bi verdadeiro eh aquele que se mantém em apenas um relacionamento por vez, se está com mulher somente com ela , se está com homem somente com homem, não é aquele que namora uma moça e sai com cara para transar, pois tem a falta de carácter da traição aí

  34. Boa noite!

    fico pasma com a dificuldade, barreiras que ainda existe por ser Bi…não gosto de assumir, mas a pressão é tanta que fica insustentável negar.
    Percebo que se a mulher cita para um homem que está paquerando que a Bi ou a conversa acaba ou muitos querem sacanagem. Posso, ser Bi porém não procuro nada a três. Quero um amor seja homem ou mulher, gosto de me relacionar. Se uma mulher lésbica sabe que você é bi…já não quer por ter receio de deixá-la ou uma possível traição com um homem.
    A vida não é nada agradável…Fora, que é praticamente impossível estabelecer um dialogo com uma mulher bi e bem resolvida acima dos 30…

    1. As lésbicas tem um preconceito qto a mulher bi ridículo, fora que acham que bi é sinônimo de trair aff….e os homens te olham imaginando um ménage…é bem complicado

        1. Boa tarde,
          Fernanda, qual o problema de conhecer a mulher seja ela Bi ou Lésbica. Creio, que adotar esse tipo de postura, você pode perder a oportunidade de viver um relacionamento e amor

          1. Boa tarde,
            Incrível como em todos os grupos existe o Pré-conceito…julgam as pessoas sem nem conhecer… Lésbica com preconceito de Bi, Homens homossexual com preconceito de travesti, lógico que temos exceções, mais é muito perceptível. Fui em uma festinha somente com lésbicas e alguns meninos gays convidados e uma das meninas (bissexual) foi tratada com indiferença simplesmente porque começou a namorar um menino. Quando namorava uma menina eram tudo amigas, agora não, fora as brincadeiras de mal gosto. Antes de cobrar a sociedade por direitos iguais as pessoas tem que se cobrar internamente, começar a olhar seus próprios pré-conceitos.

      1. Anna, eu entendo o que vc diz.

        Anna, Estou do outro lado. Gosto muito de homem, estou num relacionamento sério, e lindo! Mas eu desejo ardentemente sexo descomprometido e discreto com mulheres.

        Se encontrasse uma mulher atraída por mim (que me atraísse), ia querer dela o que homens comprometidos queriam comigo quando estava solteira.

        Eu nunca dei chance pra eles. E sempre achei que estava sendo integra comigo e que estava resguardando meus sentimentos.
        Se bem que, uma vez, envolta em mentiras, acabei cedendo. me dei mal (mas tbmnão me arrependi de ter vivido aquilo).

        Duvido que todas as bi sejam como eu. Mas aposto que boa parte eh. E vc (vcs) que está atras de coisas como diversão sincera, que não esteja necessariamente estéril de potencial de continuidade, faz bem em não se submeter à confusão alheia.

        Fazendo aqui a advogada do Diabo…

  35. Olá bom dia sou casada, mais não tiro o desejo de conhecer uma mulher da minha cabeça,de trocar experiências, não consigo falar com meu marido, ele jamais aceitaria, até pq é muito preconceituoso, mais eu não. Esse desejo fica cada vez mais forte, queria conhecer alguma mulher aqui que esteja na mesma situação q eu, ou q já tenha se resolvido pra trocarmos email, wats, e começarmos uma amizade. Se alguém se interessar só deixar emal que entro em contato. Obrigada Amanda por ajudarmos com nossas dúvidas, esse blog é maravilhoso pelo que vejo tem ajudado muitas mulheres e homens a se resolver, sem preconceitos e julgamentos e sempre dispostos a nos ajudar. Bjs

  36. queria conversar com alguém sobre isso… Se não for incômodo, por favor…
    Eu simplesmente não sei mais o que fazer. Chegou num ponto que eu não vejo saída, apenas infelicidade.

    1. Carlinha,

      Fica calma, amiga. Nao quer dividir sua angustia, sua historia, com a gente aqui no blog? Assim muita gente pode te ajudar. Fica tranquila que aqui ta todo mundo no mesmo barco. Nao fique constrangida.
      Mas se realmente quer que te escrevam, tudo bem. O que vc acha? Facilita colocar aqui. Mas se realmente nao quiser falar publicamente, avisa.

  37. Olá.

    Não sou muito de postar comentários, mas senti necessidade de comentar esse.
    Esse medo é muito comum, e isso é o que me assusta mais. Vou fazer 19 anos, e desde os 17 acompanho o blog. Até hoje eu nunca contei para ninguém sobre o meu desejo por homens, e nem cheguei a me relacionar com algum justamente por medo. Medo que alguém descubra, medo que meus amigos saibam, medo que não aceitem. Medo de que as coisas mudem, e que não seja uma boa mudança. Eu sei que não é certo ter esse medo, e muito menos faz sentido. Mas ele é muito forte. Tanto que meu nome não é Otto.

    A pior parte é que eu sei que sentir tanto medo assim não faz sentido, e me repreendo por isso. Tento conversar, aqui mesmo no chat, de forma mais aberta, mas não digo nem de que cidade sou. Já perdi várias oportunidades e vi pessoas se afastarem por não tomar uma iniciativa. Eu queria um conselho de alguém que já passou por isso e que esteja dispostx a conversar.

    [email protected]

    1. Otto se seus amigos são amigos verdadeiros eles vão aceitar você do jeito que você é eu tinha esse medo também mas meus dois melhores amigos me mostraram que a amizade verdadeira é aquele que não importa a sua opção sexual importa o seu caráter a sua personalidade

      1. Olá, Muriel.

        Recentemente eu me abri para uma amiga minha. Foi a primeira vez que contei sobre isso para alguém. A reação dela me deixou extremamente feliz. Ela me aceitou, sem perguntar nada constrangedor. Foi um alívio ter compartilhado isso com alguém. Entretanto, alguns amigos meus dizem, sem saber que eu sou bi, que acham estranho a relação entre dois homens ou duas mulheres. Uma das minhas melhores amigas disse que isso é totalmente contra seus princípios. Ela é evangélica e muito ligada às suas crenças. Ela sempre disse que não tem nada contra, mas acha estranho. O mesmo se aplica ao namorado dela. Um dia vímos um casal gay ficando do outro lado da rua. Ele disse que achava estranho dois homens juntos, mas que era legal eles não terem medo de ficar em público. Então eu sempre fiquei meio confuso, se devia ou não contar. Eles dizem que acham estranho, mas que não têm nada contra. Eu quero contar, eles são como irmãos para mim, mas tenho medo que me vejam com olhos diferentes depois disso. Decidi que vou tomar um passo de cada vez. Contei para minha melhor amiga, e agora estou tentando criar coragem para dizer a eles. Surpresa de ano novo, rsrsrs. Nem sei porque estou dizendo isso agora, acho que só precisava falar para alguém.

  38. olá ,
    não tenho costume de postar comentários, mas sabe eu não tenho muito com quem conversar, ultimamente esses três últimos anos eu me sinto um pouco perdida. Até os 19 anos eu me sentia atraida por homens, depois de um período de 4 meses me senti atraida por mulher , no momento que isso aconteceu eu fiquei confusa e desorientada, estava carente sei que isso já passou , foi há três anos , mas o que acontece é que eu não sinto atração mais por ninguém , apesar de sentir desejos afetivo as vezes por ambos os sexos. Fico pensando se eu não sinto atração , será que é porque eu fico preocupada e ansiosa, como no momento só estudo e estou procurando estágio, gostaria de ter mais amigos e amizades, ou porque sou tímida , tenho vontade as vezes de experimentar um beijo lésbico, mas como disse antes sou tímida e bem feminina , o que dificulta de eu conseguir essa oportunidade. não sei o que se passa mais comigo ,meu desejo lésbico geralmente fica mais forte quando estou carente ou me sentindo sozinha, não sei se sou bissexual , e também se fosse para mim não seria problema,o problema é que não sei o que quero ou talvez um pouco de receio em relação ao preconceito =(
    Desabafo =(

    1. Olá…

      Então Vanessa, pode ser porque se senti sozinha mesmo…Acontece….é normal….

      E ter desejo por uma garota não é o apocalipse é apenas uma garota, só isso! Mas nada….

      Quando envolve o sentimento de estar apaixonada, é mais complicado….Mas na boa toda vez que nos apaixonamos ficamos assim inseguras, qual o problema disso? Quem nunca ficou assim, afinal nos apaixonamos por pessoas….é tudo gente, gente….

      Também sou bem, bem feminina mesmo, no começo faltava criptografar minha bissexualidade, pra ninguém jamais, nunca, em hipótese alguma saber…..

      E isso me fez perder a oportunidade de conhecer gente legal, então hoje eu quero mais é que dane-se……simplesmente no meio das conversas comecei a falar, quando me perguntavam e você Glaucia cadê seu gatinho? Você fica ai toda toda, sendo paparicada neh???? Eu comecei a responder, então amores , amo paparicos, mas eles não me apetecem, os garotos, sou gay!!!!!

      Olha o silencio domina o ambiente!!! Eu fico apenas sorrindo…rsrses….

      Uma colega fala,,, miga relaxa te amamos mesmo assim, mas não vou te apresentar amigas….e na outra semana fala amiga, tenho uma amiga que é assim como você….quer ver a foto dela??

      Daí acho uma graça…..

      Tem gente que não gosta tem….mas eu simplesmente não ligo….apenas respeito e evito falar do assunto….pra que falar, as opiniões são diferentes….precisamos respeitar o espaço do outro … Só isso…..

      Não precisamos complicar amores!!!!

  39. Olá Amanda bom tenho 17 anos,sou homem devido ao nome de duplo gênero o que chega a ser até uma piada pronta kkk, sou bissexual, eu de certa forma sempre tive essa orientação desde criança brincava de tudo não importando se era coisa de menino ou menina, mas eu sempre neguei a mim mesmo que eu gostava das duas coisas pq meu pai e a maioria da família dele são os típicos religiosos preconceituosos mas graças a Deus minha mãe nunca se mostrou assim tanto que ela é uma das poucas pessoas que eu contei ser assim, além dela meus dois melhores amigos também sabem, mas indo direto ao ponto, eu só consegui me aceitar quando eu já não conseguia reprimir minhas vontades e desejos, foi quando eu dei um basta e pensei comigo mesmo que o importante é sermos felizes com nós mesmos mesmo que doa o preconceito pelo menos nós nos aceitamos, hoje em dia não me recrimino por desejos ou vontades “erradas” apenas as aceito, pra mim a opinião dos outros que não me conhecem pouco me importa, mas aqueles que me conhecem sabem que mesmo eu sendo “diferente” eu tenho uma vida comum, não sou mais nem menos do que ninguém apenas sou eu, uma das coisas boas das pessoas saberem sobre você é que você sente um alívio perto delas podendo ser você mesmo sem repressões

  40. Gente! Como não conheci esse blog antes, tenho 25 anos e estou passando por esse “dilema” que agora vejo fazer parte da vida de muitas outras mulheres. Obrigada Amanda pelos textos que nos identificamos tanto, e obrigada também às mulheres que compartilham suas histórias aqui nos encorajando a se aceitar.

    Beijos

  41. Queria trocar ideia ou fazer parceria outros caras que tanbem se identifica com esse blog, pow muito difícil ter alguma relação com outro cara nesse País quase uma missão impossível dah um de James bond saka quem tiver afim só dá um toque flws.

  42. Então, sou bi. Só fiquei com duas meninas, uma que ja tem mó tempão e outra que aconteceu esses dias que foi minha melhor amiga que NAO É BI(mas tinha curiosidade)!!! Sempre tive vontade de beijar ela e tals, falava essas coisas brincando até que nós estavamos numa festa mt bebadas e acabou rolando um beijo,nada demais.. só que agora nossa relação ta meio estranha, ela tinha dito que tinha até pensado em se afastar pq achava bad isso e nao sei oq –‘ mas viu que era besteira e nada a ver afastar pq a gente tava beba maaaas isso nao aconteceu,ela ta toda estranha agora! Alguem aí podia dar uma dica? sei la! é bobeira isso mas to aguniada com isso

    1. Bom, não se preocupe. Ela está confusa com a situação, não sabe se é lésbica, hetera ou bissexual, se sente culpada por ter sido levada pela bebida, se sente culpada por ter te beijado e ela não sabe o que pensar sobre si mesma. O melhor remédio é dar um tempo, mas caso a amizade de vocês não retorne as trilhos, sugiro que tente falar com ela. Dizer que sim, ela foi levada pela bebida alcoólica, mas isso não significa que ela seja lésbica ou bissexual, que não há problema ela ter te beijado e que ela não tem nada errado, só precisa maneirar nas bebidas. E é claro, esses argumentos que te dei só serão necessários se estes forem realmente os anseios dela, mas para ter certeza de quais são os problemas com que ela está lidando, é necessário conversar com ela.

  43. Encontrei o blog há pouco tempo e estou gostando de passar o dia lendo as postagens e comentários. Como não tenho muito com quem discutir esse assunto, pensei em deixar aqui meu depoimento.
    Sou homem, bissexual, 19 anos. Só tive namoradas durante 18 anos. Aos 17 começou aquele tempo de dúvidas, pois a atração pelo mesmo sexo chegou sorrateira, e fui perceber muito tarde rsrs. Eu fiquei muitíssimo confuso e preocupado com o que poderia acontecer. Na verdade ainda fico, mas já estou aceitando e, na verdade, vendo o lado bom que isso me proporciona. No começo eu achava que estava enganado e seria apenas homossexual, pois não entendia. Com o passar do tempo eu percebi que não havia perdido o gosto por nenhum dos sexos, parece natural, não vejo erro nesse comportamento, e ainda há quem diga que isso é impossível. Não conseguem enxergar quanta prova viva há por aí, rs.
    A parte mais difícil (e todos dizem a mesma coisa) foi explicar para os outros. Meu grupo de amigos já sabe, e fui abençoado em ter pessoas compreensivas e mente aberta como eles em meu círculo de amizade. Meu pai sempre foi uma pessoa de grande coração. Pra ele nada mudou, mas não tenho certeza. Minha mãe nunca quis tocar no assunto.
    Eu conheço muito bem o conceito distorcido e errôneo que o resto da minha família e a família dos meus amigos carregam sobre esse assunto, e quero evitar o máximo que eles fiquem sabendo. Melhor que bater de frente é deixar que eles vivam na ilusão do próprio mundinho, pra evitar briga e atritos desnecessários, pois eu acredito que isso seja o mal de uma geração (não estou generalizando, há casos e casos) que está aos poucos se esvaindo.
    É um alívio compartilhar desse assunto. Vejo que não sou o único que passo por isso e é bom ver cada vez mais pessoas de bem consigo mesmo, é assim que deve ser.
    Abraços!

  44. ótimo post, me identifiquei bastante.Sempre namorei mulheres, mas sinto atração por homens também.E não vejo de mãos dadas com um homem, apenas sexo casual.Se alguém do blog quiser bater um papo melhor , só deixar o e-mail!

  45. Realmente, me identifiquei. Já fui em vários “chats” homossexuais e, ao me deparar com a pergunta “Onde você mora?” ou semelhantes na forma de me descobrir, como “Qual seu e-mail?” saio “correndo” do site, por medo de me acharem. Mas recentemente estou tentando ser mais sincero nestes, informando que possuo tais redes sociais, mas que por medo ou receio, não às desejo compartilhar.

  46. tenho 37 anos sou gay não assumido vivo em um mundo fechado entre eu e eu poucos sabem de mim sou muito fechado medo de tudo que alguém descubram isso e constante o pinho e que meu trabalho e na área da segurança isso faz com que mim deixe com mas medo de descobrirem que eu sou gay.

  47. Então, vim contar minha história, um tanto estranha rs, mas que me mudou muito como pessoa. Eu namorei uma menina na adolescência, namoramos por mais de um ano, até um dia que ela terminou comigo, se apaixonou por outra pessoa. Beleza, fui viver minha vida, mas eu continuei apaixonada por essa menina. Me envolvi com outras meninas, mas essa nunca saiu da minha cabeça. Achei que ela era “O amor da minha vida”. Achei que até podia amar novamente, mas igual a ela, eu sabia que iria ser difícil. Até que um dia, eu estava em um site de namoro e conheci “Malévola” assim como tava o seu perfil. Achei ela muito bonita e decidi mandar mensagem a ela, disse que eu tava interessada e pedi seu número do whatsaap, no mesmo dia ela me respondeu, e começamos a conversar pelo whatsaap. Conversamos muito, ela tinha um papo legal, era tão apaixonante. Eu me apaixonei por ela, trocamos fotos e tudo. Já acordava e ia correndo dizer bom dia a ela. Foi muito bom tudo. Eu não parava de pensar, já queria era pedi-la em namoro. Gostava dela de uma forma que nunca pensei que fosse gostar de novo. O olhar dela, o sorriso tão dela, tão único. Sim, me apaixonei, ela roubou meu coração duro e frio. Todo dias eu queria falar com ela, fazíamos planos e tudo mais. Até que eu disse que queria encontrar ela, ela disse que na mesma semana iríamos nos ver. Até que um dia eu pedi uma foto a ela, e ela disse que depois; E sumiu o dia todo, no outro dia me mandou bom dia. E eu respondi, bom dia, e ela sumiu de novo. !Achei tudo estranho. Até que de tarde chega uma mensagem dela, dizendo que na verdade ” Ela era ele” Sim, era um homem disfarçado de mulher, pediu desculpas, disse que gostou de mim. Quando eu li aquilo, eu pensei> Sò pode ser mentira, que brincadeira é essa?; Até que “Ele” me contou tudo, ele encontrou o perfil dessa menina em uma Lan House aberto, e trocou de senha e começou a se passar por ela. Ele disse tudo e pediu desculpas. Eu fui logo atacando ele de perguntas, por que que ele fez aquilo? aonde ele conseguiu aquelas fotos daquela menina? ele disse que foi no perfil dela, que nem todas estavam visível no perfil dela. Eu perguntei em que lan house ele encontrou esse perfil e tudo mais. (Ele morava em uma cidade próxima a minha), e coincidência ou não, eu já tinha visto ele, ele revelou sua identidade. Não disse a ele que eu já o tinha visto. Puxei conversa pra descobrir tudo sobre a tal menina, se o perfil era mesmo dela, o que ele alterou no perfil. Então descobri que a menina mora na cidade vizinha a minha, que ela frequenta essa lan house no centro da cidade, tenho fotos dela. Sei que tem 20 anos, que gosta de meninas. Então desde que descobri que a menina que me apaixonei era um “homem mentiroso”, fiquei arrasada. Olhava as fotos dela e me perguntava, quem é você; Então desde então, eu a procuro, eu quero encontrar essa menina, e vou descobrir, não espero que essa menina me ame, não. Eu só quero dizer a ela, que alguém usou o perfil, foto dela, se passou por ela e que me apaixonei por ela (ou melhor, por quem eu achei que ela era). Eu vou encontrar ela, tenho informações que podem ajudar. Agora é curar o coração, isso me abalou, mas não perco meu sorriso. É isso ai…

  48. Sim tenho medo, e receios, do marido e familia descobrir.
    Me sinto sufocada, pressa, com tudo isso.
    Gostaria de fazer amizades, trocar ideias, e poder falar sem medo sem preconceitos….

  49. Boa noite!
    Texto maravilhoso e muito real com o que venho vivendo.
    Por todos esses medos me tornei mais retraída e fechada, sofro sozinha, por isso muitas vezes procuro amizades virtuais que assim é tudo mais fácil de encarar. Mas passo por isso ah um bom tempo já, e estou num momento de muita angustia e sofrimento, pois não me compreendo, não me aceito ainda e isso me sufoca, pois não me permito. Já me relacionei com algumas mulheres, me apaixonei, mas por medo e covardia eu me afastei. Enfim, eu sempre namorei homens, já fui noiva e tudo mais, tenho uma família muito cristã e tradicional, isso me retrai muitooo.

    1. oi Nanda! Eu posso te compreender poisestou passando pela mesma situação e ainda namoro há 6 anos um homem que amo. Queria me relacionar sem compromisso com uma mulher pra viver essa experiência, esse desejo!!! Me escreve pra gte trocar algumas ideiais!!! bjssss [email protected]

  50. Parabéns a esse blog ,muito bom mesmo.Bom eu nunca imaginei que seria Bi , mas depois de uma viagem de serviço com meu marido ele falou das vontades e desejos dele , entao como gosto de apimentar nosso relacionamento resolvi dar asas a imaginação dele , que era ter mais uma mulher na nossa relação , e assim fizemos.Experiencia unica maravilhosa ,não imaginava o quanto um toque feminino poderia mexer com meu corpo da maneira que mexeu.Arrepios , sensações ,simplesmente demais.Hoje posso ser quem sou ,com toda liberdade do mundo ,junto com meu marido uma mulher completa .
    A unica coisa que complica um pouco é encontrar a companhia certa.

  51. Oi,

    Minha história é a seguinte: sou homem, 36 anos, muito bem casado. Sempre tive interesse em mulheres (desde que, aos 12 anos, meus pais contrataram uma funcionária para a sua loja que sempre usava blusa decotada e eu sonhava com aqueles seios).

    Minha esposa é linda e gostosa, sou louco de tesão por ela. Mas Lá no início do nosso namoro, descobrimos juntos que eu tinha tesão “lá atrás”. Primeiro foi um dedinho, e a coisa evoluiu até começarmos a brincar de colocar objetos em mim. Porém, conforme eu ia gostando mais dessas brincadeiras, ela foi se sentindo desconfortável. Até que eu resolvi que, se eu quisesse ser homem de verdade para ela, teria que largar daquelas “brincadeiras”.

    Passaram-se vários anos… nossa cabeça mudou.. um dia, ela estava brincando com o vibrador novo dela e quis colocar ele um pouco em mim… foi o que bastou para a vontade voltar com força. Mas agora, mais maduro, mais seguro de mim, “enfiei o pé na jaca”. Comecei a pedir sempre. Não fiquei mais disfarçando o prazer que tenho com isso.

    E, bem, o “desconforto” dela voltou.

    Ela tem medo que eu vire gay de uma vez e a abandone.

    O pior é que, hoje, estou muito bem resolvido em relação a isto. Eu acho que sou hetero por natureza, meus instintos básicos são por mulheres.. o corpo, o cheiro, a voz, etc. Mas, fisicamente falando, eu não teria qualquer problema em transar com homem.. e, pior, tenho certa curiosidade nisto (na verdade, acho que 100% das pessoas é assim e não admite – a minha esposa mesmo tem curiosidade de transar com mulher).

    Enfim… acho que sou um parecido com um cara que deu um depoimento aqui… eu não teria nenhum interesse romântico em homem… mas acho que poderia aproveitar muito alguma coisa física.

    Porém, não tenho interesse em procurar nada disso tão cedo. Não me vejo abordando homem.. e tenho medo de DSTs (recentemente li sobre os “carimbadores” que passam AIDS de propósito).

    A verdadeira questão: como tratar disso com a minha esposa? Meu grande medo é ela não me enxergar mais como homem de verdade e perder o tesão por mim. Mulheres, o que me dizem?

    1. Oi, Fernando, tudo bem?

      Obrigada por compartilhar sua dúvida com a gente. Primeiramente, o fato de você ter prazer na região anal não o torna necessariamente gay. Isso é bobagem, preconceito.

      Se você gosta de explorar as zonas do seu corpo com a sua mulher, ótimo. Seria diferente se você quisesse muito isso com um homem, aí sim você poderia pensar em uma bissexualidade.

      A respeito da possibilidade de se relacionar com um homem, é ótimo que você esteja aberto para isso. Mas, senti ao mesmo tempo o mesmo preconceito que se tinha dos gays nos anos 80 e 90. Por favor, não reproduza que você não quer transar com um homem por ter medo de doença. Todos podemos ter, sendo gay ou não. Mas é claro que devemos sempre nos cuidar.

      A sua mulher não precisa se sentir desconfortável com tudo isso, muito pelo contrário. Ela não tem um marido machista em casa, que vê o prazer de ambos com restrições.

      As pessoas deixam de explorar o outro por conta do nosso velho tabu sobre sexo. Somos ainda muito conservadores e hipócritas, infelizmente.

      Espero ter ajudado minimamente.
      Até mais.

      1. Olá!

        Obrigado pela resposta.

        Peço sinceras desculpas pelo que escrevi sobre DSTs. Parece que ainda carrego muito preconceito do tempo da minha infância, nos anos 80, quando estourou essa coisa toda de AIDS e muita desinformação era propagada. Desculpe mesmo. Felizmente, não passei isto adiante. Minha filha de 15 anos tem preconceito zero com pessoas de qualquer orientação sexual, tenho muito orgulho de ter criado alguém de cabeça aberta, junto com a minha esposa.

        Foi bom ter a chance de desabafar e alguém me entender. Acho que no fim sou só hétero mesmo. Mas, talvez, se um dia me livrar dos meus próprios preconceitos (e se a minha esposa não quiser me deixar por isso!!) eu procure alguma experiência com outro homem.

        Abraços, e parabéns pelo blog!

        1. Imagina, Fernando. Sem querer, sempre acabamos disseminando alguns preconceitos. Ninguém escapa disso, infelizmente. Fico muito feliz em saber que criou sua filha com esses valores. É dessa forma que vamos criando, aos poucos, uma sociedade que respeita mais o próximo.

          Fique à vontade para desabafar sempre e não se preocupe muito com rótulo de hetero, bi ou seja lá o que for. Permita-se viver novas experiências.

          Até mais e obrigada! 🙂

  52. Sou macho bissexual ativo e passivo faz mais de 10 anos. Transa hétero me excita e transa homo me excita. Geralmente sou ativo com mulher e passivo com homem (as vezes sou ativo com homem também). Sou bem resolvido, não dúvida do que gosto na cama e minha bissexualidade é somente na cama. Pois, no dia a dia só namoro mulher, nunca tive interesse em namorar com homem, inclusive não beijo homem. Ser bissexual é um privilégio. Sou bissexual apenas qdo to sem namorada, pois qdo tenho namorada com compromisso sério ai sou hétero e fiel; pois respeito o compromisso, e não saio com ninguém. Tenho 42 anos, solteiro, tranquilo, sou interior SP, se alguma mulher quiser manter contato é só deixar recadinho por aqui. Att. Carlos-Bi

  53. Tenho 26 anos, sempre me senti emocionalmente e fisicamente atraída por homens. Namoro há anos com um cara que amo e por quem sempre senti muito desejo. Nunca me apaixonei ou acreditei estar gostando de uma garota, nunca olhei pra uma mulher na vida real e tive desejos sexuais. Por outro lado, desde muito nova, quando me masturbava, imaginava relação heterossexual mas curtia imaginar o corpo feminino. Quando vejo pornô, gosto de ver o corpo da mulher também, e por uns tempos, gostava mais de ver as mulheres que os homens. Achava que isso poderia ser só pela hipersexualização feminina na sociedade em que vivemos, afinal nunca me apaixonei ou tive atração sexual por uma mulher real da minha vida. Mas aí uma garota bi andou dando em cima de mim, e eu fiquei muito a fim de experimentar. Meu namorado sempre fez as brincadeiras machistas típicas do gênero “eu deixo você ficar com uma garota”. Mas aí quando contei pra ele sobre essa menina, e disse que queria tentar, ele pareceu apavorado com a ideia de eu ser bi. E eu nem sei se sou bi, eu me deixo levar pelo flerte com muita facilidade, e eu não sentia atração por ela antes de notar que ela estava interessada, mas com a possibilidade ali na minha frente, eu quis muito experimentar. Como estou comprometida, é claro que não rolou nada, mas me sinto estranha por não saber se sou bi ou hetero, e fico mal por sentir que não tenho espaço pra falar sobre isso com meu parceiro (que até hoje faz brincadeiras machistas sobre eu ficar com outra garota, parece fingir que não lembra o que aconteceu ou que não entendeu o que aconteceu naquela ocasião, e de como eu fiquei chateada). Vivo meio confusa…

  54. Bom… sou meio nova, e estou na adolescência. Ando mt c gays, lesbicas e bissexuais, sempré senti tesão c o sexo lésbico porém nunca quis provar (eu dizia, para os mais super-intimos, q era bi curiosa). Meus pais são super machistas e conservadores e homofóbicos, namoro a um ano e eles n me deixam um seg só c meu namorado, meu pai n aceita meu namor. Sou feminista e tenho cada vez mais despertado um desejo maior por meninas. Meu namorado sabe, é me apóia totalmente. Não sei se sou realmente bi, mas sl, acho q s. Tenho medo da reação da minha família. Amo mt meu namorado e penso s em um futuro c ele, mas tbm tenho pensado mais em meninas. Não sei oq fzr!!!! Tô pesquisando sobre esse assunto para me entender, gostaria mt da sua ajuda

  55. nunca me relacionei com mulheres por medo.
    Medo que alguém descubra, do que irão pensar.
    Minha personalidade é simples: quero sempre agradar os outros. mesmo que me custe caro. EU Pago. Então, já que jamais poderei viver a vida que quero, e por isso, não conseguiria nem experimentar. Pois Não teria sentido experimentar e não poder vivenciar depois.

    Tudo isso piora quando começo a pensar o que minhas amigas e família pensam de mulheres que gostam de mulheres: ” sapatão”, sem vergonha, nojenta..” tem que se fuder” – são os comentários mais comuns.
    Desejam realmente o mal, e pensam sempre o pior. Pensam que são pessoas desajustadas, ruins, desvirtuadas.
    Aí eu, que sempre agradei os outros, faço tudo pelo próximo, faço o bem sem olhar a quem. Eu, que adoto animais de rua, desde passarinho que caiu do ninho, cachorros e gatos, até a um sapo ( bicho que morro de medo, mas fiquei com dó).
    Eu que sempre tratei todos com respeito, ajudo sempre o máximo de pessoas ao meu redor, faço marmitas e distribuo na porta da minha casa para quem estiver com fome, e trabalho com pessoas carentes, sempre me doando a todos que precisam de mim, serei julgada, e passarei a ocupar o banco dos réus.
    Não verão mais nada de bom em mim, como se minha escolha pessoal, que só diz respeito a mim, me tirasse todas as minhas qualidades, como se esquecessem tudo de bom que já fiz, e me sentenciasse: eu pertenceria ao grupo da ” escória”.
    Porque tem que ser assim? Porque, nos olhos dos preconceituosos, nós perdemos tudo que temos de bom, todas as qualidades e acertos, por conta de uma questão que não afeta a mais ninguém, exceto a nós mesmas?
    Eu já não seria mais a moça boa, a moça de família, de coração bom e puro, mas que é apaixonada por uma outra mulher, igualmente encantadora.
    Eu seria a “sapatão”, safada, nojenta, e etc. Nada de bom que eu tenho sobreviveria.

    Sei que as coisas estão mudando, as pessoas estão se abrindo e há esperanças.
    Mas não para mim. por minha culpa. por covardia.
    Não quero que meu pai, minha mãe , meus irmãos, minhas tias, amigas, amigos, pensem que não valho nada, pensem mal de mim. não quero.
    Só quero ser querida por todos.
    E sou. Muito querida. E, na exatamente mesma medida, sou infeliz e frustrada.

    desculpa o desabafo.
    Só simplesmente não vejo saída para mim.

    1. Nina somos a causa e saida de tudo, penso que você não pode PRIVAR-SE por causa dos outros se os outros não se privam por você? Faz sentido?

      Você não pode viver sua vida, fazer suas escolhas viver suas experiencias você é livre é dona de sí é dona da sua vida tem o direito de viver suas escolhas.

      Continue sendo como você é mas VIVA sua vida, se alguém não gostar das suas escolhas é pq essas pessoas não servem para ser suas amigas.

  56. Oii Nina, gostei do seu relato, realmente você deve ser uma boa pessoa, mas está sendo demais com os outros e esquecendo de você, é possível moderar as duas coisas. Também vivo no dilema de não poder me abrir com as pessoas que mais convivo, faz parte do medo e do processo até de auto-aceitação. Se desejar, deixa um contato para trocarmos ideia.

  57. É muito difícil essa situação.
    Não paro de pensar nela, e não é de hoje, não. Há anos estamos nessa situação.
    As duas sabendo dos sentimentos da outra,
    Mas ela já é muito mais experiente que eu, sempre namorou mulheres, e eu nunca sequer fiquei com nenhuma.
    Acho que para ela é mais fácil seguir em frente. tanto é que seguiu… rsrsrsrs… fazer o que.
    Estou muito triste, mas feliz por ela também. Ela merece.
    mas sinto tanto a falta dela.
    todo dia.
    mas é difícil demais. parece uma maldição. da vontade de meter uma bala na cabeça e acabar com isso sabe, acabar com esses pensamentos.

    Eu tento parar de pensar nela, tento deixar tudo para trás, e não consigo.

    penso que das duas maneiras eu serei infeliz.
    1- continuar do jeito que estou.. sem ela comigo e sem ter a possibilidade de viver isso, mas com minha familia me amando.
    2- assumir de vez e ir atrás dela, mas aí perco minha família inteira. Vou ter o meu amor, mas a que preço?

    vou sempre sair perdendo. tenho que ver o que dói menos. Mas a opção que dói menos dói muito.. rsrsrsrs

    é a vida. acho que a felicidade plena não existe. É Utopia.

  58. Nossa encontrei esse site hoje e ,todos esses comentarios falam comigo. Com medo do marido descobrir e da familia. Comecei a ser atraida por mulheres alguns anos atras, penso que 4 anos. Da uma agunia dentro de mim, que eu nao sei o que fazer.Nao quero machucar o esposo e o nosso filho. E um bom disabafo pra mim escrever essa mensagem. Porque ninguem emvolta de mim sabe disso. Tenho de apagar toda a historia no computador, nem sei quantas vezes com medo dele descobrir. O meu desejo so cresce a cada dia com mulheres. Nunca me relacionei com mulheres, mas o desejo e enorme.Eu voltarei outro dia, tenho de ficar alerta com o esposo no computador!

  59. Sabe… já passei por muitas dúvidas e depois fui aceitando a minha bisexualidade aos poucos…. até chorei pq a sociedade a maioria das pessoas são ignorantes, mas o que importa para mim é minha família sem dúvida até pq sou mt apegada aos meus 2 irmãos e mãe, contei primeiro para meu irmão do meio (sou a caçula)… meu irmão super culto teve un certo receio.. mas somos super apegados e aos poucos ele abriu sua mente e eu me senti super feliz! Hoje em dia a visão dele é totalmente diferente, pretendo contar ao meu irmão mais velho daí só então à minha mãe… a minha mãe é um amor de gente… mas ao olhar para o assunto LGBT … é meio complicado, mas eu com certeza ela irá aceitar e acima de tudo o respeito , sem ele nada adianta, acredito na força do diálogo.
    A propósito, sou uma grande fã do querido Joseph John Campbell!

    Ps-Eu não tenho medo da sociedade mas sim de sua ignorância.

    Forte abraço a todos! E não deixem de viver suas vidas e muito menos privar sua felicidade, faça da sua vida o seu único livro, só você pode mudar seu rumo, no fundo no fundo vc saberá o que fazer. 😉

  60. Como falar pra minhas irmãs uma confio muito mas a nem tanto
    E meus amigos sabem que sou bi tô com muita vontade de contar quero tirar esse peço dentro de min logo meus amigos me apoiaram agora quero tirar esse peço total mas o medo toma conta de falar pra . minhas irmãs oque faço qual das 2 eu falo? Logo

  61. Boa tarde pessoal!!!!! li algumas histórias aki e achei muito interessante…. Bem, eu tenho 32 anos, nunca me relacionei com uma mulher , sempre tive namoros com homens duradouros….No momento estou solteira tem 3 anos , porém ainda apaixonada pelo ex…..ele já até casou, dpois do termino eu fikei muito deprimida, chateada….. pq levei chifre e tals….há uns anos atrás eu tinha uma amiga lésbica ,bem mais nova que eu….. minhas amigas sempre falavam q ela estava apaixonada por mim, mais eu nunca percebi, até pq eu tinha namorado, o amava dmais, nunca tinha nem cogitado está com uma mulher….sem falar q pelos ensinamentos da minha família tinha um pensamento bem preconceituoso….e esse meu namorado não gostava dessa minha amiga de jeito maneira….eu perguntava pq ele não gostava dela e ele sempre fugia da resposta……E p mim msm ela nunca deixou transparecer….sempre me abraçando, dando beijinho no rosto, me trazia lembrancinha …..Eu ia p casa dela assistíamos filmes as duas deitada na cama dela…..p mim era sóh uma amizade msm…..ela não me atraía de jeito maneira até porque ela se vestia meio homenzim……E sempre que eu e os amigos discutiamos sobre o tema sexualidade……eu brincava e falava, q se um dia eu fosse ficar com uma mulher eu queria q fosse bem feminina ….pq estilo homenzim acho que me lembraria os homens e achava muito sem lógica isso.
    ….. No momento tõ morando um pouco afastada dessa amiga…..tem uns dois anos q não a vejo e nem falo com ela… Em fim, tem uns tempo q estou pensando muito nela….sei q não eh só saudade da amizade….pq tenho entrado muito em site pornô p saber melhor como funciona relacionamento entre o msm sexo, e achei muito interessante msm…. na minha faculdade as vezes me pego olhando p mulheres….até chego a me espantar……..não sei se é carência…. e não sei se me atreveria, a experimentar novas sensações…..

  62. É bom saber que não estou sozinha nisso. Assim como vocês tenho minha curiosidade, minhas dúvidas e meu medo de alguém descobrir. Tem muito tempo que penso em ter um caso com outra mulher. Primeiro por uma questão de curiosidade mesmo. Talvez não vá até o fim ou então posso me arrepender depois de feito. Mas do jeito que penso, talvez eu goste bastante da experiência. Uma pena não podemos ser nós mesmas, a vida é tão curta para viver se escondendo atrás de nomes e emails fakes e escondendo os desejos.

  63. Oi, preciso de uma luz! Sempre tivesse um sentimento de admiração e fascínio por mulheres. Já sonhei com sexo e em todas as vezes era com uma mulher. Sempre quis ter algo com alguma mulher, sei lá. Não sinto tesão nem nada em relação ao corpo masculino pois acho tão sem graça em relação ao feminino. É como se tudo em relação á mulher fosse incrível pra mim. Já gostei de alguns homens e atualmente namoro um, mas não sinto tesão por ele. Sempre comparo com uma mulher, é inevitável. O que posso fazer?

  64. Eu tenho bastante medo de contar para minha família. Uma vez eu estava com uma roupa do meu irmão, que para mim é extremamente confortável e ideal para ficar em casa, e una das minhas irmãs comentou fingindo que estava brincando “nossa, pode largar essa masculinidade” e minha mãe respondeu “se fosse assim, já teria dado aquele jeito”. Eu sei muito bem o que ela quis dizer com isso e não posso fazer nada em relação a opinião preconceituosa dela. Eu também estou com bastante receio de postar isso.

    Eu queria tanto contar pra eles, eu estou sofrendo por gostar de alguém do mesmo sexo e ninguém sabe disso. Eu só queria uma ajuda, sabe? Mas nem isso eu posso ter.

    Eu queria que as pessoas ao redor fossem mente aberta e que assim eu pudesse mostrar a todos o que realmente eu sou. Eu sei que minha família é preconceituosa ao extremo e pela minha idade, minha mãe tem o direito de me “educar” . Falando assim, parece que eles são monstros repugnantes. Minha família é muito amorosa, mas sei a capacidade que cada um tem de compreensão e poucos me fariam “mal”.

    Eu quase me matei por amar uma menina. Eu sinto falta dela por perto, mesmo frequentando a mesma escola, mesma sala e vendo-a todo santo dia. E ninguém pode me ajudar nisso .

    * é, eu não mencionei meu nome, mas tenho certeza que se alguém que eu conheça ler isso, vão saber que escreveu. Não, eu não estou zoando, é a mais pura verdade. *

  65. Sou lésbica dentro do armário, porém, tem uns 4 anos que sou apaixonada por uma mulher Hétero e noiva , cheguei nela através das redes sociais e depois não mais toquei no assunto com ela, o pior que quando ela me ver fica mandando piscada de olhos, não sei se ela está zombando de minha cara ou deseja algo, o pior que está dúvida nunca ira cessar pois estou envergonhada do meu ato, de mandado uma mensagem se declarando.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *