18 de abril de 2024

24 thoughts on “Conheça os assexuais e arromânticos

  1. Matéria excelente.
    Não tinha conhecimento sobre o assunto.
    A primeira vez que ouvi foi na serie/novela de um canal aberto.
    A entrevista foi muito boa.
    Assim pude entender melhor e ter noção de como eles olham p mundo. E caso encontre alguem saberei como conversar.
    Estão de parabéns Amanda, L e Wagner.

    1. Obrigada, Tifany! 🙂
      Eu também não sabia tanto sobre o “mundo” dos assexuais. A colaboração do L e do Wagner foi essencial para conhecer melhor o assunto.
      É importante disseminarmos isso para que os assexuais e arromânticos também não sofram preconceito e pressões sociais.
      Grande abraço!

  2. Obrigado *0*
    Sou assexual, dos que eu conheço fui quem descobriu mais cedo, pois tenho 17 anos e descobri com 6 anos de idade o que eu era. Minha família aceitou numa boa, mas a sociedade sempre tem que vir me chamar de santo, dizer que nunca experimentei etc, etc… desde que esse tema foi mencionado na série/novela da Globo “Malhação”, me sinto mais reconhecido e aceito por aí, as pessoas pararam bastante com o estereotipo e agora têm mais curiosidade sobre o assunto, o que abre bastante espaço para eu responder perguntas, coisa que amo fazer. Essa matéria vai facilitar ainda mais o entendimento dos leigos, então realmente obrigado.

    1. Eduardo, obrigada por compartilhar a sua história. Depoimentos como os seus são muito importantes.

      Conversando com algumas pessoas, algumas dúvidas foram levantas e quero expor uma delas para debate:

      Será que assexuados podem realmente afirmar que nunca sentirão nada no futuro?

      O questionamento pode ser interessante se partirmos do pressuposto de que nos sentimos muito diferentes ao longo da vida. Por exemplo, uma pessoa pode se considerar heterossexual por muitos anos e de repente se ver apaixonada por alguém do mesmo sexo aos 50 anos. Muitos leitores relatam histórias como essas. Seria algo reprimido? Difícil dizer, mas muitos dizem que nunca haviam pensado na possibilidade de um relacionamento homossexual.

      O mesmo poderia acontecer com os assexuais ou poderíamos considerar que é um estado “permanente”? Já aconteceu algo do tipo com algum assexual?

      Grande abraço, pessoal.

  3. A resposta simples é que assexuais se definem por si só, mas se isso pode mudar? Sim, pode, existem relatos onde assexuais se tornaram sexuais com o passar dos anos. Mas não é algo comum. No final se adere ao conceito de sexualidade fluida, onde a pessoa define seus próprios sentimentos e pode ou não estar propícia a mudanças. Mas não que isso seja uma escolha, é apenas um resultado do conjunto complexo que forma a orientação sexual (psicológico, biológico, social) que está apto a mudar conforme o tempo, apesar de tais mudanças serem incomuns.

    Em troca de miúdos, até mesmo aqueles que, segundo os relatos que vou postar abaixo (em inglês), se redescobriram sexuais depois de anos se identificando como assexuais, não eram “menos assexuais” quando afirmaram ser. É uma questão de entender a sexualidade como um “estado”, algo “presente” que pode ou não mudar, quase sempre sem mudar inclusive. Note que esses casos são bem raros, dentre o ano que passei dentro da comunidade só lembro de um total de 3 casos, sendo os dois seguintes os mais característicos.

    Seguem os links

    http://www.reddit.com/r/asexuality/comments/1gfiiq/from_the_deepest_depths_of_my_heart_thank_you/

    http://www.reddit.com/r/asexuality/comments/2c391f/no_longer_asexual/

  4. Interessante isso aí. Eu não diria que sou assexual, não que eu tenha feito alguma vez, mas os desejos eu tenho =P Mas essa questão de arromantico me chamou atenção. Eu realmente não curto abraços e beijos. Uma vez eu namorei e era meio chato para mim ter que suprir as necessidades de toques, pegar na mão, abraços e beijos da guria (as vezes eu beijava só para ela parar de falar haha). Mas na real, não sei se isso tem a ver só com romance, eu tbm não me apego muito às pessoas. Dificilmente entro numa amizade muito profunda, gosto de estar sozinho, tbm é fácil para mim me afastar de amizades sem sentir falta. As vezes vou em eventos de um final de semana por exemplo e vejo pessoas se conhecendo e fazendo planos de se reencontrar e eu dificilmente sinto essa vontade de reencontrar as pessoas que conheço nesses eventos. Tbm vejo as vezes o pessoal sair para comer e se prolonga nesses encontros, como se não quisesse ir embora pq está curtindo a compania dos outros. Esse é um sentimento raro para mim.

    A questão de nunca ter feito sexo tem a ver um pouco com isso, de eu não querer me envolver e por questões de principios tbm. E olha que eu não sou muito novinho não xD

  5. Primeiramente é a primeira vez que acesso seu blog e acho muito legal aborda este assunto. Eu não sei bem se sou assexual porem só sinto atração pela minha mulher, acho homens e mulheres bonitos mais apenas isto, meu irmão até brinca falando que eu sou vivianesexual, não sei se isso é devido ao tempo que estamos juntas no dia 29 de maio ira completar 11 anos que estamos juntas, eu só sei que só assim.

    1. Olá Ivy, então, nós acabamos não comentando, mas entre assexuais e sexuais existem os demissexuais e Gray-Assexuais (n há tradução desse termo), basicamente:
      Demissexuais – podem vir a sentir atração sexual se houver um fortíssimo envolvimento emocional, só se atraísse por alguem que tivesse um forte vinculo emocional.
      Gray-A – eles sentem atração sexual, mas em uma escala menor, por exemplo: eles sentem vontade mas poderiam ficar um bom tempo sem e não sentir falta, fazer as vezes é o bastante. Conheci um gray-a q dizia que fazer apenas 1x a cada 6 meses, já seria o bastante pra ele

      É isso basicamente, sugiro que de uma olhada no forum, as vezes ver relatos de pessoas que se identificam com o termo é melhor para conhecer, mas sempre tenha em mente: Só você pode dizer quem você é 😀

  6. Como é bom ler depoimentos de pessoas iguais a você 🙂 .Ser assexual realmente é mt difícil e eu que pensava que ser bi que o era!!!!

    É uma pressão que vcs nao imaginam!!
    As pessoas (que ficamos ou nos relacionamos), obviamente sempre esperam algo sexual, um pega, uns amassos e a gente fica perdido..não queremos o sexo..mas queremos o carinho….como explicar..as pessoas nao entendem!!

  7. Realmente é ótimo se encontrar. Desde que passei a conhecer sobre assexualidade, foi como se um novo mundo se abrisse pra mim. Ainda não tenho coragem de contar pra todos, mas já comentei despreocupadamente com algumas pessoas bem próximas e elas aceitaram bem. O difícil é você convencer médicos que não, nunca fez sexo nem sente vontade.

  8. Amei a entrevista!
    Sou assexual arromântica também. Minha experiência de vida é semelhante a do Wagner e L.
    Texto muito esclarecedor para aqueles que ainda não sabem do assunto.
    Abraços

  9. Gostei bastante da matéria, sempre me achei meia estranha por não me apaixonar por ninguém e por vários anos confundi atração física com paixão mas na real eu só queria mesmo uns amassos, achava até ler sobre arromânticos que eu tinha algum tipo de problema ou distúrbio psicológico só por não conseguir e nem sentir necessidade de amar ou me apaixonar. Só devo dizer que estou agradecida pela matéria.

  10. Oi. Parabéns por esta tão boa e completa entrevista. Ela toca imensos pontos que sempre me fizeram sentir incompleta e inventar, para me consolar por não ser igual às minhas amigas e todas as outras pessoas que via por aí, que a culpa não era minha. Apenas nascera sem o chip que me tornava capaz de me apaixonar por um rapaz. Nunca tive a menor das duvidas que são os homens que me completam e que era com um deles que adoraria formar família. Apenas o máximo que conseguia ir era imaginar um deles como meu melhor amigo e confidente. Imaginar-me a passear de mãos dadas, encostada a ele, beijá-lo na boca quando muito; ou, então, ficar aninhada contra ele num sofá a ver um filme chato até adormecer nesse quentinho ou a ler um livro em conjunto. Não queria mais que isso e me questionava, por vezes chorando às escondidas ou contra o meu pastor alemão, porque para mim era tão impossível algo que as outras faziam tão facilmente como se respirassem e se apaixonavam por vezes a torto e direito. Posto isso o não me sentir atraída sexualmente era-me fácil de explicar pois sempre liguei isso a estar apaixonada por alguém: se não amava como iria me sentir atraída sexualmente? Claro que sempre achei este ou aquele atraente mas era apenas no sentido de ser agradável ao olhar e era o seu rosto, especialmente o olhar, que me cativava. Músculos? Úteis se eu quisesse que os usasse para pegar em pesos e, se não fossem demasiados, até preferia com que sem. Depois, sem querer, encontrei a palavra assexual mas ainda restava a duvida que adorei quando a abordaram que era a da masturbação: se no final eu sentia-me bem como podia dizer que era assexual. Se calhar eu estava era desesperado por uma etiqueta para não me sentir sem o tal chip. Mas é como dizem: eu o fazia como um meio para conseguir relaxar, parar de pensar e começar a adormecer. Não sei como explicar porque era o melhor meio para obter isso mas era (e ainda é, de tempos a tempos). Não era, nem é, como se queira fazer sexo com alguém. Seja como for, o facto é que, para não me alongar muito mais, adorei este artigo pois, como diz na introdução: « São pessoas “invisíveis”, que não podem falar abertamente sobre a ausência de desejo, porque estamos na era do “você precisa fazer sexo para ser saudável e feliz”» . este blog dá visibilidade e permite-me falar de algo que calo apenas porque me fartei de ser olhada como estivesse a gozar os outros e os homens querem logo ser “ele” a provar o quão errada estou e quão magnifico o mundo do acto sexual é. Não duvido que o seja… para eles. Respeito isso mas ás vezes me questiono porque não fazem o mesmo comigo? Nem sequer sou tão atraente assim ou tenho uma personalidade fácil de lidar. Enfim. Obrigada por teres este blog e permitires que pessoas como eu possam ler artigos/entrevistas excelentes como esta.
    Beijos, Paula.

  11. Tem como uma pessoa ser arromântica sem ser assexual? Depois de ler esse post voltei a pensar que nunca me apaixonei de verdade, só paixonites bem passageiras, mesmo já tendo namorado por cinco anos. Isso significa que sou ou não sou arromântica?

  12. Entrevista maravilhosa; esclareceu muito.
    Estou apaixonada por um cara que julgo ser arromantico e assexuado. Ele sempre diz que não quer namorar ninguém “nascemos sozinhos, e no caixão só tem lugar pra um”, ele diz.
    Alguma palavra de conforto?

  13. Acho a penetração desnecessária, não sou assexual, durante muito tempo pensei que fosse porque não sentia nada por ninguém, na verdade eu tinha depressão que cortava minha líbido e não sabia.
    Hoje, tenho certeza que não sou assexual, pois tenho atração sexual, mas tenho dúvidas se sou arromântica porque mesmo tendo os desejos sexuais, eu não vejo necessidade em ter relacionamentos amorosos, gosto de ficar só, me sinto bem, acho que viveria bem sem amores.

  14. Acho que tenho um pouco de demissexualidade. Não me vejo ficando por ficar, ja fiquei e não houve sentimento. Tenho 22, nunca namorei e só fiquei apenas 2vezes… à 5 sem qualquer contato. Será mesmo que transito na assexualidade?

  15. Adorei ler sobre esse assunto,achei muito interessante já e difícil acha blog ou saite falando sobre isso tao detalhadamente .
    ameiii a entrevista.

  16. Sou de SP. tenho o desejo de ter um filho e morar junto com alguma mulher assexuada. Sexo apenas pra reprodução… Se alguém se interessar… tenho 26 anos, moro no ABC Paulista… sou gentil, amigável, respeitável, e busco algo duradouro… whats… 011 95494-0873.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *